Domingo, 28 de Novembro de 2021
18°

Muitas nuvens

Curitiba - PR

Blogs e Colunas POSSE NA APB

Poeta Francisco Baia é recebido com honras virtuais na Academia Poética Brasileira

Anfitrião, o premiado poeta cearense Pedro Sampaio.

26/06/2021 às 11h31 Atualizada em 27/06/2021 às 02h40
Por: Mhario Lincoln Fonte: Divulgação
Compartilhe:
Pedro Sampaio e Francisco Baia
Pedro Sampaio e Francisco Baia

"E com imensa honra que a Academia Poética Brasileira recebe para compor, em definitivo, seus quadros o poeta, escritor e militante cultural maranhense Francisco Manoel Baia da Silva, nascido em 21.08, em São Luís. Poeticamente participou do Movimento Jovem Renascença, escreve no Sábado Poético do www.facetubes.com.br, escreveu no Suplemento Literário do Jornal Pequeno, coordenado pelo poeta, irmão,  João Alexandre Jr, participou do Evento Novos Poetas do Maranhão, Evento do Departamento de Assuntos Culturais-DAC-Praxae, órgão da UFMA, teve participação nos  Livros,  Poetas da Ponte, do poeta Ray Santos, Esperando a Missa do Galo, do poeta e escritor José Moraes, da coletânea poética Meus Poemas, da Editora BECO dos Poetas e Escritores LTDA. Publicou um livro de poesia com o título POESIA PRA MIM É ASSIM,  e está com seu 2o livro pronto que será lançado se Deus quiser esse ano, LABIRINTO DE NÓS MESMOS. Um poeta simples, amigo, sensível, reconhecedor e cristão. Deus é sua fortaleza! Esse, sem dúvida, é o perfil que a APB se orgulha de ter como membro. Seja bem-vindo". (Mhario Lincoln, presidente da Academia Poética Brasileira).

Pedro Sampaio, Cadeira 75, APB-CE.

Convidado, agora, o confrade da seccional APB do Ceará, o premiado poeta Pedro Sampaio, para recepcionar, em grande estilo e de forma única, o novo membro-efetivo da Academia Poética Brasileira. Seja bem-vindo, Pedro:

Senhores e Senhoras, confrade e confreiras da magnânima APB,

Pura Magia

"Uma flor no campo se abrindo

Cai à tarde então vem o anoitecer

Na manhã a luz do Sol chega invadindo

É um novo dia que agora vai nascer" 

Dessa vez se abre é um lírio para encantar a toda A.P.B Academia Poética Brasileira, nosso Silogeu amado, que sente a alegria de vê nascer um novo dia com a chegada do magnânimo Poeta Francisco Baia, que toma assento em uma Cadeira como Acadêmico intensificando o brilho APBniano: 

"Essa luz que termina no Arrebol

Quando no Céu surge a Lua prateada

Ela pede licença ao seu seu Rei Sol

Pra que por ela a Terra seja iluminada" 

Francisco Baia chega como um Sol poético e uma Lua com seu clarão iluminando a poesia. E traz na bagagem um Maranhão de versos diversos na força e inspiração de um Vate de fé :

 "Contrastando com o brilho das estrelas

Inebriados nós ficamos só ao vê-las

Num cenário de meiga e pura magia" 

Francisco Baia se condiciona a magia da imortalidade por vasto e rico curriculum literário e conquistada ao ser diplomado e ter o peito o medalhão APB sobre o Pelerini que passa a ser sua segunda pele e poder adentrar em seus:

"LABIRINTOS DE NÓS MESMOS"

 "Restando ao Poeta, ao Trovador

Criar em seu Cenário de amor

O seu mundo que é feito de poesia"

 Cria-se assim, esse laço, APB/Francisco Baia, passando então a ser para o Poeta o seu Cenário onde reinará: Fé, Poesia, Paz e bem, amor e harmonia e agora integra seu mundo mais que nunca feito de pura Poesia. Seja bem vindo Confrade Francisco Baia, sinta de todos nós nosso abraço com nossa poética energia.

Poeta Francisco Baia, Cadeira 093, APB-MA

Com a palavra meu confrade, Francisco Baia:

"Orgulho-me demasiadamente em fazer parte dessa Academia Poética, donde abriga poetas de sensibilidade extremamente aguçadas. E faço a seguinte pergunta aos amigos: - o que faz poesia? Até onde onde ela me leva? As respostas podem não agradar alguns, porém ouso responder. Leva-me onde jamais imaginaria ir, principalmente nos sentimentos de outrem. Faz milagres nas almas, mentes de todos que a permitem adentrar nos seus cômodos, afinal somos todos poeticamente humanos. Sou agradecido pelo carinho que sempre fui recebido, principalmente pelo presidente dessa Academia,  o poeta que sempre o chamo de irmão e ele sabe o porquê, Mhario Lincoln. Obrigado poeta, como também aos poetas que sempre acolheram minhas obras com esmero e carinho.  Beijo os corações de todos e deixo minhas poesias a mercê d'olhos daqueles que realmente amam o próximo. Saudações poéticas". (Francisco Baia).

Poeta Francisco Baia com seu livro.

Bem vindo-poeta:

 

EU E VOCÊ

Sou pedra,

chão, solo, ação,

sou palavra de ordem

executada.

És éter,

vácuo, deserto, eco,

és espelho quebrado,

fragmento do nada.

Sou beija flor, 

néctar abundante da vida,

sou poesia, parte visceral

do amor, sou essência querida

nos anseios dos apaixonados,

sou o outro lado do lado de lá.

És nota desafinada, 

numa partitura mal acabada,

és canto esquecido num canto

do maestro frustrado, és nada,

és música não cantada no festival

dos desencantados.

Sou o viés, 

o atalho, a seta, 

a vereda que encaminha

os perdidos de amor na direção

do acalanto do coração alquebrado.

És a nuvem cinzenta, 

vestida com a mortalha

do medo, és o temor dos que

amam, a navalha afiada no pescoço

dos inocentes, és fria, sepulcro

dos crentes, és nada.

Eu e você, completamente

diferentes.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias