Segunda, 15 de Julho de 2024 15:39
editor-sênior, jornalista Mhario Lincoln
Brasil Matéria Especial

Toda a verdade sobre "Sermão de Santo Antônio aos Peixes", pronunciado pelo Padre Antonio Vieira em 1654

Críticos literários, como Sérgio Buarque de Holanda, Alcir Pécora e Eduardo Lourenço, oferecem análises detalhadas dessa obra

01/07/2024 20h57 Atualizada há 2 semanas
Por: Mhario Lincoln Fonte: Redação do Facetubes c/Mhario Lincoln
Arte: MHLai
Arte: MHLai

NOTA DO EDITOR: Muita gente fala, estuda, analisa e usa o sermão do padre Vieira, na histórica Igreja de Santo Antonio, em São Luís do Maranhão. Porém, quais foram as reais consequências desse ato de crítica social e religiosa para o status quo da época e de hoje? Uma pergunta que fiz a minha equipe de pesquisas e solicitei que caísse em campo para pesquisar sobre o assunto e trouxesse um pouco mais de luz e entendimento, numa linguagem mais moderna e acessível a todos. O belo resultado dessa pesquisa está aqui abaixo. De minha parte, estou deveras convencido que essa equipe fez um trabalho muito bom, agora, compartilhado com todos nossos queridos leitores. Caso queiram,  compartilhem com quem ainda tem dúvidas sorte o espisódio. (Mhario Lincoln).

 

Na verdade, o "Sermão de Santo Antônio aos Peixes," pronunciado pelo Padre Antonio Vieira em 1654, teve um impacto significativo ao denunciar a corrupção e a exploração praticadas pelos colonos e governantes do Maranhão. Vieira utilizou uma linguagem rica em ironia e sarcasmo para comparar a sociedade maranhense a diferentes espécies de peixes, simbolizando as diversas classes sociais e suas falhas morais.

 

Críticos literários, como Sérgio Buarque de Holanda, Alcir Pécora e Eduardo Lourenço, oferecem análises detalhadas dessa obra. Holanda destaca a habilidade de Vieira em usar o sermão como um instrumento de crítica social e política, oferecendo nova ideia sobre a moralidade e a ética cristã. Pécora enfatiza o caráter retórico e performativo do sermão, apontando como Vieira capturava a atenção e provocava uma resposta emocional e intelectual dos ouvintes, arriscando sua própria segurança ao enfrentar interesses econômicos e políticos poderosos. Lourenço vê o sermão como uma manifestação do espírito barroco de Vieira, onde a tensão entre o espiritual e o temporal é dramatizada, criando uma obra de arte literária que transcende seu contexto histórico.

 

Padre Vieira se baseou em pontos cruciais para fazer sua crítica veemente. Ele criticou fortemente a corrupção e a ganância dos colonos e governantes, usando o "polvo" como metáfora para a avidez e a exploração dos recursos locais. Denunciou a hipocrisia religiosa dos colonos que, embora se apresentassem como cristãos devotos, praticavam injustiças e imoralidades. Abordou a marginalização e o tratamento cruel dos povos indígenas e escravizados, comparando-os a peixes menores e menosprezados. Falou contra a exploração econômica e social das colônias, simbolizada por peixes como o "roncador" e o "voador", que representam aqueles que fazem muito barulho e ostentação, mas contribuem pouco para o bem comum.

 

A veemência do "Sermão de Santo Antônio aos Peixes" teve repercussões imediatas e de longo prazo. Vieira foi forçado a partir para Portugal devido à pressão dos poderosos que ele criticava. No entanto, seu sermão ressoou ao longo dos séculos como um exemplo de resistência contra a opressão e a injustiça. A crítica de Vieira serviu como um modelo para discursos e escritos posteriores que buscaram confrontar abusos de poder e promover a justiça social.

 

No século XXI, o sermão de Vieira continua a ser relevante como um exemplo clássico de crítica social e política. Pensadores contemporâneos o citam para ilustrar a importância da responsabilidade ética e moral em posições de poder. Um exemplo é o filósofo brasileiro Luiz Felipe Pondé, que vê o sermão como um lembrete da necessidade contínua de vigilância contra a corrupção e a exploração, destacando a relevância das críticas de Vieira em contextos modernos de desigualdade e injustiça social.

 

O "Sermão de Santo Antônio aos Peixes" de Padre Antonio Vieira permanece uma obra poderosa e influente, tanto literária quanto socialmente. Sua crítica mordaz aos abusos de poder no Maranhão do século XVII ressoa até hoje, inspirando debates sobre ética, moralidade e justiça social. Vieira, através de sua eloquência e coragem, deixou um legado duradouro que continua a desafiar e inspirar gerações.

1 comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
alcina maria silva azevedoHá 2 semanas Campinas- SPCorrupção e ganância! Vem de tempos antigos e predomina até hoje,em nossos governantes e povos. Como cambater isso? Cada um de nós, fazer o seu melhor e selecionar pessoas do nosso convívio.
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba, PR
Atualizado às 14h02
12°
Chuviscos

Mín. 10° Máx. 13°

11° Sensação
4.12 km/h Vento
76% Umidade do ar
100% (6.97mm) Chance de chuva
Amanhã (16/07)

Mín. 10° Máx. 12°

Tempo nublado
Amanhã (17/07)

Mín. 12° Máx. 20°

Tempo nublado
Ele1 - Criar site de notícias