Domingo, 09 de Maio de 2021 01:53
[email protected]
Cidades Convidados

Convidada Especial: "Somos simplesmente seres humanos", por Alessandra Leles Rocha

Entretenimento.

17/04/2021 20h08 Atualizada há 3 semanas
69
Por: Mhario Lincoln Fonte: Alessandra Leles Rocha
capa
capa

Somos simplesmente seres humanos

Por Alessandra Leles Rocha

Desde que o Sars-COV-2 surgiu e a raça humana foi confrontada com a condição de submissão a uma Pandemia, nada esteve tão diante de nós do que o tênue limite entre a vida e a morte. Mais do que isso, a conjuntura atual abriu um espaço gigantesco para reflexões diversas a respeito. O valor da vida. O significado da existência humana. O impacto da morte. Enfim...

E hoje, 17 de abril de 2021, foi um dia particularmente interessante, se olhado desse ponto de vista, porque estivemos diante de dois fatos muito marcantes. Primeiro, o mundo atingiu a marca de 3 milhões de mortos pela COVID-19. Segundo, porque foi realizado o funeral do Príncipe Philip, marido da Rainha Elizabeth II, em Windsor, na Inglaterra.

A morte sempre foi o lado contrário da moeda da vida. Já nascemos sabendo que um dia ela chegará. Mas, de repente, uma única razão, um vírus, até então, desconhecido, está dilapidando a raça humana sem dó nem piedade. Não foi o caso do Príncipe, que já estava com a saúde muito fragilizada pela própria idade; mas, de, pelo menos, 3 milhões de outros anônimos e famosos, mundo afora.

Entretanto, ambas as situações oportunizam pensar. Nem todo o luxo. Nem toda a riqueza. Nem todo o poder. Nem toda a fama ou glória. Não representam absolutamente nada diante da morte. No máximo um cortejo elegante, manifestações de condolências, coroas fúnebres, uma liturgia religiosa especial. Mas, nada que possa efetivamente trazer aquele ser humano de volta aos braços de seus entes e amigos queridos.

No caso da Pandemia, quando todo o rito de despedida foi brutalmente transformado pelo distanciamento e as medidas sanitárias impostas, a morte foi ainda mais cruel na impossibilidade da plenitude do luto, independentemente da condição social das pessoas. A dor, a perda, o sofrimento, tudo foi amordaçado pela realidade; contido de um modo que a morte passou a se decompor em ondas de tristeza sem fim.

Talvez, por isso, muito do desconforto que paira no ar, nesse momento, seja justamente pela tomada de consciência de que a ideia do “amanhã” não é verdadeira.  A vida não conta para ninguém o dia da sua partida. Pode ser hoje, amanhã, daqui a um mês, ... E agora, temos visto, bem de perto, o quanto isso é assustador.

Décadas e décadas dedicadas a levar a vida no ritmo acelerado do mundo moderno e, depois, contemporâneo. Preocupados em cumprir e bater metas de produtividade e consumo, para ostentar as maravilhas de ser bem-sucedido, entre os pares. De modo que sobrou bem pouco tempo para SER. Para amar. Para conviver. Para cuidar. Para tecer relações humanas em quantidade e qualidade suficientes, o bastante, para não se arrepender depois.

Muito engraçado, porque vivíamos como se a vida fosse acabar no minuto seguinte; mas, acreditávamos que haveria sempre o tal “amanhã”. Amanhã eu faço. Amanhã eu vou. Amanhã eu resolvo. E assim por diante. Cotidiano, família, trabalho, amigos, ... tudo acabava embrulhado no mesmo pacote que fazíamos questão de postergar. Até que, de repente ...

A vida decidiu abrir mão dos protocolos que vinha utilizando, há tempos, para emitir nota de alerta de que o prazo de sobrevivência estaria por um fio. Uma doença sinistra, com muitas variantes se disseminando, matando impiedosamente em questão de horas, poderia abreviar a vida, a história, os sonhos, as esperanças, as expectativas de quem se descuidasse por um minuto sequer.

O pior é que ela tem cumprido o aviso; ainda, que alguns teimem em insistir e persistir confrontando-a, indisciplinadamente, por aí, com aglomerações e negacionismo à Ciência. Sem contar que a imunização, pelo fato de ser uma Pandemia, esbarrou no óbvio, a quantidade de vacinas disponíveis. De modo que o processo se arrasta heterogêneo pelo mundo, dadas as especificidades da gestão implementada por cada país.

Nada tem conseguido conter o avanço da morte. Se apenas a COVID-19 já computou 3 milhões, imagina acrescer os dados de milhares de outras causas? Estamos sim, flertando muito mais próximo com a morte do que queremos supor; mas, sem conseguir enxergar o papel da vida no sentido da contenção desse processo.

Porque quem está vivo tem um papel fundamental na redução das causas que podem levar pessoas a óbito. Não só o Sars-COV-2; mas, as violências. A miséria. A subnutrição. Os outros agentes biológicos. A radiação. As poluições. ...

Assim, de uma forma bem clara e objetiva, a morte tem mostrado para a humanidade que não há posição social capaz de blindar ou neutralizar os seus efeitos sobre ninguém. Somos todos a “bola da vez”; todos vulneráveis. Não importa quem somos, onde moramos, quanto temos na carteira, que aspirações acalentam nossa alma, ... As mudanças no censo demográfico global, impostas pelas atuais conjunturas, terão desdobramentos e consequências drásticas para a coletividade, em todos os campos da vida durante o processo de reconstrução do mundo no Pós-Pandemia. Afinal de contas, a verdade é que somos simplesmente seres humanos.

1 comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba - PR
Atualizado às 01h37 - Fonte: Climatempo
13°
Muitas nuvens

Mín. 12° Máx. 18°

13° Sensação
9 km/h Vento
94% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (10/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 12° Máx. 22°

Sol com muitas nuvens
Terça (11/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 12° Máx. 25°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Ele1 - Criar site de notícias