Terça, 25 de Junho de 2024 08:57
editor-sênior, jornalista Mhario Lincoln
Blogs e Colunas Coiunistas

 Livro: “-A PAZ NA LINHA DA VIDA"  Edomir Martins de Oliveira: " O Maestro- Um 'Conserto' em cada esquina"

Vice-Presidente Nacional executivo da  ACADEMIA POÉTICA BRASILEIRA – APB

26/05/2024 07h59 Atualizada há 4 semanas
Por: Mhario Lincoln Fonte: Edomir Martins de Oliveira
Edomir Matins de Oliveira
Edomir Matins de Oliveira

O MAESTRO – UM 'CONSERTO' A CADA ESQUINA

Edomir Martins de Oliveira

 

Hoje, quem o vê em carro “Mercedes”, último modelo, começa a admirá-lo por mais essa vitória em sua vida de médico.

 

Apesar dessa conquista, vem-lhe à mente com muita frequência os dois fuscas que possuíra. E então começa a recordar desde o seu casamento.

 

Viajara para sua lua de mel, em um fusca que adquirira de segunda mão, e que apesar do revendedor lhe dizer que ele era o segundo comprador daquele veículo, deu-lhe muito trabalho durante a viagem. 

 

Como estava o casal em lua de mel, tudo foi diversão e eles achavam muita graça pelos incidentes acontecidos. Tudo era encarado como diversão chegando mesmo a afirmarem que os fatos seriam lembrados durante toda a vida e sempre seriam esses fatos encarados como divertidas lembranças. 

 

Mas chegara a hora de encarar o diuturno da vida. Voltaram para São Luiz, ao final da lua de mel e então começaram a pensar em fazer a vida a dois. Ele cansara de viver de emprego de favor político que seu pai sempre arranjara. Decidira que iria ser médico e seria bem-sucedido. Na infância sempre sonhara em ver-se em sala de cirurgia, a dizer a uma equipe que o assistia: bisturi, gaze, esparadrapo, tampão e tudo que precisava para o trabalho cirúrgico.

 

Começou então a frequentar um cursinho para fazer o vestibular para medicina. Já chegava de emprego de favor. Prestado os exames foi aprovado. Por enquanto ficaria desfrutando do emprego político que vinha exercendo.  Vendeu o fusca pois seria uma despesa a menos. Compraria um carro que lhe desse menos despesa e fosse um pouco menos velho.      

 

Ganhando pouco, agindo com toda a prudência para não faltar o básico para sustentação do lar, compraria novo fusca   usado, que com todos os defeitos, que apresentasse, ainda lhe daria condições de acompanhá-lo até o final do curso. 

 

Logo apareceram os primeiros defeitos. Sempre que abastecia o veículo com combustível, tinha que completar o óleo do motor, pois havia um vazamento que não pudera arrumar porque era caro, e ele não podia fugir do seu orçamento com a manutenção regular do carro.

 

O fusca era ainda daqueles antigos que os vidros baixavam ou subiam manualmente. Ainda guardava na mente um incidente ocorrido quando um motociclista, que vinha prazerosamente em seu passeio matinal e ele saia de um plantão médico, aproximou-se do seu carro e lhe falara alguma coisa gesticulando muito, que ele teve que abaixar o vidro do carro para ouvir o cidadão. Ele procurava onde fora parar a maçaneta da porta que não encontrara, pois caíra e quando finalmente achou e conseguiu abaixar o vidro, foi para escutar um palavrão, onde o condutor dizia que o carro estava freado em cima do seu pé. Felizmente fora na ponta da bota do cidadão, sem maiores consequências. 

 

A dificuldade foi o motor do carro pegar novamente, pois fora freado bruscamente, amedrontado que o proprietário estava vendo alguém com gestos de zangado, descido da moto que estava parado no sinal, ao seu lado.

 

Embreagem, também precisava ser controlada no tempo da marcha, pois no pedal, não atendia.  Precisava de reparo urgente que ele não pudera fazer. Ao suspender o tapete do carro foi surpreendido com um defeito que ainda não tivera visto.

 

O chão do carro estava com um buraco e só assim descobriu  porque, quando passava em uma poça de água, sentia respingar alguma coisa nos seus pés.

             

 

Quando o motor era desligado noite, para pegar novamente pela manhã, era na base da manivela, pois a bateria precisava ser mudada e ainda não tivera dinheiro para fazer a troca. Mas, era um carro que com todos esses problemas, vinha atendendo suas necessidades de estudante de medicina. Por esses problemas todos era chamado de “maestro” pois a cada momento havia um defeito novo. Só que esse maestro era um que regia “conserto” com “a letra s”. Em cada esquina apresentava um defeito.

Fuscas inesquecíveis.

 

 

Mas algo ruim mesmo ainda estava a caminho. O veículo, de há muito vinha dando sinais de que os freios não estavam bons. Até que um belo dia eles faltaram em cima de um sinal e ele embora apelasse para o freio de mão, ainda assim não freou a tempo. Resultados furou um sinal vermelho e veio a desagradável multa como resultado.

 

E um belo dia em que recebeu a visita de um irmão consanguíneo veio o episódio do fim do fusca. Quando estacionava o carro tinha sempre o cuidado de deixar estacionado com a marcha primeira engatada. Nesse dia com a euforia da chegada do irmão, estacionara esquecendo de deixar a marcha engatada e o resultado foi triste. Ele e o irmão ainda foram para a frente do carro tentando segurá-lo a força dos seus músculos. Não houve como detê-lo. Foi de encontro a um muro derrubando-o integralmente, e o carro ficou em tal estado que teve que ser vendido como sucata. 

 

Eram esses dois fuscas que lhe voltavam à mente sem- pre. O primeiro que acompanhou a lua de mel, 

que ainda pode ser vendido apesar dos transtornos, e este segundo, seguindo o mesmo destino, até ao final do curso de medicina. Deles não se esqueceria jamais.

 

Terminada a residência médica, passara a ser estudioso, não mais estudante. Era um profissional no exercício de atividades médicas que logo aproveitou a oportunidade que lhe apareceu para contratação dos seus serviços profissionais. Fora contratado para prestar serviços médicos, por um prefeito e se deslocara para o interior do Estado. Passado o primeiro ano, resolveu vir para capital. Estabeleceu-se e teve muito sucesso. 

 

Agora teve condições de comprar um Mercedes, carro de luxo, mas, constantemente estava a lembrar dos dois fuscas que possuíra. Saudosas lembranças!!!!

 

8 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
ClaudiaHá 4 semanas Porto Alegre O fusca faz parte de nossas memórias, de saudosas histórias de infância que nos dá prazer lembrar. Por isso, essa é uma crônica que fala da história de cada leitor que tem sempre uma lembrança pitoresca associada ao famoso fusca. Lê-la é praticamente revisitar o passado. Obrigada por nos embarcar nessa viagem de impagáveis recordações!
Junior Há 4 semanas Vitória ESProf Edomir, naqueles bons anos 70/80, nosso primeiro carro quase sempre era um fusca. Eu também tive o meu q me deixou saudosas lembranças. Sua excelente crônica me fez relembrar bons momentos q passei com meu fusca branco de cognome Branca de Neve. É muito prazeroso ler um texto seu logo pela manhã. Parabéns pela história relatada, agradabilíssima de ler.
Martha KeilaHá 4 semanas são luisUma história hilária, professor.
Adriana BritoHá 4 semanas São Luís/MAO famoso “perrengue” que, naquele momento, causou inúmeros transtornos e aborrecimentos e que, hoje, faz parte de uma hilária memória afetiva. Hahaha
Fernanda Há 4 semanas Sao luis Crônica sobre fusca é sempre muito bom. Quem não teve fusca, conheceu algum, nós todos temos lembranças de um fusquinha. Tem até filme Se meu fusca falasse... Parabéns, Edomir! E o médico quem será?
Mostrar mais comentários
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Edomir Martins de Oliveira
Sobre Edomir Martins de Oliveira
Cronista do Cotidiano. Escreve todas as semanas, com exclusividade. Assuntos variados.
Curitiba, PR
Atualizado às 05h02
11°
Tempo nublado

Mín. 11° Máx. 15°

11° Sensação
1.79 km/h Vento
97% Umidade do ar
100% (5.44mm) Chance de chuva
Amanhã (26/06)

Mín. 11° Máx. 22°

Chuvas esparsas
Amanhã (27/06)

Mín. 11° Máx. 21°

Parcialmente nublado
Ele1 - Criar site de notícias