Quinta, 15 de Abril de 2021 01:57
[email protected]
Brasil Correio Braziliense

Em sintonia com os movimentos atuais de valorização da beleza real

Representatividade nas passarelas

24/02/2021 12h49
63
Por: Mhario Lincoln Fonte: Correio Braziliense/Raquel Ribeiro
Aman­da Cris­ti­na,
Aman­da Cris­ti­na,

Representatividade nas passarelas

Raquel Ribeiro*

Em sintonia com os movimentos atuais de valorização da beleza real, modelos negras, plus size e maduras são tendência fashion. A Revista do Correio conversou com profissionais que fogem dos padrões.

(Foto: mo­de­lo Aman­da Cris­ti­na, 21 anos / Crédito: Hay Torres/Divulgação).

Car­re­ga­da de sig­ni­fi­ca­do, a pa­la­vra re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de ga­nhou proe­mi­nên­cia mun­do afo­ra e, co­mo con­se­quên­cia na­tu­ral, os mo­vi­men­tos em di­re­ção à va­lo­ri­za­ção das di­fe­ren­ças se in­ten­si­fi­ca­ram. No universo da moda, pa­drões e es­te­reó­ti­pos de be­le­za têm si­do des­cons­truí­dos, aos pou­cos, den­tro e fo­ra das pas­sa­re­las. Os no­vos tem­pos co­lo­cam em evi­dên­cia mo­de­los reais e real­çam a be­le­za ge­nuí­na, sem dis­tin­ção de ra­ça, ta­ma­nho e ida­de.

O booker na­cio­nal da agên­cia de mo­de­los Scou­ting Bra­sí­lia, Mar­than Arau­jo, tem no­ta­do es­sa trans­for­ma­ção no mer­ca­do da mo­da. “De uns anos pa­ra cá, o per­fil dos mo­de­los mu­dou mui­to. Nun­ca ima­gi­nei que, no meu cas­ting, ia ter um nú­me­ro tão gran­de de to­dos os ti­pos de per­fis. A bus­ca au­men­tou bas­tan­te. Até nas gran­des gri­fes e mar­cas, pes­soas de to­dos os ti­pos pas­sa­ram a ga­nhar es­pa­ço. Da­qui pa­ra fren­te, é is­so que vai ser va­lo­ri­za­do.”

Pa­ra ele, es­sa re­con­fi­gu­ra­ção é um re­fle­xo das mu­dan­ças que a so­cie­da­de es­tá vi­ven­cian­do. “Es­tou gos­tan­do bas­tan­te des­sa mu­dan­ça do mer­ca­do da mo­da, acho mui­to im­por­tan­te. Ho­je, as mar­cas es­tão in­ves­tin­do em mo­de­los que re­pre­sen­tam a so­cie­da­de e o con­tex­to em que vi­ve­mos.”

Ima­gem e iden­ti­da­de

Pa­ra a con­sul­to­ra de ima­gem e es­ti­lo Cá­ren Cruz, a ca­mi­nha­da só co­me­çou, e as mo­di­fi­ca­ções em cur­so ain­da pre­ci­sam ser in­ten­si­fi­ca­das. “Ain­da há er­ros, des­li­zes, ten­ta­ti­vas nes­se uni­ver­so, mas há, aci­ma de tu­do, uma pres­são pa­ra que uma mu­dan­ça sig­ni­fi­ca­ti­va se­ja de fa­to ge­ra­da. E o mer­ca­do da mo­da, que até en­tão se­ria o ber­ço di­ta­dor, ho­je se es­for­ça pa­ra ca­mi­nhar na mes­ma re­vo­lu­ção so­cial, dian­te de um ce­ná­rio que até en­tão não pre­za­va pe­la in­di­vi­dua­li­da­de, li­ber­da­de e res­pei­to às di­fe­ren­ças”, ana­li­sa.

A ten­dên­cia de que­bra dos pa­drões es­tá in­fluen­cian­do até mes­mo a iden­ti­da­de de mar­cas, co­mo é o ca­so da gri­fe Fen­ty, da ar­tis­ta pop e em­pre­sá­ria Rihan­na. Des­de o lan­ça­men­to da la­bel, pes­soas com mais de 60 anos, de­fi­cien­tes vi­suais, mo­de­los plus si­ze e de di­fe­ren­tes et­nias do­mi­nam a ce­na dos des­fi­les e cam­pa­nhas pu­bli­ci­tá­rias, o que de­mons­tra que o con­cei­to “ima­gem real” per­meia ca­da vez mais a in­dús­tria da mo­da.

A Cal­vin Klein é ou­tra mar­ca de pe­so que tem tra­zi­do re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de. Em 2019, a cam­pa­nha I speak my tru­th (Eu fa­lo mi­nha ver­da­de, em li­vre tra­du­ção) con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de per­so­na­li­da­des pop de di­fe­ren­tes fi­sio­no­mias e es­ti­los, exal­tan­do a mis­tu­ra de iden­ti­da­des. Já em 2020, a cam­pa­nha de or­gu­lho da Cal­vin Klein foi pro­ta­go­ni­za­da pe­la mo­de­lo ne­gra e trans Ja­ri Jo­nes.

A con­sul­to­ra de ima­gem e es­ti­lo acre­di­ta que o mo­do co­mo a pes­soa se ves­te pre­ci­sa re­fle­tir quem ela é. “Exis­tem pro­ces­sos da lin­gua­gem não ver­bais que po­dem ser usa­dos a fa­vor da­que­le in­di­ví­duo. Nós so­mos jul­ga­dos o tem­po to­do, bio­lo­gi­ca­men­te, so­cial­men­te, por uma sé­rie de fa­to­res. Mas, quan­do sa­be­mos qual é a lei­tu­ra que os ou­tros po­dem fa­zer so­bre nós em ci­ma des­se có­di­go de ves­ti­men­ta e tu­do o que a gen­te acres­cen­ta ao nos­so cor­po e ros­to, a gen­te po­de usar is­so ao nos­so fa­vor”, ex­pli­ca.

Feliz do jeito que é

Quem es­tá exi­bin­do com or­gu­lho o seu "true self" ao mun­do é a mo­de­lo plus si­ze Da­nie­la Pa­di­lha, 45. Há ape­nas dois anos, ela as­sis­tiu a uma re­por­ta­gem so­bre o con­cur­so Miss Ba­riá­tri­ca e se sen­tiu mo­ti­va­da a re­to­mar a car­rei­ra a que já se aven­tu­rou na ado­les­cên­cia. “Ape­sar de já ter uma ida­de mais ma­du­ra, re­sol­vi me ins­cre­ver pa­ra uma se­le­ti­va de mo­de­los com qua­se 200 can­di­da­tos, en­tre ho­mens e mu­lhe­res. Eu sem­pre gos­tei de mo­de­lar. In­de­pen­den­te­men­te de es­tar ou não na pro­fis­são, sem­pre amei fo­to­gra­far e tra­ba­lhar com a ima­gem”, con­ta.

Na épo­ca, ela já ti­nha si­do sub­me­ti­da a uma ope­ra­ção pa­ra per­der pe­so. Con­tu­do, a ra­zão pa­ra a ci­rur­gia não foi por de­se­jar ser ma­gra, mas por que­rer vol­tar a ter qua­li­da­de de vi­da, pois o so­bre­pe­so es­ta­va tra­zen­do pro­ble­mas pa­ra a saú­de de­la. Por ou­tro la­do, a re­la­ção de Da­nie­la com o pró­prio cor­po sem­pre foi re­ple­ta de acei­ta­ção.

De­fi­ni­da co­mo “um ca­so atí­pi­co que pre­ci­sa ser es­tu­da­do”, nas pa­la­vras de ami­gos e fa­mi­lia­res, a mo­de­lo tem au­toes­ti­ma pa­ra dar e ven­der. “Sem­pre fui mui­to fe­liz e ti­ve a au­toes­ti­ma ele­va­da, ape­sar do so­bre­pe­so. Sem­pre fui vai­do­sa tam­bém, nun­ca dei­xei de me ma­quiar, me pro­du­zir, co­lo­car bi­quí­ni, nun­ca des­ci do sal­to. O so­bre­pe­so nun­ca foi um em­pe­ci­lho ou um mo­ti­vo de tris­te­za.”

Es­sa pos­tu­ra po­si­ti­va foi o que con­du­ziu Da­nie­la às pas­sa­re­las e en­saios fo­to­grá­fi­cos. Co­men­tá­rios pre­con­cei­tuo­sos e des­con­for­tá­veis, ape­sar de pou­cos, com­pa­ra­dos aos elo­gios, já pas­sa­ram por seu ca­mi­nho. Po­rém, ela man­te­ve a ca­be­ça er­gui­da e não se dei­xou aba­lar. “De­ve ser mui­to di­fí­cil pa­ra as pes­soas que são en­ges­sa­das com aque­le pa­drão de be­le­za en­ten­de­ram que uma pes­soa com so­bre­pe­so não se es­con­de. As pes­soas acham que eu de­ve­ria es­tar sen­ta­da, em vez de dar as ca­ras e di­tar na mo­da”, diz.

Tam­bém em­pre­sá­ria, mãe, es­po­sa e in­fluen­cer di­gi­tal, Da­nie­la é uma re­pre­sen­ta­ção das mu­lhe­res reais. “Mui­tas ain­da se es­con­dem atrás de rou­pas an­ti­qua­das por te­rem ver­go­nha de ex­por o que elas acham que é fo­ra do pa­drão: uma ce­lu­li­te, uma es­tria. En­tão, eu sin­to que re­pre­sen­to mui­to as mu­lhe­res reais, mu­lhe­res ma­du­ras, mães, ca­sa­das ou di­vor­cia­das, bus­can­do a sua fe­li­ci­da­de com aqui­lo que elas têm e são”, re­fle­te.

A mo­de­lo con­si­de­ra uma gran­de hon­ra po­der mos­trar pa­ra as pes­soas que a be­le­za não é de­fi­ni­da por pa­drões es­te­reo­ti­pa­dos. “As pes­soas olha­rem pa­ra a mo­da e se en­xer­ga­rem, sen­ti­rem-se re­pre­sen­ta­das, é pri­mor­dial, prin­ci­pal­men­te no uni­ver­so fe­mi­ni­no. Eu ado­ro mo­de­lar e, ca­da vez que re­ce­bo um con­vi­te, eu me sin­to li­son­jea­da de po­der mos­trar o quan­to é pos­sí­vel ser fe­liz do jei­to que a gen­te é de ver­da­de”.

Conquista de minorias

Es­co­lhi­da pa­ra re­pre­sen­tar o Dis­tri­to Fe­de­ral no con­cur­so Miss Glo­bo, a mo­de­lo Aman­da Cris­ti­na, 21 anos, tem con­quis­ta­do re­co­nhe­ci­men­to em no­me de to­das as mu­lhe­res ne­gras. A es­ta­tu­ra es­bel­ta e a pai­xão pe­la pro­fis­são fo­ram os fa­to­res de­sen­ca­dea­do­res de sua jor­na­da no mun­do da mo­da. A prin­cí­pio mi­no­ria nos ca­ma­rins, ho­je, Aman­da já in­te­gra um gru­po maior de mo­de­los que fo­gem dos pa­drões de be­le­za con­ven­cio­nais.

“No co­me­ço, eu me com­pa­ra­va mais, por ser a úni­ca, a mi­no­ria, mas, aos pou­cos, fui me acei­tan­do e pro­cu­ran­do en­ten­der que quan­to mais di­fe­ren­te vo­cê for das ou­tras pes­soas, me­lhor. A di­fe­ren­ça tem que ser va­lo­ri­za­da, se­não aca­ba que vi­ra um pa­drão, al­go re­pe­ti­do, do mes­mo jei­to”, apon­ta.

O sur­gi­men­to de no­vas opor­tu­ni­da­des, no en­tan­to, não im­pe­diu que de­sa­fios apa­re­ces­sem no ca­mi­nho de­la. Uma vez, an­tes de um des­fi­le, ela es­ta­va ar­ru­man­do o ca­be­lo no es­pe­lho e uma mu­lher co­men­tou: “Nos­sa, que hor­rí­vel”. Ati­tu­des e fa­las dis­cri­mi­na­tó­rias fa­zem par­te da his­tó­ria de Aman­da, mas é a es­pe­ran­ça em dias me­lho­res que a im­pul­sio­na a con­ti­nuar lu­tan­do em bus­ca da rea­li­za­ção pes­soal e pro­fis­sio­nal.

“Ho­je, as pes­soas se in­te­res­sam mais pe­la mar­ca sa­ben­do que ela se preo­cu­pou em tra­zer re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de. As pes­soas es­tão co­me­çan­do a re­co­nhe­cer a im­por­tân­cia dis­so. Aos pou­cos, as coi­sas es­tão mu­dan­do”, acre­di­ta. No fu­tu­ro pró­xi­mo, ela am­bi­cio­na cru­zar as fron­tei­ras in­ter­na­cio­nais e ob­ter ex­pe­riên­cias em ou­tros paí­ses. Afi­nal, quan­do se tra­ta dos so­nhos, o céu é o li­mi­te.

Fo­ra dos pa­drões

O pu­bli­ci­tá­rio e mo­de­lo Dio­go Du­que, 45, guar­da uma tra­je­tó­ria de 17 anos com des­fi­les e cam­pa­nhas de mar­cas con­cei­tua­das. A lar­ga­da na pro­fis­são de mo­de­lo foi da­da em ter­ras es­tran­gei­ras, mais pre­ci­sa­men­te, em Bar­ce­lo­na. Sob in­cen­ti­vo de duas pri­mas pro­du­to­ras de mo­da, ele fez al­gu­mas fo­tos e pas­sou a bus­car opor­tu­ni­da­des de tra­ba­lho na ci­da­de es­pa­nho­la.

Após al­gu­mas ex­pe­riên­cias, to­mou gos­to pe­la coi­sa e vol­tou pa­ra Bra­sí­lia, on­de se vin­cu­lou à Agên­cia Scou­ting. Pa­ra ele, a pro­fis­são de mo­de­lo não só se in­ter­li­ga com o pa­pel de pu­bli­ci­tá­rio, co­mo tam­bém é fon­te de di­ver­são. “O mais le­gal dis­so tu­do é que eu me di­vir­to bas­tan­te. Não é a mi­nha ati­vi­da­de prin­ci­pal, mas eu gos­to de fa­zer, não pe­la vai­da­de, mas, co­mo sou pu­bli­ci­tá­rio, is­so de al­gu­ma for­ma se co­nec­ta com o meu tra­ba­lho por trás das câ­me­ras. E fa­zen­do is­so eu per­ce­bi que é di­ver­ti­do es­tar em fren­te às câ­me­ras tam­bém”, brin­ca.

Tan­to do pon­to de vis­ta do pu­bli­ci­tá­rio quan­to do mo­de­lo, ele con­se­gue ob­ser­var que há mais es­pa­ço pa­ra aco­lher as par­ti­cu­la­ri­da­des de ca­da um. “As pes­soas que es­ta­riam fo­ra do pa­drão fo­ram ex­cluí­das do mer­ca­do por mui­to tem­po e, ho­je, fe­liz­men­te, a gen­te es­tá ten­do um ou­tro olhar pa­ra is­so. O mer­ca­do es­tá dan­do opor­tu­ni­da­de pa­ra es­sas pes­soas se ma­ni­fes­ta­rem, e ma­ni­fes­ta­rem a sua be­le­za”.

Pa­ra Dio­go, a que­bra de es­te­reó­ti­pos é po­si­ti­va, até pe­lo fa­to de ele se en­qua­drar nes­se gru­po fo­ra dos pa­drões: “Eu não te­nho o ab­dô­men trin­ca­do, nem o cor­po bem de­li­nea­do e mus­cu­lo­so. Mas acre­di­to que ca­da um tem o seu es­pa­ço. En­tão, com o tem­po, as por­tas fo­ram se abrin­do. Eu es­tou mui­to fe­liz com a mi­nha ida­de, com a mi­nha fa­se e acho que tem lu­gar pa­ra to­do mun­do.”

Ape­sar de já ter vi­ven­cia­do si­tua­ções em que se sen­tiu pres­sio­na­do a ter um ideal de cor­po, ele não se dei­xou su­cum­bir. “Acei­tan­do a di­fe­ren­ça, vo­cê tor­na as coi­sas mais na­tu­rais. O mun­do é fei­to de pes­soas reais, en­tão é is­so que im­por­ta. Ho­je, ca­da vez mais im­por­ta que a pes­soa sai­ba se ex­pres­sar e pas­sar o seu va­lor atre­la­do ao que a mar­ca quer trans­mi­tir.”

O mo­de­lo di­vi­de a ten­dên­cia do mer­ca­do da mo­da em dois ex­tre­mos: de um la­do, há quem ain­da se ape­ga aos pa­drões; e do ou­tro, quem va­lo­ri­za a be­le­za real. “Ho­je, não há li­mi­te pa­ra que a pes­soa atin­ja a per­fei­ção ima­gi­ná­ria. Com to­dos os pro­ce­di­men­tos es­té­ti­cos exis­ten­tes, vo­cê aca­ba ar­ti­fi­cia­li­zan­do al­go que de­ve­ria ser na­tu­ral. O ape­go aos pa­drões vem per­den­do for­ça, en­quan­to no ou­tro ex­tre­mo, a be­le­za real vem ga­nhan­do mais for­ça por­que se iden­ti­fi­ca mais com o que a gen­te é”, ana­li­sa.

Narrativas diversas

A bra­si­lien­se Que­ro Me­lan­cia nas­ceu em 2013 com uma pro­pos­ta “atem­po­ral, de­mo­crá­ti­ca e du­rá­vel”, co­mo se de­fi­ne. A von­ta­de de co­mu­ni­car quem real­men­te era ins­pi­rou Thais Ma­du­rei­ra a pro­du­zir as pró­prias rou­pas. Foi só ques­tão de tem­po pa­ra que as pes­soas co­me­ças­sem a se in­te­res­sar pe­las pe­ças e a mar­ca fos­se idea­li­za­da.

Pa­ra a es­ti­lis­ta, o sen­ti­men­to de fa­zer par­te do mer­ca­do fashion, no en­tan­to, é um mis­to de fe­li­ci­da­de e an­gús­tia. A con­tra­di­ção ad­vém do fa­to de que Thais não com­pac­tua com o con­su­mo de­sen­frea­do nem com os es­te­reó­ti­pos de be­le­za que coe­xis­tem na mo­da. “Es­ses pa­drões, de be­le­za im­pos­ta, a ca­rac­te­rís­ti­ca de tu­do ser tem­po­ral e efê­me­ro, tu­do ser jo­ga­do fo­ra, além de to­da a ex­plo­ra­ção de ma­té­ria sus­ten­tá­vel e de mão de obra me dei­xam mui­to afli­ta e me faz, às ve­zes, me sen­tir mal de es­tar in­se­ri­da nes­se mer­ca­do”.

Ela acre­di­ta que o an­tí­do­to pa­ra su­pe­rar os as­pec­tos ne­ga­ti­vos é dar pal­co a nar­ra­ti­vas di­ver­sas. “É dar voz a nar­ra­ti­vas que não se­jam as que já es­tão pa­dro­ni­za­das, que é a dos cor­pos gor­dos, ne­gros, trans, fa­zer com que es­sas pes­soas se­jam vis­tas.” Tra­zen­do mo­de­la­gens que vão do PP ao GGG e usan­do mo­de­los ne­gras, plus si­ze e mu­lhe­res trans pa­ra re­pre­sen­tar a mar­ca, a Que­ro Me­lan­cia é uma ten­ta­ti­va de de­mo­cra­ti­zar a mo­da.

Se­gun­do Thais, o per­ten­ci­men­to é a pa­la­vra que de­ve re­ger o mer­ca­do, pois o que é ven­di­do pre­ci­sa con­tem­plar as ca­rac­te­rís­ti­cas da pró­pria so­cie­da­de. “É es­sen­cial que o mer­ca­do da mo­da es­te­ja dis­pos­to a fa­zer com que as pes­soas se sin­tam per­ten­cen­tes quan­do vão con­su­mir al­gu­ma coi­sa, e não ex­cluí­das”, re­fle­te.

* Es­ta­giá­ria sob a su­per­vi­são de Si­be­le Ne­gro­mon­te

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba - PR
Atualizado às 01h54 - Fonte: Climatempo
15°
Chuvisco

Mín. 12° Máx. 21°

15° Sensação
6 km/h Vento
94% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (16/04)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 13° Máx. 25°

Sol com algumas nuvens
Sábado (17/04)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 15° Máx. 23°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Ele1 - Criar site de notícias