Domingo, 25 de Julho de 2021 10:32
[email protected]
Cidades Convidados

"Um olhar sobre a amizade no mundo contemporâneo", por Alessandra Leles Rocha

Khalo:"“Devia ter 6 anos quando vivi intensamente a amizade imaginária com uma menina de minha idade".

17/07/2021 20h00 Atualizada há 1 semana
70
Por: Mhario Lincoln Fonte: Alessandra Leles Rocha
Facetubes/Canva
Facetubes/Canva

Por Alessandra Leles Rocha

Há muitos anos recebi um cartão de Natal, cuja mensagem dizia, “A glória da amizade não é a mão estendida, nem o sorriso carinhoso, nem mesmo a delícia da companhia. É a inspiração espiritual que vem quando você descobre que alguém acredita e confia em você” (Ralph Waldo Emerson – escritor, filósofo e poeta norte-americano). Uma definição perfeita para traduzir a subjetividade de uma das relações humanas mais importantes. Afinal, “A amizade é indispensável para o bom funcionamento da memória e a integridade do próprio eu” (Milan Kundera – escritor tcheco).

No entanto, fiquei pensando em quão raro seria tecer algo assim. Isso porque, desde que o consumo, na figura do TER, cruzou os caminhos da raça humana, as relações sociais passaram a ser banhadas por sentimentos tóxicos e nocivos, totalmente, contrários ao despojamento e a entrega que se espera em uma convivência de rara beleza, como é a amizade.

Isso porque estabeleceram-se barreiras, divisões, condições, pré-requisitos, ... de modo que as amizades foram perdendo a sua essência, deixando de acontecer de maneira genuína e espontânea. Como se não houvesse mal algum em perder o seu status de prioridade para a qualidade de vida e o bem-estar do ser humano. De repente, as amizades foram banalizadas à condição de uma relação social qualquer, sem estreitar vínculos, afetos, sentimentos, emoções.

Como tivessem sido colocadas dentro de uma imensa impossibilidade de experimentar na realidade, a mesma cumplicidade descrita pela imaginação da pintora Frida Khalo, ou seja, “Devia ter 6 anos quando vivi intensamente a amizade imaginária com uma menina de minha idade. [...] Não me lembro de sua imagem, nem de sua cor. Porém sei que era alegre e ria muito. Sem sons. Era ágil e dançava como se não tivesse nenhum peso. Eu a seguia em todos os seus movimentos e contava para ela, enquanto ela dançava, meus problemas secretos. Quais? Não me lembro. Porém, ela sabia, por minha voz, de todas as minhas coisas ...”.

Cada vez mais, o que se vê são as amizades pisando em ovos. Polarizações ideológicas absurdas, que nada tem a ver com amizade, têm colocado as palavras sob necessidade de aferição de pesos e medidas. Criando uma superficialidade no trato que beira a asfixia da espontaneidade.

As relações passaram a ser vivenciadas com o freio de mão puxado, contidas e protocolares. Com encontros roteirizados por scripts de felicidade inabalável, sucesso em franca expansão, conquistas que não enxergam obstáculos e muitas amenidades; como se a vida fosse, mesmo, uma maravilha sem limites.

Porque, na verdade, as pessoas não estão dispostas a SER, a compartilhar, a revelar a sua própria verdade humana. Ora, isso implicaria em transitar pelo mundo com suas vulnerabilidades, suas dúvidas, suas dificuldades e inadequações, seus altos e baixos a flor da pele, enfim... tudo muito real e natural; mas, nada excepcional.

E a contemporaneidade cobra, exige implacavelmente, por essa excepcionalidade, esse destaque em tempo integral. A vida não pode ser sem graça, sem estopim de competição, sem notoriedade, sem glamour. Por isso, “O caminho para subir a posição social está e sempre estará semeado de amizades perdidas” (Herbert George Wells – escritor britânico).

Na espiral do mundo contemporâneo, as pessoas vão se rendendo, então, a quantidade de likes nas redes sociais, ao número de seguidores, aos rótulos que lhes são atribuídos no mundo virtual e, por tabela, no mundo real.

Milhares de desconhecidos que passam a cumprir o papel de encobrir as ausências, as carências, as solidões. Relações que jamais serão capazes de dar colo, conselhos, alento, aconchego, afeto, ... porque não foram forjadas para esse fim. Afinal, cada vez mais, “A amizade começa onde termina ou quando conclui o interesse” (Cícero – orador e político romano).

Talvez, por isso, as palavras de Henry Adams permaneçam tão atuais, ou seja, “Um amigo durante a vida é muito; dois é demais; três quase impossível. A amizade exige um certo paralelismo de vida, uma comunhão de ideias, uma rivalidade de objetivos”. Além disso, “O que mais impede de ter um bom amigo é o empenho em ter muitos. A amizade quer ser antiga” (Plutarco – historiador e filosofo grego).

Por isso tem que existir o desejo, à disposição, a abertura para a vida acontecer e se deixar fiar os laços de amizade sem pressa. Amigos não se fazem da noite para o dia; porque, nada é tão imponderável quanto uma boa amizade.   

Assim, no próximo dia 20 de julho, quando se comemora o Dia do Amigo, em razão da viagem do homem à Lua, em 1969, a qual tornou-se um marco da amizade universal, não se esqueça de que, apesar dos pesares contemporâneos, para se ter um amigo continua valendo a premissa de que “[...] Não é preciso que seja de primeira mão, nem é imprescindível que seja de segunda mão. Pode já ter sido enganado, pois todos os amigos são enganados. Não é preciso que seja puro, nem que seja todo impuro, mas não deve ser vulgar. Deve ter um ideal e medo de perdê-lo e, no caso de assim não ser, deve sentir o grande vácuo que isso deixa. Tem que ter ressonâncias humanas, seu principal objetivo deve ser o de amigo [...] que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela, mas porque já se tem um amigo”1.

---------------------------------

1 https://www.escritas.org/pt/t/1687/procura-se-um-amigo

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba - PR
Atualizado às 10h15 - Fonte: Climatempo
16°
Alguma nebulosidade

Mín. 10° Máx. 25°

16° Sensação
7 km/h Vento
59% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (26/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 13° Máx. 27°

Sol com algumas nuvens
Terça (27/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 14° Máx. 25°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Ele1 - Criar site de notícias