Quinta, 21 de Outubro de 2021
16°

Muitas nuvens

Curitiba - PR

Blogs e Colunas ACERVUM

Convidados, imortais da Academia Poética Brasileira, neste edição da Acervum/Revista Poética Brasileira

Entretenimento.

19/06/2021 às 11h54 Atualizada em 19/06/2021 às 13h21
Por: Mhario Lincoln Fonte: Divulgação
Compartilhe:
capa
capa

ESPECIAL, ACERVUM, suplemento da Revista Poética Brasileira.

Roger Dageerre.

ROGER DAGEERRE, convidado da APB:

Frases, do livro "Pensando bem..."

1 - Parabéns pelo teu lado bom, mas não te esqueças de que o outro lado também te pertence.

 2 - Pessoa desconhecida é também merecedora de respeito tanto quanto a conhecida.

 3 - Somente quando a velhice chegar saberás com quem valeu a pena conviver.

 4 - O silencio é valioso, mas a falta de uma palavra pode pôr tudo a perder.

PEDRO SAMPAIO, imortal APB, seccional do Ceará.

Nasceu mais uma Cria Literária, mais um filho em forma de Cordel e versando um tema que encheu meu coração de alegria. Mestre e Xará Severino Pedro, grandiosíssimo poeta da cidade de Bezerros-PE me pediu que escrevesse sobre ARY LOBO sendo ele o maior fã do artista no Brasil pesquisador e estudioso da obra e universo aryloboniano, além de colecionador. Severino Pedro ao receber o conteúdo de: ARY LOBO: "UM ARTISTA BRASILEIRO COM A CARA DA NOSSA GENTE" com sua autoridade de conhecedor vibrou, aprovou e foi além disso, nos honrando e agraciando com um fabuloso texto em prefácio apresentando esse trabalho realizado com amor e editado sua composição gráfica na Editora Edson Cordelaria. Veja vídeo abaixo:

"

Kleber Lago.

CONVIDADO ESPECIAL:

Poeta e imortal APB KLEBER LAGO, da seccional do Maranhão:

 

FOI ASSIM QUE CHEGUEI

Na vida não andei só entre flores:

Tive meus dias de pisar espinhos,

Amargando, também, meus dissabores

A caminhar por ásperos caminhos.

 

Não reclamei jamais de minhas dores

Nem chorei insucessos que, aos pouquinhos,

Fui superando como os vencedores

Que não temem da luta os torvelinhos.

 

Foi desse jeito que cheguei aqui,

E até momentos de fora da lei

Vivi, por crimes que não cometi.

 

Muitas vezes segui aos tropeções,

Mas com as pedras em que tropecei

Alicercei as minhas construções.

(Kleber lago, Outros Momentos)

Francisco Baía.

FRANCISCO BAIA.

Imortal APB, seccional MA:)

MEDUSA

A tua palavra 

soou como um

veredicto final

dum julgamento

sem testemunhas,

o réu calou-se diante

da sina que lhe era

reservada: a morte 

de si mesmo!

Até quando te 

saciarás do infortúnio

daquele que te deu

como leito, seu próprio

peito? Até quando?

 

Tremem nas sepulturas

todos aqueles que cantaram 

pra ti, a mais bela canção 

de ninar, e te fizeram

adormecer em perfumados 

sonhos de amor e de prazer,

todavia essa poesia, tu não a 

via, preferiste ouvir a mórbido

e funesto canto da sereia que

banha mares de dor e transforma 

o solo fértil em simples

grãos de areia - etéreo .

Saiba tu que:

-O povo sofrido e escolhido

conseguiu rasgar águas

intransponíveis e mortais,

e alcançar a terra, a liberdade!

A mão do Poder Maior: Deus!

Estava lá!

 

As pilastras de ferro

do calabouço da dor,

da agonia, caíram ao chão

derrubadas pelo homem

vencido pela traição, mas

Ele estava lá!

 

Portanto, o prisioneiro

inocente, sairá livre, ileso,

das correntes que tu colocaste,

em uma das mãos a espada da liberdade,

na outra, um espelho como escudo,

pronto pra enfrentar-te, medusa

perversa! Mil olhos tens, todos

da cor de sangue, entretanto a

maldade te impede de olhar-te

mais de perto, mas, o certo é,

que morrerás, exangue, quando

te defrontares com tua própria 

face, a face da morte.

 

Cobras e aranhas entrelacerão 

tua cabeça e tecerão

teias afinal, deceparão

tua vontade mortal, 

fruto da fúria do teu eterno 

desamor, o bem vencerá 

sempre o mal, porque,

Ele: Deus, sempre

estará lá!

Sigamos desencontrados...

 

(Francisco Baia)

Maria José da Silva.

MARIA JOSÉ DA SILVA,

Imortal APB, seccional do Rio de Janeiro:

Finalmente aprendi,

Lutar pra conseguir.

Ser livre nos meus sonhos

Sem nunca desistir.

 

Finalmente aprendi,

Esquecer o passado.

Daquele amor perturbado!

Que  só me fez sofrer.

 

Finalmente aprendi,

Dizer não as tristezas.

Voar com os pássaros...

Ou como as borboletas.

 

Finalmente aprendi,

A caminhar de pés no chão.

Dizer não  a solidão! 

Procurar ser feliz! 

Finalmente aprendi.

 

(Maria José da Silva)

CHIQUINHO FRANÇA,

Imortal APB, seccional Maranhão:

"

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias