Quarta, 16 de Junho de 2021 22:37
[email protected]com
Brasil REFLEXÃO

Alessandra Leles Rocha escreve texto reflexivo: "Xenofobia: a indiferença e o medo"

original de https://emprosaeverso-alr.blogspot.com/2021/05/xenofobia-indiferenca-e-o-medo.html

22/05/2021 14h06 Atualizada há 4 semanas
188
Por: Mhario Lincoln Fonte: Alessandra Leles Rocha
capa
capa

Crônicas

XENOFOBIA: A INDIFERENÇA E O MEDO

Convidada: Alessandra Leles Rocha

Não é de hoje, que a história da humanidade relata a migração forçada de centenas de milhares de pessoas. Ao contrário do que muitos possam pensar, a vida sobre a Terra é quase sempre hostil e cruel.

Além de questões climáticas e ambientais, as quais, de certo modo, são também frutos das ações antrópicas, todo um conjunto de guerras, conflitos armados, instabilidade política, miséria e desalento impulsiona o êxodo populacional em diversas partes do planeta.

De modo que, cada vez mais, se vê urgente a constituição de políticas humanitárias capazes de lidar com as demandas desse novo rearranjo populacional.  

E como a vida é dinâmica, tudo acontece simultaneamente, os problemas só fazem se avolumar sem uma solução minimamente satisfatória. Afinal, esse deslocamento populacional não se restringe a uma realocação espacial ou geográfica.

Por trás de cada refugiado existe uma base identitária sociocultural que precisa ser respeitada e resignificada dentro de uma nova conjuntura. O que significa um ajuste comportamental e processual entre quem recebe e quem é recebido.

A condição de refugiado se assemelha, portanto, a um renascimento social em condições, geralmente, muito adversas. Quando sobrevivem as travessias em mar aberto, eles chegam, quase sempre, munidos com a roupa do corpo e nada mais.

A maioria encontra-se separada de suas famílias e amigos, durante esse movimento, ficando sem nenhuma notícia uns dos outros por semanas, meses e, até, anos.

Tanto do ponto de vista físico quanto psicológico, eles chegam, portanto, muito fragilizados e dependentes de cuidados especiais; o que demanda uma expressiva disponibilidade humanitária dos países que se propõem a recebê-los.

Acontece que, vistas de perto, cada nação, por mais bem-sucedida que possa aparentar, tem inúmeras demandas a serem resolvidas internamente. As desigualdades sociais não se restringem aos países menos desenvolvidos ou em desenvolvimento; elas estão distribuídas de maneira particular por todo o mundo sem exceção.

O que faz com que em alguns lugares o nível de resistência em acolher refugiados seja manifesto por exacerbada intolerância e violência, fomentadas pelas crescentes correntes de extrema-direita ultranacionalistas.

Tomando por base as suas respectivas realidades e eventuais perdas sociais, decorrentes dos próprios movimentos socioeconômicos globalizantes, muitos desses cidadãos enxergam nos refugiados um acirramento da competição por bens, serviços e trabalhos.

Por um lado, é certo que alguns dos recém-chegados possuem formação profissional e nível de escolaridade suficiente para os colocar em condição de igualdade para concorrer no mercado. Mas, por outro, muitos necessitarão de assistência básica do governo para sobreviverem até que seja possível se reorganizarem socialmente. Fato é que, agora, com a Pandemia, essa questão se agravou ainda mais.  

A severidade com a qual o Sars-Cov-2 impactou a dinâmica do mundo repercutiu em prejuízos tão significativos, que as nações têm sido obrigadas a redesenhar as suas expectativas e perspectivas futuras, segundo o avanço da doença.

A necessidade de uma nova projeção de redistribuição de recursos econômicos para atender as populações em diferentes situações afunila o gargalo humanitário; sobretudo, em relação aos refugiados. Há, em muitos lugares, uma impossibilidade real de dar-lhes asilo, dada a uma insuficiência logística de atendimento.

Basta observar, por exemplo, a lentidão da imunização contra a COVID-19 pelo mundo. A escassez de vacinas, em diversos países, favorece a permanência e circulação do vírus; bem como, sua capacidade de mutação e geração de cepas cada vez mais infectocontagiosas.

De modo que, tão cedo, não há prognóstico de controle real da Pandemia. Afinal, são quase 8 bilhões de seres humanos a serem imunizados e, ainda não se sabe pela Ciência, se essa imunização será anual como acontece com o vírus Influenza (Gripe), o qual demanda investimento e estratégia para a sua realização.

Até lá, é imperioso traçar estratégias que venham proteger as populações e evitar novas ondas de recrudescimento da doença, a fim de mitigar eventuais sobrecargas de demandas nos serviços de saúde.

Situação que esbarra diretamente na presença de contingentes refugiados, que passam a compor repentinamente a população de um determinado local, o que faz ultrapassar a capacidade natural estimada para os atendimentos.

É por essas e por outras, que não cabe qualquer tipo de indiferença ao ser humano. Ainda que, à revelia de milhares, as relações humanas são muito mais próximas do que se pode imaginar. Quando nos permitimos fechar os olhos ao que acontece de ruim com os outros, quase sempre estamos oportunizando que os desdobramentos de suas mazelas atinjam diretamente o nosso próprio espaço. No fundo, somos uma teia corresponsável pelo o que acontece de melhor ou de pior no mundo.

Por trás dos diferentes cenários que desencadeiam as legiões de refugiados há um ponto comum, a distribuição global da renda. O modo como a sociedade lida com os recursos econômicos tem contribuído para os desastres climáticos e ambientais que expulsam milhões de pessoas de seus territórios pela escassez de água e alimentos.

Mas, também, custeia as guerras, os conflitos armados, a instabilidade política, a miséria e o desalento, porque divide a sociedade em nichos que perdem a capacidade de coexistência pela carência dialógica. O dinheiro passa a determinar quem manda e quem obedece, a partir de discursos fundamentados na vigilância e na punição.

Como manifestou Zygmunt Bauman, “os refugiados simbolizam, personificam nossos medos. Ontem, eram pessoas poderosas em seus países. Felizes. Como nós somos aqui, hoje. Mas, veja o que aconteceu hoje. Eles perderam suas casas, perderam seus trabalhos. O choque está apenas começando”.

Portanto, caro (a) leitor (a), a verdade é que a indiferença é tanto xenofóbica quanto aporofóbica. Assim como, em relação à ganância e o poder. Porque as pessoas não querem rever seus conceitos, suas posições, seus erros, seus equívocos, ...

Enfim, não querem sair de suas zonas de conforto, de regalias, de privilégios, muitas vezes, conquistados e construídos à custa de esforços e sacrifícios extremos de outros seres humanos. Não querem dividir, compartilhar, cooperar. Querem apenas invisibilizar, desprezar, maltratar os outros, porque, assim, lhes parece mais fácil negar a si mesmos a iminente possiblidade de virem a estar na mesma posição que eles.  

1 comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba - PR
Atualizado às 22h33 - Fonte: Climatempo
10°
Céu encoberto

Mín. Máx. 15°

° Sensação
13 km/h Vento
94% Umidade do ar
40% (2mm) Chance de chuva
Amanhã (17/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 13°

Nublado
Sexta (18/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 13°

Sol com muitas nuvens e chuva
Ele1 - Criar site de notícias