Domingo, 28 de Novembro de 2021
18°

Muitas nuvens

Curitiba - PR

Educação A Palavra do Editor

Aplausos para modernidade e coragem impressas à "Revista Panorama", editada por Luís Guterres

Uma revista que circulou a partir dos anos 50 e que teve ampla receptividade pública.

17/11/2021 às 18h36 Atualizada em 17/11/2021 às 19h07
Por: Mhario Lincoln Fonte: Mhario Lincoln/Revista Panorama
Compartilhe:
Montagem: ML
Montagem: ML

A REVISTA PANORAMA, primeira tentativa real de tirar uma publicação de variedades, da ‘mesmice’ da época.

*Mhario Lincoln

Com toda certeza tiro o chapéu para jornalista Luís Guterres (ou o advogado Luís Augusto de Miranda Guterres), esse maranhense que conseguiu publicar e dirigir a revista de variedades “Panorama”, com uma visão futurista que impressiona até nossos dias.

A começar, pela diagramação. Ele tentou sair daquela coisa quadrada, própria das esquadrias de ferro, usadas para diagramar (ou montar) os linotipos (avançados) para a época.

Uma diagramação diferenciada.

A verdade é que olhando as capas dessas publicações  vislumbrei rapidamente a primeira tentativa de um veículo de comunicação em São Luís, de ‘virar a mesa’ e fazer uma capa de forma mais moderna que o momento requeria. (Veja acima, na foto da chamada, a ilustração em duas cores e recortes das fotografias, coisas difíceis de fazer, pois as fotos eram feitas através do processo de ‘clichê’).

Então, trabalhar fotografias, recortes, sombreamento ou quaisquer outros tipos de efeitos, seria praticamente impossível. Mas Guterres, com inteligência e visão de futuro, acabou fazendo e tornando a revista “Panorama” um produto futurista.

Na época, entre 1952/53, as revistas internacionais que eram distribuídas pelo Brasil, tinham este mesmo estilo futurista de brincar com a imagem e com as letras de forma a tornar mais agradável a leitura para atrair o leitor.

Esse foi o mesmo olhar de Guterres com relação ao novo formato de revistas. Ele acompanhou uma transformação sistemática das lides impressas no Brasil, inserindo São Luís no contexto das produções modernas do produto impresso.

Vale lembrar aqui, da evolução da mídia brasileira. Muitas vezes isso se dava mais rápido no sul do país, haja vista a relação direta com o desenvolvimento das economias e das sociedades à sua volta. Dessa forma – acompanhar isso em São Luís – requeria muito mais espírito empreendedor e muita coragem. Na região nordeste, as coisas ainda pulsavam de forma mais quieta, quando os assuntos eram livros, revistas e jornais. Infelizmente, ainda não contextualizados com a vanguarda sulista.

Seguiu a linha dos sucesso editoriais dos EUA

Portanto, o empreendedorismo e a coragem foram os dois fatores que tornaram a revista “Panorama”, editada em São Luís pelo jornalista Luís Augusto Miranda Guterres, algo um pouco além de seu tempo, modificando alguns segmentos regionais como a própria cultura da informação e a maneira como os próprio “reclames” passaram a ser entronizados.

A verdade é que, enquanto durou, a revista “Panorama”, essa mostrou evolução rápida, responsável, com uma linha editorial diretamente ligada à liberdade de expressão artística e cultural, fato que contribuiu diretamente para as grandes mudanças político-sociais do Maranhão, nesse setor da informação.

Parabéns, portanto à criatividade e visão futurista do jornalista Luís Guterres por deixar na história da imprensa do Maranhão, que acabou de completar 200 anos, uma marca indelével de qualidade e responsabilidade, públicas.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias