Quarta, 16 de Junho de 2021 22:50
[email protected]
Especiais Matérias Especiais

José Neres reproduz um texto sobre o 'Hem-hem', uma marca polissêmica do falar maranhense

Publicado na na revista, edição nacional, Língua Portuguesa.

08/05/2021 18h00 Atualizada há 1 mês
168
Por: Mhario Lincoln Fonte: Divulgação
capa
capa

Nota do Editor: Os termos usados neste texto, especialmente à época, não eram considerados pejorativos e nem tinham essa intenção. Mostra apenas o palavriado comum em diversas comunidades da cidade de São Luís-Maranhão.

Abaixo, Henrique Piruca concede entrevista exclusiva ao jornalista Mhario Lincoln sobre o assunto.

Imagens: Hercílio Luz/São Luís MA/2013

">

O uso de material de referência é essencial na preparação do professor de Português

Textos escolhidos: José Neres*

O falar maranhense na prática

O analista de sistemas maranhense Armando Henrique de Jesus resolveu, em um momento de ócio, escrever uma pequena história fictícia utilizando o máximo de expressões típicas da região que marcaram sua infância. O texto não demorou a se espalhar pela internet e é reproduzido aqui com autorização do autor:

Um dia na vida de Reginete

Por Armando Henrique ("Piruca")

Reginete, a empregada da casa do Vieira, chega da Rua Grande toda querendo ser, de traca amarela, uma japonesa bandeirosa com pontuação 2 números acima da sua, rebolando e exibindo sua calça nova, daquelas bem apertadas e lá no rendengue, que comprou para sair à noite. Logo gerou um bafafá das invejosas de plantão.

- Olha a barata do Vieira. Quer se aparecer! Tá escritinha uma fulêra!

E tu parece uma nigrinha dando conta da vida dos outros - retruca à mulher Seu Barriga, que estava só coíra descansando em um pequeno mocho na porta de casa.

Porém, despertou também o interesse de toda a curriola da rua. A galera do chucho parou para secar a moça. Até quem tava no desafiado.

Guga largou de empinar seu papagaio aos gritos de "lá vaiii lá vaiii...", batendo tala, mas sempre na guina para lancear melhor e com uma bimbarra do freio reforçada e linha puída pelos amigos que o sabotavam pisando disfarçadamente, para admirar:

- Éguass Reginete! Tá pintosa como quê!

- Hmmmm piqueno. O que é heim? Só porque tô com minha calça nova? Comprei na Lobrás ontem tá?!

Victor, garoto que vivia cheio de curubas nas mãos por causa de suas carambelas no asfalto, desinformado, questiona:

- O que é Lobrás?

- É uma loja, abestado. Ao pegado da Mesbla. Defronte as Pernambucanas. Onde a gente vai sempre capar bombom - corta Guga.

Nesse momento, Caverna, o mais delegado das peladas, largou sua curica, feita de talo de coqueiro e folha de caderno, e veio, catingando que só ele, arrumar cascaria com Guga.

- O quê que tu quer?! A nêga é minha.

- Hmmmm tu quer te amostrar pros teus pariceiro? Te dôle um bogue!!!

- Me dáli??? Rapá, tu não me trisca!!!

E a galera vem zilada jogar lenha na fogueira.

- Éééésseeeeee!!! Tá falando da tua mãe!!! Chamou de qualhira!

- Ééélasss... eu não deixava!!! Cospe aqui - diz Dudu, que só andava na calha, estendendo a mão.

Mas Guga não entra na conversa dos amigos:

- Rapá, negada só querem ver a caveira dos outros!

- Ihhh gelão... cagou ralo heim Guga!!! Tá aberando!!!

Até que chega Lombo, o mais velho da turma, que jogava peteca naquele momento. Ele tinha o costume de quebrar as petecas alheias na brincadeira do cai, dando um china-pau com seu cocão de aço, principalmente se fosse numa olho de gato. Utilizava, também, o recurso do olhinho, mas dificilmente só bilava. Pediu limpo, completou matança nas borrocas e depois foi pro casa ou bola. Às vezes porco ou leitão visitando. Ele intervém gaguejando:

- Ê Caaaa-Caverna, tu tu tu já tá coisando os outros aí né?! Vai já levar um sambacu!

- Hen heim. Vamo já te dar um malha - confirma Guga, aliviado com a intervenção de Lombo.

- Hen heim - retruca Caverna imitando Guga com voz afeminada.

- Não me arremeda não!!! Olha o raspa!!!

- Ahhh... te lascar!!!

Depois do furdunço por sua causa, Reginete sai toda empolgada de lá e decide dar logo uma parada na quitanda da Zefinha, lembrando que seu Vieira havia pedido que ela comprasse alguns ingredientes para garantir o fim de semana, já que Dona Veridiana ainda não havia feito a Lusitana do mês.

- Oi Dona Zefa. Quero camarão seco pra botar na juçara da dona Veridiana e fazer arroz de cuxá. Me veja 3 Jeneves também, 2 quilos de macaxeira, um lidileite alimba, 2 pães massa fina e 4 massa grossa! Ahh... e uma canihouse pra eu fazer a base pra noite!

A senhora vai checar seu estoque no freezer e retorna:

- Ê essa outra... só tem Jesus. Vais querer? Vais querer quantas mãozadas de camarão?

- Três tá bom. E pode ser Jesus sim.

Ao chegar em casa com as compras, seu Vieira repreende a moça:

- Tu fica remancheando pra trazer o cumê. To urrando de fome aqui já! Cuida piquena!! Vou só banhar e quando voltar quero ver tudo pronto.

- Ô seu Vieira... o senhor é muito desinsufrido! Já to arreliada com uma confusão dos meninos na rua. Não me aguneia! Confie ni mim que faço tudo vuada! O senhor sabe que...

- Já seiii... tá bom... aí fala mais que a nêga do leite. Eu heim?! - seu Vieira interrompe.

Neste momento chega Marquinho, filho do seu Vieira, com a equipagem da Bolívia Querida toda suja. Sinal de mais trabalho pra Reginete.

- Menino, olha essa tua roupa. Tava num chiqueiro era? Vai ficar encardidinha! Isso não sai não! E esses brinquedos?! Tudo esbandalhado! Aí não tem jeito! Olha... tá só o cieiro (ou ceroto, como queiram)!

- Tava jogando travinha com os moleques! Não enche e me dá logo esse refri aí que to com sede.

- Hum Hum. Isso é do seu Vieira!

- Marrapá! Por quê?! Deixa de canhenguice, piquena!

- Deixa eu cuidar comigo que ainda quero sair hoje pra radiola no clubão! Vai rolar só pedra!

Passada a janta, Reginete já exausta lava a louça e reflete sobre seu evento da noite: "Já estou é aziada e as meninas não ligam. Amanhã começa mais um dia de trabalho e se sair hoje ainda fico lisa pro fim de semana!". A moça muda de idéia segue sua rotina. Todos os preparativos para a noite foram em vão? Nãããã! O importante foi chamar a atenção e não se achar mais uma no meio da multidão!

ALiMa

O departamento de Letras da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) é responsável pelo projeto do Atlas Linguístico do Maranhão (ALiMa), que, por meio de gravações feitas nos municípios do estado, documenta e analisa a linguagem falada no estado em diferentes níveis de observação (pronúncia, vocabulário, entonação, organização da frase etc). O trabalho avalia mais especificamente o campo da Geolinguística, o uso da língua distribuído no espaço geográfico. Mais informações no site da universidade: http://www.cch.ufma.br/alima.php

*Professor da Faculdade Atenas Maranhense, mestrando em Educação pela Universidade Católica de Brasília. E-mail: [email protected]; blog: www.joseneres.blogspot.com

--------------------------------

3 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba - PR
Atualizado às 22h33 - Fonte: Climatempo
10°
Céu encoberto

Mín. Máx. 15°

° Sensação
13 km/h Vento
94% Umidade do ar
40% (2mm) Chance de chuva
Amanhã (17/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 13°

Nublado
Sexta (18/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 13°

Sol com muitas nuvens e chuva
Ele1 - Criar site de notícias