Sexta, 15 de Outubro de 2021
18°

Chuva fraca

Curitiba - PR

Brasil CRONISTAS CONVIDADOS

A poeta, escritora e cronista Luciah Lopez volta ao Facetubes com um texto impactante: "Esquinas"

"Não me compadeço dessa multidão enlouquecida e seu cheiro de urina e suas sombras decapitadas e seu riso febril"

03/10/2021 às 14h13 Atualizada em 07/10/2021 às 18h28
Por: Mhario Lincoln Fonte: Luciah Lopez
Compartilhe:
Luciah Lopez
Luciah Lopez

ESQUINAS

*Luciah Lopez

Não me compadeço desse grito que alcança o infinito e chega  escorrer enquanto as portas se fecham. Não me compadeço  desse horizonte entalhado que aparta o dia e a noite, incendiando cartazes de ninfetas esquálidas, erráticas.

Anjos da discordância que sucumbem numa solidão cárnea que arrebata a cor de cada olho cego. Não me compadeço nem deste sol a pino que seca a mão e o ventre daquela que inutilmente pode parir, e esconde sob o lençol sujo de sangue e barro, colocando-se  na mira das carabinas. Não me compadeço desses pássaros famintos e suas asas abertas, estendidas nas paisagens da imaginação revelando a densidão de cada voo, nem das suas carnes magras que revestem a brancura dos seus ossos, enganosamente imortais.

Não me compadeço dessa multidão enlouquecida e seu cheiro de urina e suas sombras decapitadas e seu riso febril, instrumento das ladainhas que misturam angustia e cal, no pão seco dos filhos dessa fome. Não me compadeço dos meninos e suas dores, do sono dos homens, das mãos calejadas, do relógio que desandou, do cheiro do estrume, da lágrima da virgem, do pó da terra, do leme do barco, da aliança que não se fez, do sonho que acabou, da vida em riste, do muro triste, da menina que ri.

Não me compadeço do amor e seus tormentos, seus véus caídos, seus aleijões, sua desfigurada sonolência, sua incerteza, sua covardia, sua dor e seu humilhante ofício de enganar. Não me compadeço da vida nem da morte.

O que me seduz  é essa desesperada solidão arquejante aflita, quente, sofrida. Me engolindo, me castigando a amplidão do olhar que ainda contempla noites frias e azuis onde o silêncio propicia o corte preciso e suave e o gotejar solene deste vermelho delírio insano que corre em mim.

*Luciah Lopes, da Academia Poética Brasileira, poeta e cronista do Facetubes.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias