Domingo, 19 de Setembro de 2021 01:48
[email protected]
Brasil Colunistas

Mhario Lincoln escreve sobre o livro "Manual de Pintura Rupestre", de Fernando de Abreu

Análise poética (com vídeo)

22/07/2021 20h57 Atualizada há 2 meses
356
Por: Mhario Lincoln Fonte: Mhario Lincoln
capa
capa

POEMA É O RINGUE, NÃO O SOCO!

*Mhario Lincoln

Toda vez sinapses incríveis trafegam na minha cabeça quando ouso ler Fernando Abreu. Poeta – de fazer poesia – de sentir poesia. De viver poesia e achar que a poesia pode mudar o Mundo. Lendo Abreu, embriago-me com a mais rupestre maneira de ver um manual cheio de cores, gêneros, dores e anseios.

Uma poética não só pessoal, como também modal, social, visual, verbal, tribal, plural – assinada por quem compõe a vida em vários heptassílabos oníricos, sobrepostos.

Quando ouso ler “Manual de Pintura Rupestre”, concluo sempre que ao contrário do que pretextou Manoel de Barros – “O que eu queria era fazer brinquedos com as palavras. Fazer coisas desúteis(...)” – Abreu leva muito à sério a arte da construção do poema, chegando a responder nesta entrevista que fiz com ele, (abaixo), há uns anos, ocasião em que lançava “Manual de pintura rupestre”, que:

- a poesia não tira férias e meu fazer poético também é minha maneira de estar no Mundo.

Fernando Abreu.

Ora, pois, é explícita a relação oxigena, ‘sine qua non’, porque ler Fernando Abreu é se entranhar na dialética racional das tábuas algorítmicas do bem elaborado. É alcançar uma liberdade incomensurável, do ponto de vista de soltar as amarras sobre as quais, mesmo em diversos segmentos da poesia brasileira, ainda pesam conceitos ou juízos de valor.

Na obra de Fernando Abreu o que há, sem dúvida, é uma força libertária, cheia de muito bom senso. Um resultado das experiências das coisas, pessoas, ações, acontecimentos, sentimentos, estados de espírito, intenções e decisões como bons ou maus, desejáveis ou indesejáveis.

Destarte, quem lê a poética de Abreu se depara com um trabalho refletivo e incondicional diante do conglomerado-raiz do conjunto de fatores que levaram à construção sólida deste testamento escrito. Nas linhas e entrelinhas o legado de respeitáveis vozes que ecoam pelas páginas, lembrando Jung, Engels, Marx, Freud, Blake e Wilhelm Reich.

“(...) ontem vi o velho marx e sua turma/ arrebentando no sinal de trânsito/ mudando o mundo durante segundos/ com malabares e bolas coloridas (...)’.

E mais: “(...) você tem certeza/ que achou mesmo a cara/ da posteridade mais feia/ que a prudência de blake/ ou não será tudo digressão em torno/ do fato incontornável de que/ mais e melhores poetas virão/ embora nem sempre apareça/ um (...)”.

Se é milagre? Claro que não! Contudo, o livro de Abreu é excepcional pois foi cingido pelos reflexos clarividentes do pôr do sol de São Luís, à beira do mar, mergulhados em versos cheios de “poemas que não recusam nada/ nem mesmo ser um poema”.

Portanto, “poema é o ringue, não o punch”.

 

*Mhario Lincoln

Presidente da Academia Poética Brasileira

Vídeo Bônus abaixo: 

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM FERNANDO ABREU

Local: Base do Rabelo, em São Luís-Maranhão

">

7 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba - PR
Atualizado às 01h30 - Fonte: Climatempo
16°
Nevoeiro

Mín. 15° Máx. 27°

16° Sensação
6 km/h Vento
100% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (20/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 16° Máx. 30°

Sol com algumas nuvens
Terça (21/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 13° Máx. 28°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Ele1 - Criar site de notícias