Sábado, 27 de Novembro de 2021
24°

Alguma nebulosidade

Curitiba - PR

Blogs e Colunas Cronista e Contista

Edomir Martins de Oliveira em seu texto de hoje: "O Dinheiro não compra o Verdadeiro Amor"

Do Livro: “Finalmente a Noiva Chegou" II – Parte II

29/10/2021 às 07h00 Atualizada em 30/10/2021 às 11h25
Por: Mhario Lincoln Fonte: Edomir Martins de Oliveira
Compartilhe:
Ilustração ML
Ilustração ML

Acessos:

Contador de visitas

Do Livro: “Finalmente a Noiva Chegou" II – Parte II

Edomir Martins de Oliveira, vice-Presidente Nacional da APB 

O DINHEIRO NÃO COMPRA O VERDADEIRO AMOR

 

1 Timóteo 6:10: "Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores".

Era um sábado. Aquelas 3 amigas conversavam em mesa de uma cafeteria. Eram universitárias e a conversa girava em torno de assuntos acadêmicos, enquanto aguardavam o lanche solicitado. Na mesa ao lado, um jovem solitário curtia sua xícara de chocolate. A moça que mais chamava sua atenção era uma de vestido azul. Uma simpatia!! Ela dizia às amigas que a sua vida de solteira e estudante estava muito tranquila, não estando preocupada com namorado.

Foi então, que as outras duas amigas disseram para ela que tomasse muito cuidado com Cupido, pois o rapaz bonito, porém solitário, da mesa ao lado, não tirava os olhos dela. Era olhar de quem estava muito interessado. Ela achou graça. Depois do lanche, todas combinaram que no outro dia se encontrariam no “Bar dos Enamorados”, na praia de sempre. Isto chamou a atenção do rapaz que gravou o nome do bar. Na saída, ela deu uma olhada no rapaz solitário. Achou-o atraente e muito simpático. Deu-lhe um sorriso. 

Ele no dia seguinte iria ao bendito bar. Foi logo cedo fazer um périplo pelas praias e logo na segunda praia obteve a informação de onde ficava o tal “Bar dos Enamorados”. Procurou uma mesa bem no fundo do salão e não demorou muito quando duas das amigas chegaram. Mas faltava a moça que ele, realmente, queria ver. Ela não tardou em chegar, e a conversa delas girou logo em torno do rapaz da cafeteria que elas haviam visto na noite anterior e que estava ali presente.

Quando ela chegou, a troca de olhares foi recíproca. Disse às amigas que mudara de opinião, fora tocada por Cupido. Achava mesmo que seria bom ter um namorado. Esboçou um sorriso voltado para ele que, animado, foi até a mesa das jovens, que logo o convidaram para sentar-se ao lado delas. Ele, pedindo uma cadeira ao garçom, sentou-se ao lado da moça do maiô azul. A conversa fluía em clima de muita paz e harmonia. Algum tempo depois, as moças saíram propositalmente para deixá-los a sós. O clima de um romance estava evoluindo. Depois de algum tempo se despediram, combinando um novo encontro, que foram sucessivos. Estavam namorando.

Meses depois, ele se encontrou com um amigo que lhe pediu uma carona para voltar para casa. Durante o trajeto para a casa do seu amigo, este lhe pediu que desse uma paradinha na Casa Lotérica, perto da sua casa, pois precisava fazer um jogo da Megasena que sua mãe pedira. Sugeriu o rapaz a fazer um jogo também. Mas ele disse-lhe que não era seu hábito jogar, pois não gostava de jogo. 

A única loteria que já ganhara era a loteria do amor, com a namorada que arrumara, ao que o amigo deu o “check match” final, dizendo que era mais um motivo para jogar, ser premiado e casar com ela.  Com o namoro firme e crescente, se desse certo seria mesmo ótimo. Não resistiu à tentação. Bem poderia ser contemplado. Ele tinha concluído seu curso universitário em Economia. Fez o jogo, gastando pouco.

Na data prevista para o sorteio da Megasena, esta saiu, em primeiro prêmio, para 2 ganhadores, sendo um deles da cidade onde ele morava. Foi um alvoroço na cidade querendo saber quem fora o “sortudo”. A namorada perguntou ao rapaz se tinha examinado o jogo que fizera. Respondeu que iria procurá-lo, não sabia onde o colocara, mas estava em sua casa. E a título de brincadeira, perguntou para ela se tivesse sido o premiado, se ela casaria com ele. Ela, respondeu que que casaria não pelo prêmio, mas porque o amava muito.

Então começaram os devaneios: -Se for eu o premiado, noivaremos e casaremos sem esperar a sua conclusão de curso. Faremos um casamento no melhor e mais luxuoso Hotel da Cidade, convidaremos muitas pessoas, contrataremos duas bandas musicais, das mais famosas nacionalmente, para tocar a noite toda, em revezamento constante, até que o novo dia viesse a clarear. Contrataremos o melhor Cerimonial da Cidade. Faremos uma viagem de lua-de-mel inesquecível para as Maldivas. Compraremos um belo apartamento, dois carros importados, à vista, do tipo Ferrari e Porsche.

  A moça então disse-lhe que ele era economista e como tal deveria tomar cuidado para evitar extravagâncias de “novo rico”. Lembrou-lhe que várias pessoas contempladas em primeiro prêmio, gastaram tudo com a mesma rapidez com que ganharam, e acabaram ficando pobres novamente. Eles contratariam alguém que lidasse com aplicação em investimentos para ter uma renda segura mensal que lhes permitisse viver com segurança. Teriam que pensar nos filhos que poderiam ter, para dar-lhes boa educação e instrução, e em ajudar principalmente pessoas da família que precisassem.     Com essas ponderações, ele viu que realmente ela tinha razão.  E rindo falou: - Vou procurar o jogo feito e se tiver sido o premiado, reduzirei os excessos, porém não abro mão de uma bela festa de casamento. Ela concordou com uma bonita festa sem exageros, contudo.  Mas o que importava mesmo era ver se achava o bilhete e então começaram a rir juntos. Não era prêmio o que precisavam para ser felizes. O importante era haver muito amor entre eles, no que ele concordou.

Em casa, foi atrás do sonhado jogo. Era uma tal de abre gaveta, tira tudo de dentro, procura nos bolsos da roupa usada naquele dia e nada. Por fim, lembrou-se de que deveria procurar no bolso de uma bermuda. A peça fora para lavar. Foi à lavanderia e pediu a bermuda, vendo que o comprovante do jogo estava ali, em um bolso; deu graças a Deus por ainda não ter sido lavada. Voltando para casa, encostou em uma Casa Lotérica para ver o número sorteado.

O difícil foi conter a emoção quando viu que era um dos dois ganhadores da Megasena acumulada. Teve que se conter, pois lembrou-se dos ladrões e salteadores e sequestradores. 

Foi até à casa da namorada e contou-lhe que estavam ricos. Ela então associou-se às alegrias e renovou o convite para ter cautela no gasto, pois sabia que o primeiro prêmio nesse jogo da Megasena acumulada era de vultoso valor, mesmo dividindo entre os 2 ganhadores. Como a moça tinha um tio que trabalhava com mercado de capitais contrataram os serviços dele para serem orientados. 

O autor.

Noivaram reunindo seus pais, irmãos, avós e tios para celebrar o momento e contar as novidades. Começou o noivo: - Estamos comunicando que casaremos em três meses; e o pai da noiva prontamente: - E vão morar aonde, afinal quem casa quer casa.- E a noiva prontamente: - Já compramos um apartamento.- A família toda começou a rir e o irmão da noiva disse às gargalhadas: - Então seremos vizinhos, porque comprei a cobertura desse prédio.- E todos riram mais. 

E eis que um tio, muito brincalhão, completou: -Ótimo, porque agora teremos na família bons apartamentos e bons carros para fazer companhia a minha Ferrari. 

As mães começaram a ficar preocupadas, porque sabiam que seus filhos não mentiam. E mais horrorizadas ficaram quando o noivo disse: -Vamos casar no recinto mais caro da cidade e vocês poderão convidar as pessoas que quiserem sem esquecer as que fizeram parte da nossa história. E ela completou: - E a nossa lua de mel será em um hotel cinco estrelas nas Ilhas Maldivas. - 

Eis que a mãe já desesperada implorou: - Filho, por favor, se abra com a sua família. Sabemos que você não tem dinheiro, mas também sabemos que você não é de mentir. Confie em sua família e na família da sua noiva e nos diga com toda sinceridade: - Você está envolvido em atividades ilícitas? E começou a chorar copiosamente. E a outra mãe, a da noiva, com os olhos cheios de lágrimas disse:  - Isso mesmo!! Filha, me diga a verdade, ou vou achar que vocês entraram para o crime ou, lamentavelmente, ficaram malucos. -

E o noivo continuou: - Meus pais, na próxima semana, vem uma arquiteta aqui para conversar com vocês sobre uma reforma desta casa. Queremos deixá-la muito linda e confortável como vocês merecem. Mas se preferirem, podemos comprar um apartamento para vocês perto do nosso. E a noiva: - O mesmo vale para vocês, meus pais.-

Aquela brincadeira estava indo longe demais. Eis que a vozinha do noivo disse: - Meu neto, você sempre foi um rapaz sério e sei que jamais entraria em crime e nos reuniria para se divertir as nossas custas. – Diga-me, você foi o ganhador da Megasena da nossa cidade? O rapaz abraçou a sua avó e rodopiou com ela pela sala: - Vó, você é uma sábia que descobriu tudo.- A tranquilidade da vovozinha que gostava de escutar seu rádio e as redes sociais, que sabia bem manusear, dera a notícia de um ganhador na cidade. Tinha muita confiança em seu neto e sabia que ele jamais se meteria em coisas ilícitas. 

E a alegria foi geral!!! Com muito choro das mães e muita alegria, a família começou a se confraternizar Os noivos pediram a todos para não vazarem a informação, para não sujeitá-los a serem sequestrados. Sabiam que alguns dos parentes ali do recinto eram conhecidos por “língua grande”. Que se contivessem todos. Era segredo de família.

Três messes depois os noivos estavam casando.

Na Cerimônia, o Celebrante fez uma homilia que parecia ter sido encomendada, baseada em o livro de Filipenses 4:19 – E o meu Deus, segundo a sua riqueza em glória, há de suprir em Cristo Jesus cada uma de vossas necessidades. 

O noivo então lembrou-se da advertência da noiva. As riquezas espirituais são muito mais importantes que as riquezas materiais. Suas palavras foram de sabedoria para seguirem a orientação do profissional contratado. A festa do casamento foi bela!!. O Cerimonial preparou tudo com esmero, com “pompa e circunstância”. O ponto alto foi a presença de uma orquestra maravilhosa, que animou a festa a noite toda.

 Vários convidados que conheciam o casal, não se contendo, pois sabiam não serem eles ricos, ficaram a pensar onde eles teriam arrumado dinheiro para fazer uma festa daquelas!!!-“O noivo deveria estar cheio de dívidas para impressionar a noiva!!” A lua de mel foi como desejavam.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias