Segunda, 15 de Julho de 2024 14:56
editor-sênior, jornalista Mhario Lincoln
Cidades Dino de Alcântara

Crônicas especiais: "MAGALHÃES DE ALMEIDA, O Presencista", Dino de Alcântara

Uma anedota de Magalhães de Almeida (contada a Humberto de Campos em 1925) sobre o Futurismo e o Passadismo na Literatura Brasileira.

06/07/2024 15h03 Atualizada há 1 semana
Por: Mhario Lincoln Fonte: Dino de Alcântara
Arte: do original c/MHLai.
Arte: do original c/MHLai.



Dino de Alcântara*

Passada a Semana de Arte Moderna, em fevereiro de 1922, no Teatro Municipal de São Paulo, as ideias plantadas pelos modernistas começaram no mesmo ano a ecoar em outras cidades. No Rio, por conta da tradição e da Academia Brasileira de Letras, essas ideias revolucionárias encontraram pouco eco.
Coelho Neto, grande romancista, por exemplo, resistiu às ideias dos futuristas, sendo denominado de Passadista, em contraposição aos Futuristas, tendo como líderes, não só os paulistas, mas gente da tradição, como Graça Aranha, que chegou a dizer (em 1924): “Se a Academia não se renova, morra a Academia".
Travando esse debate na Confeitaria Colombo, no final de 1925 – Humberto de Campos, já membro da ABL, e o senador Magalhães de Almeida, que seria governador do Maranhão entre 1926 e 1930, discutiam se eram a favor do Passadismo ou do Futurismo.
O escritor e imortal da ABL se colocou, por razões óbvias, a favor dos passadistas, por conta do seu padrinho Coelho Neto. O senador codoense, ao contrário, disse que não era passadista. Ao que Humberto, curioso que era, indagou se estava diante de um futurista, como os “bicudos” de São Paulo. O político disse que também não.
E Humberto, com os olhos firmes no seu padrinho político:
– Então, comandante: o senhor não é passadista, não é futurista. O que é então?
Magalhães de Almeida, ante um sisudo cronista da vida brasileira, sorveu um bom gole do delicioso café e debulhou:
– Nem passadista, nem futurista. Sou presencista!

 

--------------------

(*) Dino de Alcântara, convidado da Academia Poética Brasileira.

3 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
Prof. Gualhardo e Silva. (USP) Aposentado. Há 1 semana São Paulo capitalCaro e ilustre Dino de Alcântara. Apenas para complementar a ideia. Dentro da ABL, a resistência aos modernistas era evidente. Os bicudos, aqui referidos, representavam a ala mais tradicional e conservadora da Academia, que se opunha às inovações trazidas pelos modernistas, como Mário de Andrade e Oswald de Andrade. Esta resistência foi simbolizada por figuras, inclusive, Monteiro Lobato, que criticou duramente as novas tendências artísticas e literárias promovidas pela Semana de 1922.
Professor Ruben Solimões, História e Grografia.Há 1 semana Abaeté-Salvador BAPalmas, senhor Dino. Aliás gostaria muito de conmhecer Alcântara, no MA. Dizem que é uma cidade história muito poarecida com São João Del Rei, em Minas. É verdade?
Guilhermino Saldez, poeta e escritor paranaense, nascido em Cascavel PRHá 1 semana Cutiriba PrDino, uma boa prosa. Vou levar essa para nossa conversa de fim de tarde, na Biblioteca Pública do Paraná.
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba, PR
Atualizado às 12h02
12°
Chuviscos

Mín. 10° Máx. 13°

11° Sensação
4.12 km/h Vento
76% Umidade do ar
100% (6.97mm) Chance de chuva
Amanhã (16/07)

Mín. 10° Máx. 12°

Tempo nublado
Amanhã (17/07)

Mín. 12° Máx. 20°

Tempo nublado
Ele1 - Criar site de notícias