Sábado, 27 de Novembro de 2021
23°

Alguma nebulosidade

Curitiba - PR

Educação A Poesia Maior

No Dia do Poeta, membros da Academia Poética Brasileira tem um encontro com as mais belas poesias

Esses trabalhos foram publicados com exclusividade no Grupo APB, do Whats.

20/10/2021 às 11h48 Atualizada em 20/10/2021 às 22h04
Por: Mhario Lincoln Fonte: Divulgação
Compartilhe:
ML
ML

"Vários membros da Academia Poética Brasileira, vem publicando suas obras ao longo da semana no grupo de Whatsapp da APB. A reportagem do Facetubes aproveita essas publicações para, em nome desses grandes amigos e amigas, prestar uma verdadeira homenagem ao Dia do Poeta, neste 20 de Outubro. Com vocês, os personagens dessa histórica lírica que só faz melhorar a vida da gente". Orquídea Santos, assessora de imprensa da APB.

"Hoje representarei nossa APB no evento aos poetas, aqui em Cascavel!  Sintam-se muito amados e amadas!"

Carmen Regina Dias/ Cascavel/PR.

*O POÇO

Aos que me cingiram com a insígnia de poeta, respondo: 

Sou um poço.

Poetas sois vós, que cavais ao meu redor.

Eu Sou a promessa do veio cristalino,

que jorra manso, 

goteja, a bem dizer.

 

Poetas sois vós,

espíritos cavadores de profundezas,

amigos da alma, joalheiros do céu.

 

Eu Sou a promessa do poço,

tratado, limpo, bem cuidado

onde se possa saciar a sede dos que virão.

 

A vós, que cavais com tal bondade esta cisterna

e que revestis com o vosso mel minhas paredes internas,

dedico, com gratidão, 

os poemas da posteridade. 

 

Carmen Regina Dias*

================

Francisco Tribuzi/MA

 

VERDADE

Francisco Tribuzi 

Um sonho esquisito, me leva...leve

Por caminhos nebulosos...já trilhados

Onde nuvens envelhecidas pela neve

das penumbras assombrando meu passado

 

Um sonho, de tudo, diferente

Quanto eu já tenha sonhado

Um sonho do passado, no presente

Que se sonha...acordado

 

Acordei alheio...sobressaltado

O que esse sonho, enfim me traz

Um segredo atormentado

Do passado que não volta mais

 

Mais um sonho que me leva

Ou, feito armadilha, me traz

Pesadelos na solidão da treva

Como se sonhasse nos umbrais

 

Mas o sonho é um mensageiro 

Talvez do que nem foi vivido

Somos dele, eterno passageiro

 

Nas viagens do tempo...perdido!

=====================

Jane Mary./ AMEI.

Jane Mary, na AMEI, comprando livros. Leitores entusiasmados são assim. Porque "viver é a arte de atravessar a vida".

Monica Puccinelli/ Curitiba.
Daniel Maurício/ Curitiba.

"Meus pensamentos/São barcos que me levam/ A lugares,/ Em que talvez,/ Meus pés não possam ir."/ Daniel Mauricio

 

 

 

Poeta MariaJosé da Silva/Rio
Antonio Oliveira/MA

"Fere-me os dentes a idade dos ossos/jamais tivera experimentado implacável dureza/ existência com os dias contados com certeza/ mas enquanto tudo é impossibilidade/ inclusive triturar sorrindo/ acredito que posso assobiar ou uivar/ num cio vampiresco e canino". Antonio Oliveira, imortal APB. (Essa edição está esgotada).

Rogério Rocha/MA

Furacão: "No centro do furacão/Debate-se inutilmente/O besouro escarlate/ Triste e pesada/ É a mão do destino". (Rogério Rocha). Ontem, o lançamento da coletânea "Poemas da pandemia", organizada pelo professor e escritor Ademir Luiz. O poeta Rogério Rocha representou o Maranhão, em meio a todos os demais colegas goianos.

-------------

Acadêmica Raimunda Frazão:

"

Mhario Lincoln/Curitiba.

Anjo ou Demônio

(*) Mhario Lincoln

 

Como se o vento

Tivesse escolha

De passar longe

(De ti), sem que colha

Teu cheiro-unguento

Perfumando, assim,

Minh'alma de monge,

Vestida de Serafim.

......

Agora descobres

minha real faceta:

Sou sim, parvo e careta.

=====================

Fc. Baía/MA

VERDADE

Soergo os olhos, vislumbro

O horizonte distante de mim,

Triste me culpo, pois fui eu

Quem sugeriu o nosso fim.

 

Vi que não tinha sentido 

continuar, sentir na’lma

Que tínhamos perdido a alegria

Da nossa essência, da nossa poesia.

 

Pensei até em recuar,

A confessar meu erro,

Porém relutei, repensei,

E decidir esquecer quem

Tanto amei

 

Minha cinderela amadureceu,

Cresceu, criou asas enfim,

Deixando pra trás apenas, uma

Janela aberta fria, sem mim.

Francisco Baia

============

 

Adriano Siqueira/ São Paulo.

Quarto Escuro 

Por Adriano Siqueira

 

Na solidão

é que vemos as respostas

que não aparecem

quando estamos acompanhados

 

Na solidão encontramos

soluções dos problemas

que nunca conseguimos resolver

 

Na solidão

nos vemos sem vergonha e sem timidez

somos solitários

 

E quanto mais solitários ficamos

mais os outros solitários 

que estavam por perto 

aparecem para nos fazer companhia

Somos todos solitários.

Ana Néres/MA

 

BALADA DA MANGA 

Ana Néres Pessoa

Samuel Barrêto

 

Nasce leitando alegria

Alimenta uma estação

Da meninada euforia

Se faz na mesa de pão

 

Sobe no pé pra comer

Provar com mais emoção 

Sal, pimenta e o que vier

Do nordestino a paixão

 

Espada, mesa e fiapo

Manga piqui, manga rosa

Tem a beleza no papo

Essa menina sestrosa

 

Temos também manga uva

E a famosa manguita

Manga demais! Eita, ufa!

Já não cabe na marmita.

 

A manga pêra é sabor

Que não se pode igualar

Toda manga ter vigor

Pensando se faz sonhar

 

Quero e te ver dar conta 

De tanta manga provar

Manga jacaré... É onda?

E ainda tuturubá?! 

 

Ela dengosa é suco

De creme é toda macia

Para o feirante dá lucro,

Na farra da poesia

 

Cabo de inchó também? 

Só pode ser brincadeira

De massa conheço bem

De chupe e a aroeira.

===============

Uimar Junior/ MA.

Uimar Junior, indicou para o Dia do Poeta, os versos abaixo:

Anjo Mais Velho

Canção de O Teatro Mágico

 

O dia mente a cor da noite

E o diamante a cor dos olhos

Os olhos mentem dia e noite a dor da gente

Os olhos mentem dia e noite a dor da gente

Os olhos mentem dia e noite a dor da gente

Enquanto houver você do outro lado

Aqui do outro eu consigo me orientar

A cena repete, a cena se inverte

Enchendo a minh'alma d'aquilo

Que outrora eu deixei de acreditar

Tua palavra, tua história

Tua verdade fazendo escola

E tua ausência fazendo silêncio em todo lugar

Metade de mim agora é assim

De um lado a poesia, o verbo, a saudade

Do outro a luta, a força e a coragem pra chegar no fim

E o fim é belo incerto, depende de como você vê

O novo, o credo, a fé que você deposita em você e só

Só enquanto eu respirar

Vou me lembrar de você

Só enquanto eu respirar

Só enquanto eu respirar

Enquanto houver você do outro lado

Aqui do outro eu consigo me orientar

A cena repete, a cena se inverte

Enchendo a minh'alma d'aquilo

Que outrora eu deixei de acreditar

Tua palavra, tua história

Tua verdade fazendo escola

E tua ausência fazendo silêncio em todo lugar

Metade de mim agora é assim

De um lado a poesia, o verbo, a saudade

Do outro a luta, a força e a coragem pra chegar no fim

E o fim é belo incerto, depende de como você vê

O novo, o credo, a fé que você deposita em você e só

Só enquanto eu respirar

Vou me lembrar de você

Só enquanto eu respirar

Só enquanto eu respirar

Vou me lembrar de você

Só enquanto eu respirar

E o fim é belo incerto, depende de como você vê

O novo, o credo, a fé que você deposita em você e só

Só enquanto eu respirar

Vou me lembrar de você

Só enquanto eu respirar

Só enquanto eu respirar

Vou me lembrar de você

Só enquanto eu respirar

Só enquanto eu respirar

Só enquanto eu respirar

Só enquanto eu respirar

Só enquanto eu respirar

Só enquanto eu respirar

Só enquanto eu respirar

============

Caption

 

Joema Carvalho e poemas sobre Papagaios:

">

 

Clevane Pessoa/MG

ÁNGEL CAÍDO

CLEVANE PESSOA

(Vice-presidente Nacional da APB)

 

Lo negro en la paleta,

gotas de blanco.

La mezcla llega al ceniza,

las canas, la nieve sucia, los días de lluvia,

las nubes pesadas, el alma desanimada.

La vejez es gris, cada vez que se desvanece

la esperanza verde en gotas de abandono.

El alma es gris en soledad,

la voz perdida, la falta de cariño,

el desaliento que instiga el instinto de Thanatos.

El artista ama los colores

y así mismo, en la comprensión mayor,

de un mundo desigual,

mezcla el blanco al negro,

negro al blanco,

y crea un ángel, desanimado de tantas miserias, picardías, pérdidas,

bancarrotas, vicios, traiciones , guerras,

hambre y desesperanzas,

espantado con los Hombres,

que pierden cada vez más

el supremo biem de la paz

absoluta

y simple,

abrir la boca de espanto,

cair de las propias alturas, en pleno vuelo de reconocimiento,

y sentarse desanimado, cansado de luchar por una

humanidad fallida e inconstante...

Humberto Napoleon/Quito-Equador.

 

Poema ′′A GUITARRA E VOCÊ′′ do poeta HUMBERTO NAPOLEÓN VARELA ROBALINO, Vice-presidente para Assuntos Internacionais, da Academia Poética Brasileira.

Sobre la silla

reclinada la guitarra

Tú como si estuvieras sola

sentada en la silla

Tensas las cuerdas de la guitarra

vulnerables a los dedos magistrales

Tú cruzadas las piernas

vulnerables al despertar del deseo

La guitarra en el vaivén

de sonidos y silencios

Tú ritualmente palpas

la abotonadura de tu blusa

La guitarra aprieta

ajusta sonidos y silencios

Tus maos se llenan

del temblor de tus rodillas

La guitarra vibra

la guitarra suenañ

la guitarra brilla sus culebras de corales

Tus ojos se tornan

opalinos blancos

La guitarra suena

suea la guitarra

suena

Tú gimes

gimes tú

gimes

(Direto de Quito-Equador, sede internacional da APB/2021)

===============

Pedro Sampaio/vice-pres.regional do CE.

PEDRO SAMPAIO/APB

Salve o Dia do Poeta

O poeta ao nascer

Nasce com inspiração

Que Deus vem lhe conceder

Pra ter no verso a condição

 

De expressar seu sentimento

De amor e de paixão

Ao versar cada momento

Versos fluem do coração

 

Não Versa somente flores

Também versa as suas dores

Com sua pena alcança meta

 

Hoje a arte se irradia

Ao reinar a poesia

Salve o Dia do Poeta

=========================

P.Rodrigues, vice-pres.regional do MA.

ACIDENTAL

Paulo Rodrigues/APB 

deito em tuas pernas

depois do amor.

pela primeira vez

entendo a distância

entre o céu e o Aconcágua.

espero ali,

em silêncio,

um mar surgir

como surgem as manhãs

na minha cara.

só as pedras da descida

me conquistam,

agora.

 

POETAS CONVIDADOS

Alcina Maria/São Paulo.

DOIS RIOS E UM AMOR.

Autora: Alcina Maria Silva Azevedo.

Somos como dois rios.

Que caminham paralelos

Cada um, em seu lugar

Dois rios tão iguais, que se nutrem do desejo,

de um dia se encontrar em alto mar.

Somos rios! Somos águas!

Somos criações divinas! Que se entregam ao amor!

Um amor que foi guardado e muito desejado.

Somos rios! Somos águas! Tão iguais e passionais.

Desaguamos!

O mar nos acolheu.

O desejo explodiu em gozo!

Borbulhando em grandes ondas.

E o amor aconteceu!

Cunha Santos.

CUNHA SANTOS (in memoriam)

Na véspera do Dia do Poeta, morre  o jornalista Cunha Santos aos 69 anos. Um dos um dos melhores poetas da sua geração, com participação em vários movimentos lírico na cidade de São Luís. Mhario Lincoln fez a última entrevista com para a VídeosTV do Facetubes. Nela, Cunha Santos fala muitas coisas que há anos eram confidências. A ele, nossa homenagem:

Motel

O mênstruo da aurora em tom vermelho

repete-me abatido na vidraça

minha imagem em dó, ré, mi, coalha no espelho

o sol, lavando o resto, vê e passa

 

é a manhã, rebento do meu sono, afoito

me mudo para a lâmpada que, acesa,

crava minha sombra sobre a mesa

caneta e eu, poema, eterno coito

 

saudades dela em mim como estrias

na pele. E como é dura removê-las

devassos nós dormimos quando é dia

 

que às noites, como cães lassos de orgia

se ela faz suruba com as estrelas

eu vivo em coito anal com a poesia

---------------------

João Batista do Lago/São Luís.

Poeta João Batista do Lago.

MINHA SIGELA HOMENAGEM AO POETA CUNHA SANTOS:

IN MEMORIAM – CUNHA SANTOS

De João Batista do Lago

Caronte não é só barqueiro

Também é ladrão de poeta

Cobrou de assalto ligeiro

A vida de um nobre esteta

“Bambina”, será, já percebeu!?

Não mais ouvirá bêbados versos

Seu poeta no eterno adormeceu

Calaram-se os poemas seus

Quanto a nós, aqui viventes,

Imaginamo-lo no sarau do céu

Encantando os anjos presentes

Com seus arpejos reluzentes

Irradiando os versos seus

No vibrato do ouvido de Deus

---------------------

Poeta convidada/Paraná.

Uma homenagem aos 69 anos de nossa poeta e escritora, Miss Universo Sênior.

ANECY ONCKEN 

Miss Sênior do Paraná 2018, Miss Beleza Sênior do Brasil 2019, Reina Dorada Continental 2019, MRS Sênior Internacional 2020, Miss Classic Brasil 2021

É Professora aposentada no Paraná e escritora de livros de apoio pedagógicos, inclusive, uma bela coleção em braile. Parabéns pela data de hoje.

Vida longa.

"Uma das pessoas mais especiais que conheci. Guerreira, uma professora simples que se tornou uma referência na beleza sênior e na alma, após tantos trabalhos importantes para alunos carentes e deficientes. Parabéns amiga Anecy". (Jornalista Mhario Lincoln).

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias