Quinta, 15 de Abril de 2021 01:17
[email protected]
Brasil Adeus Regina

Homenagens a poeta curitibana Regina Bustolim, falecida esta semana, na capital do Paraná

Em anexo, vídeo do poeta Enio de Oliveira.

18/03/2021 13h18 Atualizada há 4 semanas
153
Por: Mhario Lincoln Fonte: Divulgação
capa
capa

 

As poucas e muitas palavras de Geraldo Magela sobre a poeta Regina Bostulim.

Geraldo Magela, Coordenador da Feira do Poeta, Curitiba-PR.

Regina Bostulim é uma das fundadoras da Feira do Poeta junto com a gente. Faleceu com 58 anos, desses, 45 totalmente dedicados à literatura. Era datilógrafa do INSS e jornalista. Integrou inúmeras antologias. Uma delas, “Poetas na praça”, ligada à Feira, com mais 23 poetas.

Publicou vários livros. Inclusive sob o pseudônimo, (haikai). Eu fiz alguns livrinhos artesanais para ela, como a Bruxa de Antonina. Muito aplaudido esse livro.

Na verdade, Regina Bostulim era uma agitadora cultural; sempre estava em estado de espanto, fazendo com que algumas pessoas se afastassem dela. Era a nossa Hilda Furacão curitibana. Mística. Psicodélica. Era uma entidade, uma intelectual brilhante. Falava 3 idiomas. Um verdadeiro patrimônio histórico da poesia paranaense. Tinha uma poesia escatológica. Era nosso Bocage. Mas, com um coração brilhantemente grande. Defendia os moradores de rua. No fundo, era também uma entidade espiritual com seu lado bruxo muito especial. Tinha uma vida meio mundana. Escrevia sobre prostituição e sobre o Deus dela. Uma espécie de Sagrado e Profano.

Porém, quando entrava no palco deixava todo mundo atônito. Eu mesmo tremia muito. Regina era um estado de extremidades poéticas, cheia de placas tectônicas. Repentista poética, como se estivesse pichando um poema no muro. Por isso ela deixava a plateia perplexa, quando dizia palavrões.

Na Feira do Poeta, em Curitiba-PR.

Não sei qual era o enigma da Regina. Porque ela era uma elipse. Contudo, sempre extraordinária, com trabalhos cheios de ritmo e cadência. E esse ritmo não impedia que ela quebrasse todos os protocolos, usando roupas extravagantes e coloridas.

Era uma iluminista com toda a rebeldia. Se vestia de Freira e de Bruxa, da mesma forma que lhe dizia algo cheio de amor ou cheio de rebeldia.

Se orgulhava de ter visitado o túmulo de Edgar Allan Poe. E o detalhe é que ela, mesmo ganhando pouco, tinha força pra viajar o mundo. Conseguia fazer milagre com o que ganhava.

É certo reconhecer essa carga explosiva muito grande que desacatava policiais, autoridades. Acho que isso era o reflexo de uma vida atormentada, no intuito (possivelmente) de mostrar uma poesia ligada à geração Beat (beatnik) ou movimento Beat, que descrevia a manifestação de certos escritores e poetas, no começo da década de 1960, criadores desse fenômeno cultural. Mas, sem dúvida, ela vivia um pesadelo interior muito grande.

Eu sempre dizia que ela dava um rumo ao norte, mesmo sem norte. Por outro lado, tinha uma experiência muito amargar. Por isso falava e escrevia tão bem sobre violência urbana, insensibilidade pública, desamor, tristeza porque ela vivenciou tudo isso. Para alguns, ela cheirava armadilha. Mas acredito que tal ação era para o bem estar da poesia. Da construção poética visceral, pois tinha fecundidade criativa em carne e osso. Era encarnação de Macunaíma, um herói sem caráter.

Nossa heroína, muitas vezes: Regina Bostulim vai fazer falta, sim.

 

GERALDO MAGELA.

 

 

 

O Adeus a artista Regina Bostulim

 
 
 

Adeus Regina

 

Luciana Do Rocio Mallon

 

No dia quinze de março

O Sol e a Lua deram um abraço

Pois o céu ficou no breu

Regina Bostulim faleceu!

 

Ela era uma escritora, dançarina e jornalista

Com certeza foi uma excelente artista

Havia uma alegria em cada diferente fantasia

No sonho da sua surpreendente Poesia!

 

Nos saraus, seu humor era um diamante

Deixando a festa mais brilhante e cintilante!

Seus contos tinham lições cheias de ternura

Porque retiravam a tristeza e a amargura

 

Hoje, o céu ganhou um anjo com asas de cetim

Que sabe escrever crônicas no marfim

Porque ele recebeu Regina Bostulim.

 

(Luciana Do Rocio Mallon )

 

 

PARA TI POETISA Ela era uma leoa destemida Era um furacão Era uma prosa Era a poesia revolucionária Minha verdadeira inspiração! Regina, guerreira, empática Mãe Grande Regina Bostulim, era desse jeito que eu a chamava, E ela num tom tão grandi-eloquente,

ora naquele jeito de Rainha da Poesia Curitibana,

especificamente da Feira do Poeta me dizia: Moisés António, meu filho na Poesia da Minha Angola que me degola! Essa era ela, a Poetisa Mãe grande da Poesia Paranaense! Feroz, alegre, colorida, maluquinha, oh sangue bom, energia boa... tudo legal!

A ti devo a minha singela homenagem, em versos que o meu coração

não conseguiria expressar através da voz! Tu eras uma leoa Eras uma sinfonia roqueira em declamação poética, Eras incrível tão crível Que nenhuma palavra poderia descrevê-la! Adeus Regina... Você pode não estar mais aqui entre a gente fisicamente, mas estarás sempre viva em nossas memórias,

eternamente, até que não hajam mais estrelas no céu e nem lua! Por agora, és uma delas que irradia no céu,

enquanto a sua alma volta nos braços da mãe Gaia, aqui na terra, que Deus te receba! Goodbye... Moisés António (Em homenagem a grande Poetisa Regina Bostulim)

Ênio de Oliveira presta homenagem a Regina Bostulim

 

"

 

2 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba - PR
Atualizado às 01h13 - Fonte: Climatempo
15°
Chuvisco

Mín. 12° Máx. 21°

15° Sensação
7 km/h Vento
94% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (16/04)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 13° Máx. 25°

Sol com algumas nuvens
Sábado (17/04)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 15° Máx. 23°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Ele1 - Criar site de notícias