Sábado, 27 de Novembro de 2021
20°

Alguma nebulosidade

Curitiba - PR

Cidades CULTURA

Convidada Especial: Linda Barros, Professora e Atriz . "SOBRAMES EM VERSO E PROSA"

Linda Barros é Professora e Atriz .

26/02/2021 às 20h22 Atualizada em 26/02/2021 às 20h49
Por: Mhario Lincoln Fonte: Linda Barros.
Compartilhe:
capa
capa

SOBRAMES EM VERSO E PROSA

Linda Barros, Professora e Atriz 

 

“... Escreva, cuide e viva

Cuide, viva e escreva

Viva, escreva e cuide

Minha paixão é viver,

     Cuidar e escrever

      Vivo por devoção,

      Cuido por coração,

escrevo só por paixão.”

Ruy Palhano

A vida em seu mais alto grau de complexidade ainda consegue nos surpreender e mostrar que há caminhos lineares ou tortuosos a seguir, que nos levam a dimensões inimagináveis, e, assim, alcançar o maior dos júbilos: dar esperanças àqueles que já não mais acreditam nelas. Alguns dizem que arte é que nem o amor: ou você sente ou não sente. Assim também é com a poesia, ou você gosta ou não gosta. No entanto, podemos afirmar que há beleza nas verdades mais cruas.

Vazio como um saco de supermercado 

Pendurado no trinco da porta da cozinha

O start da geladeira reprova o silêncio da noite

Penso no mar de Azov

Coloco óculos tênis short camisa

Em outdoors de manhã

Encontro ofertas de lábios pernas sorrisos

De repente um frio de oito graus pede socorro

Na esquina

(versos do poema VERDADES de Rafael de Oliveira, médico e escritor)

A SOBRAMES – Sociedade Brasileira de Médicos Escritores  -  é uma Associação cultural com relevantes trabalhos intelectuais e sem nenhum fim lucrativo. A egrégia instituição foi fundada em 23 de abril de 1965, em São Paulo. Ela abarca médicos e intelectuais em todo o Brasil, com o intuito de disseminar a literatura em outras vertentes acadêmicas. A academia é composta por mentes brilhantes que se dedicam além de salvar vidas, têm o brilhantismo cunho literário não científico.

VIVER, CUIDAR E ESCREVER é uma antologia de arte em forma de palavras que chegou para expressar o mais sublime dos sentimentos: amor à vida. É uma coletânea composta de textos escritos por médicos-escritores ou escritores-médicos. O que sabemos é que se trata de uma das obras mais singulares e enriquecedoras que chegou recentemente ao mundo das letras literárias não científicas. É uma antologia escrita e composta por autores atuantes na medicina e por autores consagrados que não são médicos, mas que prestam relevante contribuição à SOBRAMES.  

Doutor Arquimedes Viegas Vale, médico gastroenterologista e um dos autores da coletânea, nos apresenta a obra como “uma corrente de ideias que passa incólume, com a mesma forma e conteúdo por várias mentes, uniformizando um conhecimento à essência da comunicação humana”. Arquimedes Vale é também escritor, dentre as obras publicadas estão Resíduos cartesianos – poesias e Apologia do abstrato, também de poesias, entre outros.

Organizada pelo médico, poeta e escritor Michel Herbert, a antologia é composta de poemas, contos e crônicas. Os profissionais que compõem a coletânea são como os próprios médicos em seus postos de saúde, incansáveis com a pena como em seus bisturis em seus plantões. Eles nos brindam com seus versos para acalentar o sofrimento, 

Seja a tua oração, peta, a tua poesia,

bem como a voz da tua profecia...

Teus versos, poeta, sejam nossos guias

deleite o ovo com a tua sabedoria.

 

Continuamente noite e dia sejas, luz,

Sejas glória. Sejas guia.

O poetar seu teu respirar

na terra, deitado ou andando,

ou no mar navegando.

(Trecho do poema POETAR SEM CESSAR de Michel Herbert, Médico e Escritor)

Original do texto.

VIVER, CUIDAR E ESCREVER, como bem disse o doutor Arquimedes ao escrever na orelha dessa coletânea, “podem ser usadas em qualquer ordem, que ainda assim chegam a mesma finalidade”. Cuidar do próximo está no juramento de todo e qualquer profissional da medicina, principalmente daqueles que mais requer cuidado e atenção.

VEM, Ó ANJO DIVINO,

DERRAMA DE TEUS OLHOS

A LUZ DA PAZ

DEBRULHA SONORO

A TUA DOCE VERDADE

E ENVOLVE-NOS

ENSINA-NOS

A TRANSFORMAR AS DORES

EM FLORES,

OFERTA DE REDENÇÃO.

(Trecho do poema ORANDO PELOS DOENTES de Socorro Veras, Médica e Escritora) 

Essa antologia é uma semente que foi plantada, vingou e brotou outros frutos, hoje está na 5° edição, traduzindo com palavras o que há de mais sublime no intelecto desses homens e mulheres que nasceram com o dom de salvar vidas, seja pelas mãos calejadas, seja pela pluma já gasta. Com a sonoridade dos versos, perpassam a vida,

Ponte:

concreto armado,

inanimado,

morto.

 

Onde

trafegam

angústias

de estar aqui.

 

Dilaceram tuas veias.

Tuas artérias

Pulsam em neón.

Motores alucinados

Explodem em vida

O teu leito.

(Trecho do poema A PONTE do médico cirurgião e escritor Mário Luna)

Original do texto.

Na antologia é possível encontrar a mais simples tradução em palavras de momentos de angústia, revelados em códigos da escrita literária, traduzindo a simbologia da dor em beleza e cor nos versos e prosas de cada um destes 26 intelectuais que compõem essa coletânea.

 

Lâminas em voo

sangram cores.

 

Parábolas ao vento 

ultrajam o limite.

beija a flor,

Livre,

Voa.

(Versos do poema COLIBRI de Mário Luna)

Na V Antologia SOBRAMES há muitos convidados. São autores que não são médicos, mas que compõem a Academia. É o caso do professor, escritor e membro da Academia Maranhense de Letras José Neres, que se juntou aos intelectuais a convite dos mesmos. Nesta Coletânea, Neres traz cinco contos, entre eles, “A viagem”, “Amores Assassinos”, “Colegas”. Outra convidada da coletânea é Eliane Morais, escritora, poetisa e romancista, que presenteia o público com três poemas e um conto. Um convidado a mais que compõe a Antologia é escritor e engenheiro Sanatiel de Jesus Pereira, que oferece quatro contos, entre eles, “Saco de Gato” e “A Caixa de Pandora”.

Completando esse passeio poético, está o médico e escritor Ruy Palhano, nome de peso na Psiquiatria maranhense. Emprestando seus dotes poéticos, oferece os enigmáticos versos, 

 

Ilumine, ilumina a minha ilusão

Quanta paixão, lá no fundo do meu coração

É luna

É lusa

É ela, nós nela, ela em nós

É na vida a lua sopro e luz, tudo por vós.

(Versos do poema A lua, de Ruy Palhano)

A obra como um todo é um verdadeiro ensinamento, em cada verso, em cada estrofe, em cada conto, em cada canto. São espalhados e disseminados os mais sutis significados, doces, melódicos, que cativa o leitor de qualquer idade, de qualquer espaço e de qualquer momento. Por fim, dizer que arte salva, independente de qualquer idade, qualquer classe social, qualquer faixa etária, no mais longínquo dos recantos. E para jamais esquecer que poesia é um acalanto à alma, abaixo segue esse belo texto da médica e escritora Márcia Sousa, para comprovar que a palavra cura:

 

ALZHEIMER

Antes que eu esqueça 

E meus olhos te estranhem

Olho nos teus profundamente.

Antes que me espante a tua voz

Bálsamo da minha alma

Conta-me teu amor diariamente.

Antes que recuse teu abraço

Alento dos meus dias

Aninha-te em meu colo permanente,

E quando for indo distraía 

E o tempo apagar tudo que há

Chama o meu nome todo dia

Se eu me esquecer

Tu te lembrarás.

FLORENCIO, Michel Herbert Alves (org.). Viver, cuidar e escrever. V Antologia Sobrames-MA. São Luís: Viegas Editora, 2020. 345 páginas.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias