Domingo, 25 de Julho de 2021 10:29
[email protected]
Especiais Textos Escolhidos

"De Índios, Língua e Linguagem: uma questão plural", do escritor Edmilson Sanches

Convidados

12/07/2021 10h16
25
Por: Mhario Lincoln Fonte: Edmilson Sanches
capa
capa

*Edmilson Sanches

Tempos atrás, li em seção de erros de um jornal a observação de que nomes de tribos indígenas não têm plural. O jornal, pressurosamente, se penitenciava de erro cometido em manchete principal de uma de suas edições. 

Não. Nesse caso, ao colocar o nome “guajajaras” no plural, o jornal não errou. Quando devidamente adaptadas à nossa grafia e, até, legitimadas pelo hábito, as palavras procedentes de um idioma que não seja o português são flexionadas de acordo com a nossa língua. Tanto é que não dizemos ou escrevemos os plurais da língua latina  — na farta exemplificação de NAPOLEÃO MENDES DE ALMEIDA, em seu "Dicionário de Questões Vernáculas" —  “os mapae mundi”, “os onera do processo”, “os veredicta”. Dizemos e escrevemos: “os mapas-múndi”, “os ônus do processo”, “os veredictos”. 

Há uma "Convenção para a Grafia de Nomes Tribais", quase setentã, estabelecida em 14 de novembro de 1953 pela Associação Brasileira de Antropologia. A convenção é criticada por alguns antropólogos. 

O documento fixa grafia maiúscula para os nomes das nações/povos indígenas e ausência de plural. Há os que observam que a notação maiúscula é só importação do costume da Língua Inglesa, que escreve em caixa-alta a letra inicial daqueles nomes. Outros, inclusive o antropólogo Julio Cezar Mellatti, falam da pretensão dessa convenção de talvez querer "constituir-se numa nomenclatura científica para as sociedades indígenas, como se fossem espécies animais e vegetais".

Nas duas edições que tenho do "Mapa Etno-histórico de Curt Nimuendaju" (1981 e 1987, do IBGE), embora a imensa maioria de nomes grafados no singular, registram-se diversos com o plural: botocudos, ocren-sacracrinhas, emerillons (do grupo tupi-guarani), rodellas (também chamados tuxás) etc. 

A explicação para o uso de maiúscula e não uso de plural teria a ver com o fato de, embora não sendo ou não tendo um país nos termos da cultura "branca", os indígenas referem-se a si mesmos como uma nação, como se um país fosse  -- e nomes de países grafam-se no singular, na maioria dos casos: Brasil, Argentina...

É a tal coisa. Certa vez, em Fortaleza, em um encontro sobre Língua Portuguesa, fiz um questionamento ao professor NAPOLEÃO MENDES DE ALMEIDA sobre a não existência da palavra “extraordinariedade” (pois existe “contrariedade”, “temporariedade” etc.). Ele disse-me para usar o bom senso. Observei-lhe que, em relação ao uso da língua, se prevalecer a regra do bom senso, correremos o risco de ter idiomas individuais. Ele concordou.

Tal se dá a respeito do plural dos nomes de origem indígena já aportuguesados. Estou com a tese e a prática de que sobre eles devem recair as normas que disciplinam o uso correto da Língua Portuguesa. Caso contrário, abre-se a possibilidade de ocorrerem tantas exceções ou “usos particulares” quantas forem as instituições humanas. Agora, se o Governo Brasileiro oficializar, passando o nome de tribos indígenas a não ter plural, eu seguiria sem problema. Se permanecessem em todos os casos apenas no singular, os nomes de nações/povos/tribos indígenas passariam a ser um substantivo "singulare tantum", que é aquele que só se escreve no singular, em contraposição aos substantivos "pluralia tantum", que são escritos só no plural (por exemplo, núpcias, exéquias). 

* * *

Tempos atrás, nossos melhores jornalistas, nossos maiores jornais e revistas colocaram em pauta quase permanente os muitos problemas e a nenhuma solução que afligiam os índios ianomâmis.

Se ficava intrigado com a omissão criminosa do Governo, também me intrigava o fato da Imprensa quase nunca escrever ou pronunciar no plural a palavra “ianomâmi”  — que, aliás, também é esquecida por alguns de nossos dicionários.

Gramáticos, dicionaristas e escritores consultados sempre dão plural para os nomes de tribos e nações indígenas. Afinal, pronunciamos e escrevemos timbiras, tupis, tapuias, guaranis, nhambiquaras e txucarramães. Por que não “ianomâmis” e, também, “guajajaras”? A grafia é boa, o ouvido não reclama de cacofonia... então, por que não?

Escreve NAPOLEÃO MENDES DE ALMEIDA: “Unicamente quando inadaptável ao vernáculo, quando de terminação estranha às nossas, é que certas palavras obedecem para o plural às regras do idioma de que procedem”.

Meu conterrâneo de Caxias GONÇALVES DIAS, que conhecia os índios e sua língua como ninguém, deu a uma obra sua o título  -- pluralizado --  de “Os Timbiras”. Veja-se, no “Dicionário Aurélio”, o verbete “timbira”: “Indivíduo dos timbiras, grupo oriental das tribos indígenas jês setentrionais”. 

Timbiras, jês... tudo no plural. 

Em 1954, NUNES PEREIRA publicou no Rio de Janeiro o livro “Os Índios Mauês”. 

TAUNAY e VON HERING, em épocas distintas, deram título e plural para os trabalhos sobre “Os Guaianãs”  (viviam entre o Paraná e o Uruguai) e “Os Caingangues” (grupo indígena dos Estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul e  — observe-se os plurais — “são chamados, também, em parte, 'coroados', 'camés' e 'xoclengues'”).

JOSÉ AUGUSTO CALDAS escreveu, há quase um século, o “Vocabulário da Língua dos Bororos-Coroados” (os bororos são índios do Mato Grosso e os coroados são sua família linguística).

Os exemplos se avolumam. Na “Enciclopédia Barsa” (1997, volume “Datapédia e Atlas”, pág. 11): “(...) os índios cambebas”. 

Na “Enciclopédia Ilustrada do Conhecimento Essencial” (1998), do "Reader’s Digest", pág. 195: “A tradicional imagem dos índios norte-americanos, com ornamentações na cabeça, o arco e a flecha, baseia-se nas tribos indígenas das planícies, como os sioux, os cheyennes e os crows”. 

Está-se vendo: até em inglês, faz-se o plural. Estamos em boa companhia...

Os índios eram três milhões no Brasil, em 1500. Pelas vias das doenças e violências várias, teriam sido reduzidos para algo em torno de duzentos mil. Ou seja, considerados, estaticamente, apenas esses números, extinguiram-se 2 milhões e 800 mil índios  — 560 mil por século, 5.600 a cada ano, mais de 15 índios mortos ou morrendo todo dia.

Podemos concluir: Em todo o mundo, os índios, tanto na grafia quanto na sobrevivência, são uma questão plural. 

Já são poucos os índios no solo do Brasil; não vamos acabar com eles também na gramática.

P. S. - Falando em índio e indígena, vale lembrar que a grafia correta é “aborígine”, com “i” depois do “g”, e não “aborígene”, com “e”. A palavra vem do latim ab origine (“de origem”); portanto, nada a ver com “indígena”. Esta, etimologicamente, tampouco tem a ver com “índio”: a palavra “indígena” vem do latim “indigena”, que é formado de “inde” (significa “dali”) e “gena” (“gerado”), ou seja, “indígena” significa “do lugar”, aquele gerado no lugar. O substantivo “índio”, sim, vem do nome do país Índia, nome cuja origem passa pelo latim e grego, com o significado de “o rio Indo”, e, ainda, pelas línguas persa (“hind”) e zenda (“heñdu”) e, mais remotamente, chega ao sânscrito “sindhu”, com o significado de “rio”. Ainda hoje, na Índia, há uma região de nome Sindh, onde está o rio Indo.

-----------------------------------

Edmilson Sanches

EDMILSON SANCHES

[email protected]

Administração - Comunicação - Desenvolvimento - História – Literatura

PALESTRAS, CURSOS, CONSULTORIA

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba - PR
Atualizado às 10h15 - Fonte: Climatempo
16°
Alguma nebulosidade

Mín. 10° Máx. 25°

16° Sensação
7 km/h Vento
59% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (26/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 13° Máx. 27°

Sol com algumas nuvens
Terça (27/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 14° Máx. 25°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Ele1 - Criar site de notícias