Segunda, 15 de Julho de 2024 14:12
editor-sênior, jornalista Mhario Lincoln
Mundo Literatura Mundial

Morre a escritora premiada Maryse Condé, autora de "Eu, Tituba: bruxa negra de Salem" Autor:

Essa obra é vencedora do New Academy Prize, em 2018.

09/04/2024 21h29 Atualizada há 3 meses
Por: Mhario Lincoln Fonte: Redação do Facetubes c/google.
Capa: montagem MHL.
Capa: montagem MHL.

Redação do Facetubes c/google.

 

Morreu, 2 de abril de 2024, Hospital Center D'apt, Apt, França, Maryse Condé, uma voz proeminente na literatura das Caraíbas. Ela deixa um legado inestimável na literatura mundial. Nascida em Guadalupe em 1934, Condé foi uma escritora prolífica e versátil, conhecida por sua habilidade em tecer narrativas históricas, contos, novelas, ensaios e poemas.


"A verdade sempre chega tarde demais porque anda mais devagar que as mentiras. A verdade rasteja no ritmo de um caracol". Maryse Condé.

 

As duas principais obras de Condé são “Segu” (1984-1985) e “Eu, Tituba: Bruxa Negra de Salem” (1986)1. “Segu” é uma obra que explora a vida no Império de Bambara no Mali do século XIX, destacando a memória e a intersecção desses povos e de seus deuses ancestrais. “Eu, Tituba: Bruxa Negra de Salem” (leia resenha mais abaixo) é uma reimaginação poderosa da vida de uma mulher negra acusada de bruxaria em Salem, Massachusetts, em 16921.

Em relação à obra mais importante de Condé, “Eu, Tituba: Bruxa Negra de Salem”, diz Joana Amaral Cardoso. (P). "(...) através desta obra, conseguiu descrever os danos do colonialismo e o caos do pós-colonialismo com uma linguagem precisa". Essa obra é vencedora do New Academy Prize, em 2018 e é um dos romances mais conhecidos.

A morte de Maryse Condé é uma grande perda para a literatura mundial. Sua contribuição para a literatura das Caraíbas e para a literatura em geral será sempre lembrada e apreciada.

---------------------

SOBRE O LIVRO
Livro: "Eu, Tituba: bruxa negra de Salem"
Autor: Maryse Condé
Editora: Rosa dos Tempos
Ano da edição: 2020
Nº de páginas: 229

 

Capa brasileira.

Maryse Condé, uma das maiores escritoras negras da atualidade, dá voz à Tituba, uma escrava sul-americana que se tornou famosa por ser uma suposta bruxa. Ela “pertencia” ao Reverendo Samuel Parris, cujas filhas manifestaram estarem sendo afetadas por seres invisíveis, o que gerou uma verdadeira caça às bruxas em Salem.

Depois de três séculos da sua morte, a figura histórica de Tituba reaparece na ficção de Condé, cujo enredo tem como pano de fundo a colonização na América do Norte, sustenta pela colonização que causou sofrimento ao povo negro escravo da época. Por isso mesmo, no lugar de escrava, negra e mulher, Tituba se tornou um alvo fácil de acusação e perseguição, pois seus conhecimentos acerca das ervas, a natureza e as energias fizeram-na como a principal suspeita de atos e comportamentos de bruxaria.

Assim, o romance referido é elaborado na fronteira entre a História e a ficção, e essa fronteira se faz presente, especialmente, quando a protagonista reclama e lamenta a postura dos seus futuros historiadores, que negligenciaram a sua presença na história do colonialismo americano.

A narrativa de Maryse Condé, eivada pela ancestralidade da personagem principal, partindo da perspectiva de uma ‘autobiografia retrospectiva”, traz uma série de questionamentos acerca da condição da mulher negra numa sociedade patriarcal fortemente conservadora, hipócrita e religiosamente fanática. Por meio de uma linguagem crua e singela, a escritora caribenha trata dessa figura histórica, enlaçando-a a temas atuais, como preconceito étnico, de gênero e de classe, bem como o aproveitamento sexual do corpo negro feminino por parte dos homens, sobretudo autoridades.

Dessa maneira, a escritora, por meio da história de Tituba, levanta questões ligadas à condição humana e ao lugar que nós ocupamos no meio coletivo. Quais os efeitos de nossas ações? O que é o mal? O que é o bem? Por que há essa relação de superioridade entre os homens? “Quem, quem fez o mundo?”.

Vale destacar que Condé já foi premiada várias vezes pela sua obra. Em 2001, ela foi vencedora do prêmio de literatura da comunidade sueca The New Academy, considerado um nobel alternativo.

Por fim, é uma obra que vale a pena a leitura e que pode nos ajudar a pensar sobre a referida condição humana de determinados grupos sociais com os quais convivemos e os quais ainda são subjulgados pelo preconceito e arrogância daqueles que são seus iguais (já que o tom da pele deveria ser visto apenas como uma consequência do grau de melanina no corpo).

-------------------

#Maryse Condé #“Eu, Tituba: Bruxa Negra de Salem”

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba, PR
Atualizado às 12h02
12°
Chuviscos

Mín. 10° Máx. 13°

11° Sensação
4.12 km/h Vento
76% Umidade do ar
100% (6.97mm) Chance de chuva
Amanhã (16/07)

Mín. 10° Máx. 12°

Tempo nublado
Amanhã (17/07)

Mín. 12° Máx. 20°

Tempo nublado
Ele1 - Criar site de notícias