Quarta, 16 de Junho de 2021 23:47
[email protected]
Brasil LITERATURA

Imortal APB Paulo Rodrigues analisa obra de Salgado Maranhão, "O Mapa da Tribo"

Resenhas

09/06/2021 11h16 Atualizada há 1 semana
1.345
Por: Mhario Lincoln Fonte: Paulo Rodrigues
capa
capa

O MAPA DA TRIBO E O ÉTHOS DISCURSIVO DE SALGADO MARANHÃO

Paulo Rodrigues*, da Academia Poética Brasileira

       O Mapa da Tribo é o décimo livro de Salgado Maranhão. Lançado pela editora 7Letras (2013), com 99 páginas e cinco seções que vão traçando os caminhos de uma poética capaz de ultrapassar o oceano. A ancestralidade discursiva do poeta é ampliada em muitos poemas.

       É certo que a sociedade brasileira é atravessada por muitos discursos, todos em relação, e contidos no sujeito enunciador ora analisado. O discurso literário enquadra-se como constituinte do ser social “designa fundamentalmente os discursos que se propõem como discursos de origem, validados por uma cena de enunciação que autoriza a si mesma” (MAINGUENEAU, 2006, p.60). 

        Este ensaio deve apresentar uma análise do ethos discursivo de Salgado Maranhão. Usaremos três poemas para demonstrar a nossa inferência, de maneira que as imagens universais construídas na obra consigam apresentar as cenas dos nossos nervos sociológicos.

         José Salgado Santos é um homem negro, alfabetizado depois dos quinze anos, que enfrentou os demônios de uma sociedade capitalista periférica (com uma história longa de escravidão). Agarrou-se ao hábito da leitura como uma oração cotidiana. Foi a sua salvação. O poeta ganhou o prêmio Jabuti, em 1999, com Mural de Ventos e o prêmio da Academia Brasileira de Letras com A Cor da Palavra, em 2011. Traduzido para o italiano, francês, alemão e inglês, é destacável autor visitante de muitas universidades nos EUA.

          Desenha com muito sucesso uma carreira internacional, porque trabalha a palavra com o compromisso de um Samurai. Ferreira Gullar afirmou: “Salgado faz uma poesia da palavra, muito embora não ignore o real, pois o traduz em fonemas e aliterações. Que não hesita em ir além da lógica do discurso (ou do enlace com o plausível) se o resultado é o impacto vocabular e o inusitado da fala”. Os dois conhecem as vísceras da grande expressão poética. Podemos confirmar o que foi dito - pelo autor de Dentro da Noite Veloz - em:

O sertão mordeu meus calcanhares.

o sertão é um coiote vestido

de súplica (sem que eu visse, abriu

cáries em minhas lembranças;

eis como sangra o poema

vestido

           de ausentes;

eis minhas unhas de barro

e servidão.

 

Em meu corpo

o verão plantou cigarras,

ergueu palavras sobre ruínas

(e essa hipérbole 

para além do havido).

 

Por onde passo

até as pedras uivam.

(MARANHÃO, 2013, p. 19)

 

       É o segundo poema da obra. Apresenta três estrofes que dançam ao som dos tambores dos quilombolas de Canabrava das Moças. O poeta conscientemente sabe que éthos foi uma parte da retórica voltada para reconstituir o passado social. Por isso, denuncia: “eis como sangra o poema/ vestido/ de ausentes;/ eis minhas unhas de barro/ e servidão”.

        O servilismo que não desapareceu com a abolição, com a ‘república’, nem mesmo com a Constituição de 1988. “As cigarras” estão espalhadas pelos dias da linguagem e erguem uma identidade nacional.

         Salgado valida a palavra nacional mestiça e desconfiada da própria materialidade democrática da existência, nos trópicos: “Por onde passo/ até as pedras uivam”.

          Em ORIGEM 2, temos imagens que denunciam o enunciador e nossa gente:

Da seiva que na pele me dá cor

de barro de olaria e couro de tambor,

 

eis-me timbrado e solto em muitas vias

sujas de outroras e de algarvias.

 

De tantas que eu até perdi a conta

do que me jaz por jus ou desaponta.

 

E em ser telúrico e alegre como os rios,

me dou em terra, em sangue e ativos;

 

eu próprio sendo “o quase que não vinga”,

alimentado a barro de cacimba;

 

para tornar-me um comedor de verbos,

de sílabas com pimenta e – de soberbo –

 

notar que, enfim, a vida é caixa-preta,

tudo é transverso e nada ao pé da letra.

(MARANHÃO, 2013, p. 78)

 

       Os dísticos fazem um paralelo entre o pretérito e o presente, arrancando das metáforas motivos, lembranças e guias. O poeta reconhece as marcas da (noite imêmore): “da seiva que na pele me dá cor/de barro de olaria e couro de tambor”.

       Salgado reafirma as dificuldades da maioria negra, em nosso país: “eu próprio sendo “o quase que não vinga/ alimentado a barro de cacimba”. Num estilo nada simplista denuncia as tragédias pessoais, num mapa de genocídio dos afro-brasileiros.

        Na estrofe final do poema que dá o título da coletânea, observamos o sujeito enunciador reverenciar sua gramática de origem: “ô vento ancestral/ das línguas que me rasuram!/ recluso em meus anexos/ meus ontens me procuram” (MARANHÃO, 2013, p. 89) .

        Por fim, os poemas trouxeram um éthos discursivo que busca o universal, o humano, o todo sem retirar a retina da ancestralidade. Salgado Maranhão é a transcendência/imanência, em meio ao caos da palavra contemporânea.  

  ---------------------- 

Paulo Rodrigues* (Caxias, 1978), é graduado em Letras e Filosofia. Especialista em Língua Portuguesa, professor de literatura, poeta, jornalista. É autor de vários livros, dentre eles, O Abrigo de Orfeu (Editora Penalux, 2017); Escombros de Ninguém (Editora Penalux, 2018).  Ganhou o prêmio Álvares de Azevedo da UBE/RJ em 2019, com o livro Uma Interpretação para São Gregório. 

 

3 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba - PR
Atualizado às 23h35 - Fonte: Climatempo
Céu encoberto

Mín. Máx. 15°

° Sensação
13 km/h Vento
93% Umidade do ar
40% (2mm) Chance de chuva
Amanhã (17/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 13°

Nublado
Sexta (18/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 13°

Sol com muitas nuvens e chuva
Ele1 - Criar site de notícias