Sexta, 15 de Outubro de 2021
18°

Chuva fraca

Curitiba - PR

Blogs e Colunas APB

Cronicas de Mhario Lincoln "Quando uma luta de Telecath Montilla virou uma luta campal"

Inclui vídeo histórico de luta envolvendo Ted Boy Marino. (@nosso trabalho não visa lucros financeiros, nem publicitários).

20/09/2021 às 12h03 Atualizada em 23/09/2021 às 18h47
Por: Mhario Lincoln Fonte: Mhario Lincoln
Compartilhe:
eu e o Telecath
eu e o Telecath

HISTÓRIAS QUE NÃO PARAM MAIS (01)

* Mhario Lincoln

Só para constar: em uma de minhas empreitadas, ainda menino, tentei ser lutador de “Telecath Montilla”. E claro, ser o “Ted Boy Marino”. E quem, não?

Mario Marino, o ‘Ted Boy” era um ídolo. O galã tinha muita popularidade entre as crianças e o público feminino. O “Telecath” era, na verdade, um ‘espetáculo-marmelada’. Mesmo assim, fazia muito sucesso nas décadas de 60/70.

Pois bem. Para armar a coisa, precisava de um empresário e um cara bom para ganhar no ‘bico’ a plateia e arrecadar uma grana para comprar ‘papagaios’ na Barraca de Zezé Caveira, o melhor artesão de pipas da história de São Luís do Maranhão e participar das lanceadas no ‘Cuvão’ da Madre Deus.

Foi assim que convidei meu amigo Júlio para ser o empresário. Pedi um dinheiro para tia Mary Santos (aquela tia xodó da gente) e, com mais três amigos, montamos um ringue na rua dos Afogados, em frente a minha antiga casa. A lona pesada e bem áspera que cobria o tablado era do caminhão de seu “Dega”, entregador de mantimentos. Prestava serviço para a “Mercearia Neves”, onde mamãe tinha uma Caderneta de Fiado. O pagamento era ao final do mês.

Livro de Mhario Lincoln.

Ringue pronto, formamos dois confrontos. O cara esperto que me referi acima era “Tucum”. Ele recolheria as ‘doações’ da plateia. Fui buscar uma caixa de sapatos de minha mãe (ela nunca soube o que aconteceu com aquela caixa desse produto estrangeiro) e entreguei para ele fazer o serviço.

Assim, enquanto a primeira luta rolava no tatame, ele recolhia a contribuição de quem estava assistindo. Mamãe não tinha a mínima ideia de nada.

Chegou, então, o momento da minha luta. Eu estava ‘crente’ de que eu era o “Ted Boy Marino”. O lutador que escolhi para enfrentar era magrinho (chamava-se ‘Manga’):“uma presa fácil”, pensava eu com minhas sapatilhas altas de napa vermelha e ilhós grossos de bronze, entrelaçados com cadarço tirado das botas do meu tio, expedicionário. Estava nos ‘trinques’. Mas.…

Na primeira investida o adversário aplicou um “raspa” e eu fui de cara na lona. Cortou a minha sobrancelha e começou a sair muito sangue.

A vizinha da frente, olhando aquilo, pegou o telefone dela e ligou para o jornal onde mamãe trabalhava - 1533 - esse era o número.

Mamãe tinha uma camionete Rural Willys. Veio em desabalada carreira. Como não sabia dirigir tão bem naquela época e como o carro não tinha direção hidráulica, ao entrar na rua dos Afogados perdeu o controle e derrubou parte da fachada da casa do Delegado do Trabalho - autoridade que morava na esquina.

A partir daí, a inocente luta de “Telecath” virou uma luta campal. Veio ambulância do Pronto Socorro do Hospital Português, a Kombi preta e branca - Chiquita Bacana - da Polícia e o fusca vermelhão dos Bombeiros. Imaginem o bafafá e o tempo que tudo isso durou.

Passado o susto, procurei o amigo que arrecadava a grana para somar e dividir o apurado. Não o encontrei.

Dias depois fiquei sabendo que “Tucum” aproveitou a confusão e zarpou para a Padaria Santa Maria com a paquera Gracinha. Foram se deliciar com a famosa bolachinha da padaria e com o não menos famoso refresco de maracujá. E gastaram toda a nossa ‘ensanguentada’ grana...

*Presidente da Academia Poética Brasileira

Vídeo Bônus/Youtube

(Uma homenagem ao meu ídolo da juventude)

@Esta Plataforma não visa lucros financeiros nem publicitários.

"

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias