Sábado, 27 de Novembro de 2021
23°

Alguma nebulosidade

Curitiba - PR

Galeria de fotos 1 foto

Convidado: Moacir Ubirajara. Escreve sobre suas experiências ao ler um dos livros do Pe. João Mohana.

27/05/2021 às 18h56
Por: Mhario Lincoln
Compartilhe:

LIVRO OBSCENO

Convidado: Moacir Ubirajara

Tão logo li a matéria da coluna de Mulher Babaçu, incorporada com elevado senso de altruísmo pelo jovem artista maranhense Uilmar Junior, meu querido sobrinho, me aflorou a mente a necessidade e o dever de justiça em apostilar um comentário sobre um episódio  vivenciado por mim ,  durante  minha adolescência .

O evento teve conotação engraçada porque foi protagonizado por mim, quando lia uma das primeiras obras do   ilustre e vocacionado sacerdote – Pe.  e médico, João Mohana.

Ah!!!!Preciso me apresentar: chamo-me Moacir Ubirajara P. da Gama , 75 anos, amazonense, criado à margem do lago Tefé, Foz do Rio  Solimões, na nossa grande Amazônia. Hoje cidadão cearense, servi muitos anos, com honradez, ao Exército Brasileiro, quando aposentado,  conclui a graduação em Agronomia, em Fortaleza -CE.

Retroagindo ao tempo e no espaço épico, registro o episódio da minha adolescência nos anos 1970..Tinha, como todos das atuais gerações : "x", ”y” e “z” ,a grande ansiedade de conhecer seu próprio corpo, sua fisiologia e eventuais potencialidades, preponderantemente as de natureza sexual (...)

Capa.

Busquei numa livraria do centro   comercial de Fortaleza, denominada na época de Livraria   Feira do Livro. Tentei orientação de um livro de auto ajuda psicológica com o livreiro, chamava-se Nilo. Era um homem de caráter bom e simples, com aproximadamente   meia idade, me atendeu com um sorriso aberto. Nilo, selecionou e me entregou em tom discreto e com comentário o livro: “A vida Sexual dos Solteiros e Casados” do escritor, Pe. Dr. João Mohana.

Em casa, discorria com pura avidez os interessantes capítulos de anatomia do corpo humano. Os mais interessantes, óbvio, eram sobre sexologia com suas respectivas e pertinentes ilustrações. Já havia lido   a primeira metade quando aconteceu o inesperado: - O: livro desapareceu, inexplicavelmente.

Com o passar dos anos, lamentei profundamente o acontecido, perdera   - ”entre os dedos da mão”- a oportunidade de obter tão necessário e providencial conhecimento. Isso me frustrava com latência, pois, naquela etapa da vida vivenciava conflitos familiares, falácias sexuais e inúmeros conflitos somáticos, pensamentos versus  realidade juvenil,  principalmente os de   natureza existencial, enfim... 

Há!!!!! Consegui finalmente encontrar o sonhado livro, estava entre os esconderijos abaixo de um quadro da imagem de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, num velho guarda-roupas Encontrei a tão sonhada obra de ajuda psicológica?

A minha saudosa mãe, possuidora da formação religiosa originária dos padres ortodoxos, missionários da Holanda, no então pacato município de Tefé, nas plagas do Rio Solimões, localizado no trecho superior do rio Amazonas, no Brasil, que vai desde sua confluência com o rio Negro até a tríplice fronteira do Brasil com o Peru e a Colômbia, ela afirmava veementemente   não ter visto, de forma alguma, aquela obra.

Coitada! Minha mãe, Altacyr Pereira (A Tatá) escondera literalmente o livro do padre por conter figuras do aparelho genital feminino e da genitália masculina interna. O que seria para ela? Um livro de imoralidade? Obsceno? Ou Demoníaco? rsrsrs.

Os anos se passaram e hoje “setentão” confesso a importância de ter lido outros livros de ajuda psicológica, do pouco enaltecido autor. Ainda nos anos 90 ressalto que tive o privilégio de conhece-lo .Esse grande ser humano, compareci  à noite de autógrafos, quando do  lançamento de outro seu  livro:  :- “Ajustamento Conjugal” - autografado por ele, quando de sua passagem por Fortaleza.

          Hoje, de forma conclusiva declaro que referidos livros influenciaram sobremaneira minha formação e maturidade psicológica.

Sob minha ótica, a maior obra desse grande admirador das águas foi a que a que resultou no referido episódio pitoresco da minha adolescência.

 Uma frase ficou gravada indelevelmente no meu inconsciente, em que  ele escreveu ::  - “Não devemos ter vergonha de falar , naquilo que Deus não teve de criar”.!!!!!                          

Moacir Ubirajara

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias