Quinta, 15 de Abril de 2021 02:30
[email protected]
Educação 08 DE MARÇO/2021

Leopoldo Vaz, convidado, apresenta mais uma edição de : "MARANHAY – REVISTA LAZEIRENTA"

ANTOLOGIA LUDOVICENSE

06/03/2021 20h48 Atualizada há 1 mês
85
Por: Mhario Lincoln Fonte: Divulgação
capa
capa

A "MARANHAY – REVISTA LAZEIRENTA"

EDITORIAL 

Este número, em especial – e a seguir outros - serão dedicado à dar visibilidade á ANTOLOGIA LUDOVICENSE que comecei a elaborar alguns anos passados, quando da fundação da Academia Ludovicense de Letras como uma proposta levada aos seus membros e aprovada sua construção. 

Nomeada a Comissão especial, esta não se reunia sempre com uma justificativa diferente, da presidente da mesma; decidi-me, então, a começá-la, reunindo as informações necessárias daqueles literatos que nasceram na Atenas brasileira... 

Em uma das reuniões, de final de ano, fiz a cobrança, estando todos o membros da comissão presentes, e informando que já iniciara o levantamento e tinha mis de mil páginas já 'escritas', com o resgate de vários dos dignos representantes da poesia e prosa da Ilha. 

Houve um pandemônio, afirmativas de que uma única pessoa não conseguiria faze-la, e que havia uma Comissão para tal... apresentei, então, os cinco volumes já prontos!!! À Comissão. Foi então 'descartado' como sendo a Antologia oficial da ALL, pois não era fruto de trabalho da comissão  agora já em minúsculo – designada como tal. Que se desejasse, que a publicasse como trabalho individual, sem o aval da ALL... é o que venho a fazer, agora.  

Alguém, do grupo de poetas, Os Integrantes da Noite, sugeriu uma antologia de poetisas ludovicenses/maranhenses e informei que um dos volumes da Antologia em que vinha trabalhando intitulava-se "Mulheres de Atenas", pois as senhoras da ALL, naquela ocasião, decidiram que haveria um volume dedicado apenas às mulheres... 

Pediram, então, que colocasse visível o trabalho... comecemos por elas, então... 

Lembrando, toda antologia é uma escolha pessoal; aqui, procurou-se identificar todas aquelas que consegui identificar como sendo 'ludovicenses'... 

É uma obra aberta: aceitando contribuições e novas autoras!!! 

Lembrando: muitos dos textos têm autores colaboradores, e estão citados, bem como os locais pesquisados nas redes... o escriba aqui apenas coordenou/organizou, e escreveu algumas linhas... 

LEOPOLDO GIL DULCIO VAZ 

EDITOR 

 

INTRODUÇÃO  

LEOPOLDO GIL DULCIO VAZ 

Academia Ludovicense de Letras – Cadeira 21 

Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão – Cadeira 40 

Academia Poética Brasileira – Cadeira 92 

Uma advertência: "Escrevi para aprender"[1]. Não é livro de historiador; não há pesquisa inédita nos arquivos. Não há conclusões ou interpretações inovadoras. Não se pretendeu ser original. Para a construção deste espaço intelectual e para a análise das estratégias de afirmação[2], disputas e repertórios nele acionados, são importantes fontes as publicações biográficas promovidas por instituições dedicadas à consagração de personagens que se destacaram no cenário "intelectual" maranhense, como a Academia Maranhense de Letras (AML) e o Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM). Para obtenção de dados relativos aos agentes em questão buscaram-se, mesmo, nas obras citadas as informações necessárias, assim como se utilizou amplamente das ferramentas de busca disponíveis na 'nuvem'. Além destes, recolhemos informações de biografias, livros de memórias, prefácios, antologias, sites particulares ou institucionais, entrevistas, materiais produzidos pelos movimentos culturais de que participaram e alguns trabalhos acadêmicos que nos auxiliaram no mapeamento e caracterização historiográfica do período em pauta e no conhecimento dos "pares geracionais". Sempre indicando a fonte, de quem se usou o "copiar/colar"; ou os depoimentos, recebidos através do correio eletrônico.  

A originalidade está na abordagem...  

A motivação para reunir o material aqui ora apresentado, foi o ingresso como membro fundador da Academia Ludovicense de Letras – ALL –, fundada em 10 de agosto de 2013, e que tem como finalidade: 

[...]  o desenvolvimento e a difusão da cultura e da literatura ludovicense, a defesa das tradições literárias do Maranhão e, particularmente, de São Luís, a perpétua renovação e revitalização do legado da Atenas Brasileira, o culto às origens da cidade e à sua formação pelas letras, a valorização do vernáculo e o intercâmbio com os centros de atividades culturais do Maranhão, do Brasil e do exterior" (Art. 2º do Estatuto Social).  

O presente volume é dedicado às MULHERES de ATENAS, às IMORTAIS [3] não só da Academia Ludovicense de Letras, mas sobretudo daquelas nascidas na cidade do Maranhão – São Luis. Muito embora muitas das atuais ocupantes de cadeiras das nossas instituições academicas  não seja ludovicenses de nascença, tiveram sua vida e obra atreladas à cidade; dai estarem aqui elencadas, as Imortais; as demais têm como condição primeira ter nascido aqui, em São Luís do Maranhão.  

Para Silva (2009)[4], ao longo dos cem anos de existência da Academia Maranhense de Letras, dos cento e quarenta e dois (142) membros, apenas oito (8) são mulheres. São elas: Laura Rosa, Mariana Luz, Dagmar Desterro, Conceição Aboud, Lucy Teixeira, Ceres Costa Fernandes, Laura Amélia Damous e Sônia Almeida. 

Corrêa; e Pinto (2011) [5], ao lançarem olhar sobre a poesia maranhense contemporânea de autoria feminina - a safra poética das últimas décadas do século XX, a partir dos anos 80 -, identificam: Laura Amélia Damous, Dilercy Adler, Rita de Cássia Oliveira, Rosemary Rego, Geanne Fiddan, Andréa Leite Costa e Henriqueta Evangeline. 

Dinacy Corrêa[6], ao lançar "Um olhar sobre a poesia maranhense contemporânea" , de autoria feminina (especificamente a safra poética das últimas décadas do século 20 próximo passado, a partir dos anos 80, no trânsito para o século XXI), elenca: Arlete Nogueira da Cruz, Laura Amélia Damous, Dilercy Adler, Rita de Cássia Oliveira, Lenita Estrela de Sá, Lúcia Santos, Maria Martha, Wanda Cristina Cunha, Rosemary Rego, Geanne Fiddan, Goreth Pereira, Andréa Leite Costa e Henriqueta Evangeline 

A Academia Ludovicense de Letras, dentre seus membros – Patronos e Fundadores – possui seis Patronas, das Cadeiras: 08: Maria Firmina dos Reis – também Patrona da Academia, por isso "Casa de Firmina dos Reis"; 25: Laura Rosa; 29: Maria de Lourdes Argollo Oliver (Dilú Mello); 34: Lucy de Jesus Teixeira; 37: Maria da Conceição Neves Aboud;  e 38: Dagmar Destêrro e Silva. Dentre as Fundadoras: ocupam: Cadeira 8, Dilercy Adler; Cadeira 30, Clores Holanda Silva; e Cadeira 31, Ana Luiza Almeida Ferro.  

Em março, quando da eleição de novos membros das ALL, foram indicadas e aceitas: Ceres Costa Fernandes, cadeira 34 patroneada por Lucy de Jesus Teixeira, indicação de Álvaro Urubatam Melo; Maria Thereza de Azevedo Neves, indicada por Sanatiel de Jesus Pereira, para a cadeira 13 patroneada por Artur Azevedo; Eva Maria Nunes Chatel, indicação de Ana Luiza Almeida Ferro, para ocupar a Cadeira 29, patroneada por Maria de Lourdes Argollo Oliver (Dilú Mello) – renunciou à indicação em abril de 2015. 

Leia a íntegra desta revista in:

https://issuu.com/leovaz/docs/maranhay_-_antologia_ludovicense_mulheres

 

------------------------------------------

[1] MONTANELLI, Indro. HISTÓRIA DE ROMA. Citado por DORIA, Pedro. 1565 – ENQUANTO O BRASIL NASCIA – a aventura de portugueses, franceses, índios e negros na fundação do País. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012, p. 18   

[2] SILVA, Franklin Lopes. Literatura, Política, e Pessoalidade: lógicas cruzadas de atuação no espaço intelectual maranhense (1945-1964). Síntese de monografia de graduação em Ciências Sociais na Universidade Federal do Maranhão. 

[3] NERES, José. CERES, LAURA E SONIA: TRÊS MULHERES IMORTAIS. Disponível em http://joseneres.blogspot.com.br/2010/01/cereslaura-e-sonia.html  

[4] SILVA, RENATO KERLY MARQUES. ACADEMIA MARANHENSE DE LETRAS: Produção literária e reconhecimento de Escritoras maranhenses. Dissertação de mestrado. Ufma, 2009. Disponivel em http://www.ppgcsoc.ufma.br/index.php?option=com_docman&task... 

[5] CORRÊA, Dinacy Mendonça; PINTO, Anderson Roberto Corrêa. POETISAS MARANHENSES CONTEMPORÂNEAS. Revista Garrafa 23, janeiro-abril 2011. Condensação/adaptação de "Teares da Literatura Maranhense: poetisas contemporâneas". Relatório Final do Projeto de Iniciação Científica BIC-Uema/Fapema-2008/09 de Anderson Roberto Corrêa Pinto, bolsista/orientando da Professora Dinacy Mendonça Corrêa (Projeto TEARES DA LITERATURA MARANHENSE..Núcleo de Estudos Lingüísticos e Literários. Curso de Letras/Cecen/Uema. 

 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba - PR
Atualizado às 02h15 - Fonte: Climatempo
15°
Chuvisco

Mín. 12° Máx. 21°

15° Sensação
6 km/h Vento
94% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (16/04)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 13° Máx. 25°

Sol com algumas nuvens
Sábado (17/04)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 15° Máx. 23°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Ele1 - Criar site de notícias