Quarta, 24 de Fevereiro de 2021 23:29
[email protected]
Brasil Colunista Convidada

"A interrupção da folia ficou pequena, quando se olha para o silencioso abandono da Cultura". (Alessandra Leles Rocha)

Para ler mais: https://emprosaeverso-alr.blogspot.com/2021/02/por-tras-da-folia.html

14/02/2021 18h41 Atualizada há 1 semana
150
Por: Mhario Lincoln Fonte: Alessandra Leles Rocha
capa
capa

Por trás da folia

De repente a interrupção da folia esse ano ficou pequena em si mesma, quando se olha para o silencioso abandono da Cultura nacional. Cada artista e profissional das artes brasileiras permaneceu invisível, irreconhecível, à margem de sua própria cidadania e dignidade, graças a inação de uma sociedade que teima em aceitar tudo isso como se fosse perfeitamente normal.

 

Por Alessandra Leles Rocha (Convidada).

Admito que nasci desprovida de um espírito genuinamente folião. Talvez, em razão do hábito da própria família, menos afeito ao entusiasmo carnavalesco. Talvez, por mim mesma, em uma condição mais observadora do que participante. O que importa é que o Carnaval, apesar dessas considerações, nunca me incomodou com sua alegria esfuziante e incontida. Às vezes, o que me franzia a testa era pensar que, justamente nessa época do ano, a falta de decoro e respeito ao cidadão acontecia nas politicagens, na calada da noite. De modo que a quarta-feira sempre chegava mais adornada de cinzas do que deveria.

Depois da desimportância dada ao COVID-19 durante os festejos do ano passado, agora tudo está em suspenso. Foi logo depois do Carnaval, no último choro da cuíca, que a Pandemia explodiu e a vida virou de cabeça para baixo. O cotidiano foi abruptamente interrompido e sem sinais concretos de quando uma retomada do seu curso aconteceria. O que se chamava normalidade se esfacelou e cedeu espaço para uma avalanche de incertezas diversas. O novo vírus rasgou as fantasias e adereços, bateu seu surdo fora do compasso, atravessou o samba... E cá estamos, praticamente um ano depois, em meio à nova realidade que se instalou.

Na linha de frente da Pandemia, a vida sofreu com todos os sobressaltos no campo da saúde pública; mas, também padeceu os infortúnios da economia. Desemprego, redução de jornadas e salários, enfim... trabalhadores de todas as fronteiras laborais viram seu mundo desabar. O equilíbrio financeiro das famílias foi parar na UTI, também. Principalmente, daqueles que sobrevivem na informalidade, entre trabalhos eventuais e/ou temporários. E aí, entra o imenso contingente do Carnaval distribuído em cada canto desse país.

Sendo eles uma parcela tão importante e significativa do universo cultural brasileiro, essa crise expôs a fragilidade a que é submetida a sobrevivência desse setor no país, antes mesmo do impacto devastador da Pandemia. Trabalhar em Cultura no Brasil é um desafio para os bravos. Não só pelo desestímulo e carência de reconhecimento do ofício cultural empreendido; mas, pela limitação de apoio e incentivo para o exercício dessas atividades.

Como em quaisquer áreas profissionais, o setor cultural abriga atividades variadas com remunerações, geralmente, atreladas as propostas de projetos; portanto, instáveis no sentido de uma paga fixa mês a mês. O que significa que muitos desses trabalhadores recebem por trabalho realizado e, com a necessidade da aplicação urgente das medidas sanitárias restritivas, decorrentes do COVID-19, eles ficaram à mercê dos acontecimentos.

Shows cancelados. Teatros fechados. Recitais desmarcados. Academias de dança com aulas online. ... Toda a cadeia cultural foi paralisada ou teve que se adequar ao novo cenário tecnológico para tentar remediar a situação. Entretanto, muita gente fundamental ficou de fora. Gente que sobrevive nas coxias, nos bastidores, no sacrifício do trabalho anônimo. O que inclui essa gente maravilhosa do Carnaval.

Acostumados a pensar na preparação da folia seguinte, quando o bloco ou a escola ainda passam na avenida, dessa vez foi diferente. A realidade suspendeu o riso, o sorriso, a euforia, o trabalho. O tempo era de reaprender, de descobrir um jeito de superar a Pandemia e sobreviver. Mas a renda dessa gente virou fumaça. Nada das feijoadas de fim de semana nas quadras das escolas, nada de ensaios para arrecadar fundos, nada da venda de ingressos, fantasias e abadás, nada... Cada um teve que cuidar de si do jeito que conseguiu.

De repente a interrupção da folia esse ano ficou pequena em si mesma, quando se olha para o silencioso abandono da Cultura nacional. Cada artista e profissional das artes brasileiras permaneceu invisível, irreconhecível, à margem de sua própria cidadania e dignidade, graças a inação de uma sociedade que teima em aceitar tudo isso como se fosse perfeitamente normal.

Que entende a Cultura apenas como mecanismo de satisfação do seu tédio, algo que existe para lhe servir ao contrário de interagir e agregar. Por isso, eles veem com tanto desdém as figuras por trás de cada manifestação artística, como se desmaterializadas de sua existência, meros produtos de outros produtos.

Em meio ao agora, quando uma nova ordem de modos e comportamentos se estabelece, ainda que momentaneamente, talvez seja tempo de refletir sobre a Cultura nacional. Porque ela se estende além do Carnaval, além das Artes, além de nós, da vida, do tempo e do espaço. Ela é uma tradução da nossa identidade individual e coletiva.

Como manifestou a poetisa portuguesa Sophia de Mello Breyner Andresen, “A cultura é uma coisa que, ou está na mentalidade e na vida, ou não está em parte nenhuma. Não é um objeto de museu, é qualquer coisa de estrutural na vida humana”.

Somente a partir dessa consciência é que a sociedade brasileira, enquanto povo, vai conseguir olhar para o Carnaval ou qualquer outra manifestação artística cultural com o apreço e o respeito devido. Vai descobrir toda a cultura que existe por trás da Cultura e lutar para que ela seja vista e reconhecida na pessoa de cada cidadão artista desse país. Afinal de contas, “Mas de que adianta sair para festa e voltar para casa sempre com o coração vazio? ” (Caio Fernando Abreu – escritor brasileiro).

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
-
Atualizado às 21h00 - Fonte: Climatempo
°

Mín. 18° Máx. 26°

° Sensação
km/h Vento
% Umidade do ar
90% (20mm) Chance de chuva
Amanhã (25/02)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 17° Máx. 24°

Sol com muitas nuvens e chuva
Sexta (26/02)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 16° Máx. 23°

Sol com muitas nuvens e chuva
Ele1 - Criar site de notícias