Terça, 25 de Junho de 2024 08:00
editor-sênior, jornalista Mhario Lincoln
Blogs e Colunas Colunista Convidado

O pensador contemporâneo Edmilson Sanches fala sobre o "8 de junho – Dia Mundial dos Oceanos"

"Tubarões e orcas são assassinos? Abra jornais, veja TV, consulte a Internet: gentes matam mais  --  de tiros e tapas, de foice e faca, de murros e murraças, de socos e pontapés, de fome e frio, de amor e ciúme, e também de desgosto e vergonha... " ES.

10/06/2024 09h18 Atualizada há 2 semanas
Por: Mhario Lincoln Fonte: Edmilson Sanches
Edmilson Sanches
Edmilson Sanches

Edmilson Sanches


O MAR  --  FEMININO: AMAR

(À memória de Zafira da Silva de Almeida, oceanógrafa, bióloga marinha, mestra em Oceanografia e doutora em Zoologia, minha confrade na Academia Maranhense de Ciências e Patrona da Cadeira nº 1 do Instituto Histórico e Geográfico de Imperatriz. Na Universidade Federal do Maranhão, chefiou o Laboratório de Pesca e Ecologia Aquática e foi docente e orientadora dos programas de pós-graduação em Ciência Animal, Recursos Aquáticos e Pesca e da Rede de Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal – Bionorte)

Há quem goste dele. Há os que lhe tenham pavor.

De minha parte, gosto dele  --  líquido e certo. 

Gosto da água. Fui embalado e nutrido, acalentado e protegido por nove meses dentro dela, flutuando no mais amoroso dos oceanos: o líquido  -- amniótico --  da mãe. (Os gregos davam o nome de “amníon” ao vaso onde se colocava o sangue dos animais sacrificados em favor de seus deuses. A palavra foi levada da forma do vaso para a forma de uma barriga grávida, pelo desenvolvimento do feto e consequente elastecimento da cavidade ou saco amniótico, onde o líquido, na medida do possível, não deixa o embrião colar-se a outras estruturas nem sofrer choques ou pancadas).

Gosto da água. Banho de chuva, de água de chuva nas bicas e nas poças, pois meninos e meninas de antigamente sequer imaginavam haver risco de doenças... e talvez por isso não adoecessem mesmo, ou pelo menos não assim tão facilmente... 

Gosto da água. Eu dentro dela, ela dentro de mim --  pois eu e todo ser vivente que nem eu, escritinho a mim, somos 70% água. E isto é também líquido e certo. Ciência, ciência, ciência. Ciência que nos informa que também o corpo da Terra é 70% água  --  água doce de rios e riachos, córregos e ribeirões, lagos e lagoas, 

...águas acima de águas, como os “icebergs”, 

...e águas abaixo delas, como os aquíferos e outras águas subterrâneas; 

...águas salgadas ou salobras do oceano global e coisa e tal, que são os cinco oceanos (Antártico, Ártico, Atlântico, Índico e Pacífico) e todos os seus 66 mares e 28 mares internos, sem falar nos corpos d’água que a Hidrologia ainda não classificou como mar  --  o que não impede que suas águas sejam salgadas e componham o total de mais de 97% de toda a água do planeta. Será se é por isso que a “dolce vita” não é para todos tão doce assim...).
 
Gosto da água. Perto de mim, ao escrever ou no criado-mudo da imensa cama  --  um oceano de conforto... --, tem sempre uns três litros em um daqueles recipientes estrangeiros, uma cara jarra japonesa, na qual asseguram ter uns minérios ou qualquer coisa liberadores de íons “y otras cositas más” que dizem ser boas para a água, para a alma, para algo... Acreditei. Ainda não tenho o do que reclamar.

"(...) a Ciência diz que nossa origem é o mar". ES

Gosto da água. Meninote ainda, chegava a atravessar de um só fôlego o rio Itapecuru quando este era largo, caudaloso, limpo, piscoso... Na margem oposta ao “porto dos homens”, silenciosamente eu derreava dulcíssimas canaranas para dentro d’água, para serem quebradas e os estalos não serem ouvidos pelo vigia da vazante, portador de uma espingarda com carga de sal, para amedrontar, afastar e mesmo atirar nos moleques... (Depois de quebradas, as canaranas eram amarradas com algumas de suas palhas, formando-se pequenas balsas sob o corpo menino, o que nos fazia flutuar e agilizar ainda mais o nado de volta ao outro lado...).

Também era o único menino nas vizinhanças da Palmeirinha e da Galiana, em Caxias, que tinha coragem de, nas pescas no Itapecuru, descer da canoa, afundar na água, prender o fôlego, acompanhar a linha de náilon e desvencilhar o anzol que se pregara em um tronco no fundo do rio ou buscar no fundo da loca o muçum que, fisgado, resistente, teimava em não sair de sua morada e “bunker”. Cuidadosamente, a partir de um sulco, vinco, um desnível qualquer próximo à cabeça daquele peixe sem escama, liso que nem quiabo, eu o segurava por breves instantes, tempo suficiente para voltar à canoa e jogar o “bicho” lá dentro. “  -- Hélasse! Hélate! Éguate!”, reagiam interjetivamente os que testemunhava a “operação”. (Em casa, o muçum  -- ao qual insipientemente atribuíamos parentesco com as cobras --  era escaldado, “ferventado”, e depois cozido ou frito. Ficava bronzeado que nem ouro velho, e era gostoso como peixe... pois peixe ele é...).

Por gostar de água, fui fazer mergulho submarino (mergulho autônomo) nas águas do Atlântico. Evoluí do “snorkel” para o tanque (de ar comprimido). Observar peixes. Visitar navios afundados. (Dispensei os treinamentos em água turva e para pesca submarina).

Depois que você chega ao alto-mar, sem qualquer referência de praia, cidade, árvores, nada..., o melhor mesmo é, sentado e de costas ou com o “passo de gigante”, cair dentro d’água e ir para o fundo  --  no meu caso, até quarenta metros. Enquanto a água de superfície pode mostrar-se revolta, escarpada, amedrontadora, lá embaixo, mais fundo, o mar é um ar líquido: água ultratransparente, calma, com cardumes dos quais você se aproxima e eles não lhe fogem, você é só mais um animal marinho...  --  a Ciência diz que nossa origem é o mar, embora haja cientistas que digam que não, pois a composição físico-química da água marinha daqueles tempos ancestrais romperia as ligações nos níveis celulares ou atômicos de um protoanimal que naturalmente tentasse ser formado.

Não há por que trazer para o mar medos que já não tenhamos em terra  -- e com os quais até nos acostumamos. O mar é perigoso? Ele é só o mar, mas o perigo está também na terra. 

O mar mata? Em terra mata-se mais.  

Navios afundam? Sim; poucos, mas afundam  --  como aviões caem e automóveis abalroam, atropelam, estraçalham... 

Tubarões e orcas são assassinos? Abra jornais, veja TV, consulte a Internet: gentes matam mais  --  de tiros e tapas, de foice e faca, de murros e murraças, de socos e pontapés, de fome e frio, de amor e ciúme, e também de desgosto e vergonha...  

O mar apenas está onde está. Ele só reage. 

O Dia Mundial dos Oceanos começou pelo Brasil, em 1992. Aprendamos a respeitar quem é maior   -- muuuuuuuuuuuuuuito maior ---  que nós. E mais forte. 

O mar estava aqui quando chegamos. E estará quando nós não mais estivermos...

Ainda que de longe, conheça o mar.

Aprenda a/mar.

-------------------------

EDMILSON SANCHES
[email protected]
PALESTRAS/ CURSOS / CONSULTORIA
Administração – Biografia - Comunicação - Desenvolvimento - História – Literatura
CONTATO: [email protected]
www.edmilson-sanches.webnode.page

1 comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Calixto AçoresHá 2 semanas Lisboa PTExcelente advento textual, professor. Nós os portuguêses, somos os maiores conquistadores dos mares.
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Edmilson Sanches
Sobre Edmilson Sanches
Edmilson Sanches é um dos intelectuais brasileiros mais aplaudidos em diversas áreas da literatura contemporânea. É jornalista, consultor, palestrante, editor, bacharel em administração pública e licenciado em letras.
Curitiba, PR
Atualizado às 05h02
11°
Tempo nublado

Mín. 11° Máx. 15°

11° Sensação
1.79 km/h Vento
97% Umidade do ar
100% (5.44mm) Chance de chuva
Amanhã (26/06)

Mín. 11° Máx. 22°

Chuvas esparsas
Amanhã (27/06)

Mín. 11° Máx. 21°

Parcialmente nublado
Ele1 - Criar site de notícias