Terça, 25 de Junho de 2024 09:30
editor-sênior, jornalista Mhario Lincoln
Brasil Especiais

O Alcoolismo e a Cultura: um pacto com o Diabo ou ignorância compulsória?

Mhario Lincoln é advogado, jornalista, palestrante em grupos de auto-ajuda e presidente da Academia Poética Brasileira.

14/05/2024 15h56 Atualizada há 1 mês
Por: Mhario Lincoln Fonte: Mhario Lincoln
Arte: MHLai
Arte: MHLai


@Mhario Lincoln

“Sentir o desejo de repetir algo porque é prazeroso não é o mesmo que ter necessidade de repetir algo por ser intolerável ficar sem ele". (Salomon).

 

O poema do imortal APB (Academia Poética Brasileira), poeta Rogério Rocha, abaixo transcrito, é simples, mas possui uma profundidade muitas vezes despercebida. Sua relevância é destacada por citações de dois grandes pensadores: Liev Tolstói, que disse "não há grandeza onde não há simplicidade, bondade e verdade", e William Golding, que afirmou "as maiores ideias são as mais simples". Os versos do filósofo maranhense refletem as experiências de muitas famílias que enfrentam a dependência química. (Vide Ipssis litteris):

  

ASSIM É A VIDA 

Por Rogerio Rocha


 a cachaça na boca

desceu com jeito

 

rasgou a garganta

subiu à cabeça

 

por causa dela

cantei músicas

sem saber a letra

 

sorri e dancei

fiquei agressivo

 

assim é a vida…

 

fui feliz enquanto

durou aquela brisa

 

O alcoolismo é um problema de saúde pública devastador. Ver um ente querido se entregar ao álcool é aterrorizante. A livre divulgação e propaganda de bebidas alcoólicas, especialmente a cerveja, sem regulamentação adequada, contribui para a dependência. Isso porque, o lúpulo, utilizado na fabricação dessa bebida, é da mesma família da "cannabis", o que pode aumentar a predisposição à dependência. Mas como? Dependência de cerveja?

 

Sim! A cerveja contém principalmente álcool etílico, uma substância psicoativa que causa, entre outros males, a depressão do Sistema Nervoso Central. E isso leva a sonolência, descoordenação motora e muscular, diminuição da capacidade de reação, atenção e compreensão, além da perigosíssima amnésia alcoólica, onde o indivíduo 'apagado', pode cometer graves crimes e, no outro dia, não se lembrar de absolutamente nada. E mais: segundo dados do Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME), a ingestão de álcool é um dos principais fatores de risco para a maioria das mortes e incapacidades no Brasil.

 

Então, com base nessas avaliações, por que o álcool e drogas estão tão intimamente ligados a várias expressões artísticas? Porque a relação entre álcool e arte, especialmente poesia, é complexa. A idealização romântica da autodestruição como forma de genialidade criativa é abordada por Andrew Solomon em "O Demônio da Meia-Noite", onde ele menciona o quanto é difícil sair dessa rotina alcoólica, ao produzir ou tentar produzir uma obra intelectual (sem o uso do álcool ou narcóticos): o bom seria "sentir o desejo de repetir algo porque é prazeroso. E não, ter necessidade de repetir algo por ser intolerável ficar sem ele".

 

Assim, artistas, ao longo da história, têm frequentemente explorado os limites da mente e do corpo, muitas vezes recorrendo a substâncias que alteram a consciência para buscar inspiração ou escapar de pressões psicológicas e emocionais. Entretanto, esse comportamento pode ter consequências devastadoras, incluindo dependência, deterioração mental e física, e até mesmo a morte por suicídio.

 

Em tempo: nos últimos 10 anos aumentou consideravelmente a inserção de jovens, a partir dos 14 anos, adultos e idosos, no uso incontrolável da cerveja. Há 10 anos, tínhamos 8% da população, com tendências alcoólicas. Hoje, esse índice atinge 27,3%. Por outro lado, a história está repleta de exemplos de artistas talentosos que perderam suas vidas devido ao abuso de álcool e drogas. Nomes como Kurt Cobain, Amy Winehouse, Jean-Michel Basquiat, Jim Morrison, Jimi Hendrix, Janis Joplin, Ernest Hemingway, Sylvia Plath, Vincent van Gogh, Elvis Presley, Michael Jackson e Mark Rothko são alguns dos mais notáveis. Embora nem todos esses casos sejam suicídios diretos, o abuso de substâncias psicóticas desempenhou um papel significativo em suas vidas e mortes.

 

O que mais me chama a atenção nessa história é a liberdade que as indústrias da “cervejinha inocente” têm na grande mídia, sempre associando a uma imagem de vitória e sucesso social, no uso dessas chamadas "cervejas de grife". Esse marketing massivo, presente em eventos esportivos e programas de grande audiência, atrai jovens e acaba 'normalizando', de forma natural, o consumo do álcool. A presença constante de tais propagandas contribui para o aumento do consumo entre jovens, levando a problemas de saúde e dependência.

 

Substâncias químicas como inspiração. (arte: MHLai).

Especialistas como Kay Redfield Jamison, David Nutt e Drew Pinsky discutem a correlação entre criatividade e a saúde mental. Eles enfatizam que a criatividade não está inerentemente ligada ao uso de substâncias, mas a prevalência de transtornos de humor entre artistas pode conduzir ao uso de drogas e álcool como uma forma equivocada de autogestão.

 

Finalizo com um depoimento tocante de Craig Ferguson, que disse: "O álcool arruinou-me financeira e moralmente, partiu meu coração e os corações de muitos outros. Mesmo que tenha feito isso comigo e quase me matado e eu não tenha tocado uma gota de álcool em dezessete anos, às vezes me pergunto se poderia me safar bebendo um pouco agora. Eu me inscrevo totalmente na noção de que o alcoolismo é uma doença mental porque pensar assim é claramente insano". Craig Ferguson, apresentador de TV, comediante, escritor e ator, venceu a batalha contra o alcoolismo, mas não sem profundas cicatrizes.

Que este artigo valha como, pelo menos, uma reflexão responsável.

------------------------------------

Mhario Lincoln é advogado, jornalista, poeta, palestrante em grupos de auto-ajuda e presidente da Academia Poética Brasileira.

 

19 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
JaimeHá 1 mês BSB/DFTexto muito reflexivo. Vindo do senhor, só podemos aplaudir de pé tal magnitude.
Pedro Sampaio Há 1 mês Fortaleza Ce Uma abordagem profunda a partir de várias vertentes do uso abusivo do álcool gerando dependência de algo que geralmente principia nas reuniões sociais e muito de leve para depois sair do patamar do prazer mergulhando no padecer. Poeticamente versos inspirados traz o que o Poeta num grito de alerta chama atenção em sua outra atividade para concordar com a OMS de que sofrer por abstinência do alcool é alcoolismo doença que mata e que antes de matar pode desmoralizar plenamente. Parabéns Facetubes.
Tyrone T.Há 1 mês New York CityThe city with the highest success rate for AA is New York City.
Raimundo FonteneleHá 1 mês Barra do Corda Maranhão Ah, aqui está um expert no assunto. Durante mais de 20 anos vivi o inferno do alcoolismo e outros infernos. Ora, uma substância que nos faz perder a consciência e a razão não pode ser “uma cervejinha inocente”. A embriaguez leva-nos ao completo fracasso e à destruição, de nós mesmos, e do que nos são caros, nossa família. Teu artigo, Mhario, coloca o dedo na ferida desse vício abjeto.
LUIZ SERGIO MONTEIROHá 1 mês São LuísO álcool tem inspirado muitas obras de arte e literárias, porém os seus autores pouco aproveitaram. O álcool sempre tira muito mais do que dá.
Mostrar mais comentários
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba, PR
Atualizado às 08h02
11°
Chuvas esparsas

Mín. 11° Máx. 15°

11° Sensação
3 km/h Vento
97% Umidade do ar
100% (5.44mm) Chance de chuva
Amanhã (26/06)

Mín. 11° Máx. 22°

Chuvas esparsas
Amanhã (27/06)

Mín. 11° Máx. 21°

Parcialmente nublado
Ele1 - Criar site de notícias