Sexta, 15 de Outubro de 2021
18°

Chuva fraca

Curitiba - PR

Especiais EXPLOSIVO

Textos escolhidos. De Alessandra Leles Rocha: E não é que a "Terra Parou"!

Original de "Em Prosa e Verso"

05/10/2021 às 16h31 Atualizada em 06/10/2021 às 18h58
Por: Mhario Lincoln Fonte: Alessandra Leles Rocha
Compartilhe:
Original do texto
Original do texto

E NÃO É QUE “A TERRA PAROU”!

Autor escolhido:  Alessandra Leles Rocha

E não é que “a Terra parou”! Não, como em 1938, quando um programa de rádio em que o ator Orson Welles narrou como verdadeira uma invasão alienígena aos Estados Unidos, levando pânico à população, em uma época em que a ameaça fascista na Europa assustava a América antes da 2ª Guerra Mundial. Dessa vez, foi a paralisia repentina das ferramentas tecnológicas Facebook, Instagram e WhatsApp, que ficaram fora do ar, por aproximadamente sete horas, que assustou diversos países ao redor do planeta, inclusive o Brasil.

Pois é, de repente o mundo se deu conta de como está sob o controle das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs). A vida contemporânea está totalmente dependente desses recursos, não só para fins de lazer e entretenimento; mas, de trabalho e negócios. O que significa que a dinâmica das relações sociais e comerciais está ancorada pela tecnologia e se ela falhar as perdas são inimagináveis. O próprio dono do Facebook perdeu, em um dia, cerca de 7 bilhões de dólares (R$38,1 bilhões) com essa interrupção temporária do sistema.

Mas, enquanto muitos se desesperaram diante dos prejuízos materiais decorrentes desse problema técnico; afinal, a sociedade está em franco processo de recuperação, depois de longos meses de impactos desencadeados pela Pandemia do Sars-Cov-2, houve quem respirasse aliviado por essa incomunicabilidade eventual. Em um piscar de olhos, o desequilíbrio presente nas relações entre humanos e a tecnologia ficou, portanto, evidente. Ela não precisa de nós; mas, nós estamos cada vez mais subjugados a ela.

Em razão de representar o passo a passo da Revolução Industrial, ao longo dos séculos, a tecnologia veio oferecendo facilidades e vantagens que acabaram por coaptar os seres humanos sem maiores resistências. A questão é que nada é de graça, nem mesmo, quando o assunto é tecnologia. De um jeito ou de outro as pessoas pagam algum preço pelos supostos benefícios. Se por um lado elas impulsionaram os serviços, bens e consumo, criaram oportunidades de emprego e renda, por outro, na medida em que a portabilidade tecnológica permite que os recursos estejam ao alcance das mãos, elas consumiram o tempo e extinguiram os limites das relações humanas.

O que significa que passaram a exigir dos indivíduos mais e mais disponibilidade em atender inúmeras solicitações e chamados simultaneamente. A relação dia/noite foi comprometida.  Desse processo, então, emergiram padrões, comportamentos, protocolos que foram gradativamente incorporados ao cotidiano das pessoas, de tal forma que elas inconscientemente perderam a capacidade de manter as fronteiras entre o mundo real e o mundo virtual, o que representa o surgimento de uma fusão extenuante e tóxica entres esses mundos.

O ser humano dorme e acorda com um equipamento tecnológico nas mãos, porque ele se sente obrigado a cumprir o frenético ritmo de tarefas que lhes são impostas. Ele não tem mais tempo de ser, de estar, de conviver, de respirar, de comer, ... porque ele está condicionado a responder de imediato a todo e qualquer contato; sobretudo, se estiver trabalhando. Não há depois. Não há mais tarde.  Não há lista de prioridades, porque tudo se tornou prioridade. O “Agora” é palavra de ordem.

Sem perceber, no fim das contas, o resultado desse movimento é a precarização da vida pessoal, do trabalho, da saúde, do bem-estar. Nas entrelinhas desse jogo está o fato de que o sucesso e a satisfação humana foram ressignificados e estão, cada vez mais, circunscritos pelo dinheiro. Daqui e dali as relações entre os seres humanos e o universo tecnológico visam o enriquecimento. Não é à toa a proliferação dos chamados “influencers”, ou seja, indivíduos que utilizam as redes sociais para influenciar seus seguidores quanto ao estilo de vida, opiniões e hábitos.

E tudo isso é muito cansativo, muito desgastante, muito desumano. As pessoas perderam a verdadeira perspectiva da vida. Elas, agora, querem likes e visualizações, querem seguidores ao invés de amigos. Por isso, passam os dias conectadas, vigilantes, disponíveis, entregues à tecnologia. Mas, quando não conseguem são invadidas por uma frustração descomunal. Algo que tem conduzido muitas delas a situações de risco, tentando chamar a atenção do mundo virtual. Brincadeiras letais. Desafios mortais. Independentemente da idade.

Então, ontem, quando à revelia de sua vontade “o mundo tecnológico parou”, por algumas horas foi possível, também, parar e respirar. A necessidade fez retomar as velhas práticas. Ligações telefônicas congestionaram. Milhões de e-mails foram enviados e recebidos. Mensagens SMS tiveram novamente o seu valor reconhecido. Enfim... A velha lógica de “quando a luz apaga se procura uma vela”, novamente, se reafirmou. Como disse o escritor português, Vergílio Ferreira, no fim das contas, “O que mais importa não é o novo que se vê, mas o que se vê de novo no que já tínhamos visto” (Conta-Corrente V, 1987).

Resta saber, se essa breve experiência de paralisia do Facebook, Instagram e WhatsApp trouxe algo além de si mesma, para a maioria dos mortais. Segundo Erich Fromm, “O perigo do passado era que os homens se tornassem escravos. O perigo do futuro é que os homens se tornem autômatos”. Porque, “A nossa sociedade ocidental contemporânea, apesar do seu progresso material, intelectual e político, promove cada vez menos a saúde mental e contribui para minar a segurança interior, a felicidade, a razão e a capacidade de amar do indivíduo; tende a transformá-lo num autômato que paga o seu fracasso humano com o aumento das doenças mentais e com o desespero oculto sob um frenesi de trabalho e de pretenso prazer (Aldous Huxley -  Brave New World Revisited, 1958). 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias