Quarta, 16 de Junho de 2021 22:28
[email protected]
Cultura COLETIVA DE MAIO

30 anos da Coletiva de Maio/MA. Como disse o jornalista Felix Alberto Lima, "Toda Nudez será Premiada"

Reprodução de parte do blog http://oredemoinho.blogspot.com/, de Félix Alberto Lima

30/05/2021 16h16 Atualizada há 2 semanas
825
Por: Mhario Lincoln Fonte: Félix Alberto Lima
Coletiva de Maio/1991
Coletiva de Maio/1991

Nota do Editor: Matéria publicada com autorização do autor, a pedido do artista Uimar Junior. A direção da Plataforma facetubes.com.br agradece a honrada participação desse bravo jornalista maranhense Félix Alberto Lima, eleito em 21 de junho de 2018 para Cadeira 25 da Academia Maranhense de Letras. Ocupou a vaga deixada pelo escritor José Louzeiro. Tomou posse no dia 8 de novembro de 2018. 

(Fotos originais dos textos, álbum do artista Uimar Junior e publicações na imprensa nacional).

30 anos da Coletiva de Maio

Autor: FELIX ALBERTO LIMA/Matéria resumida. A íntegra está em: Redemoinho/http://oredemoinho.blogspot.com/

Improvável falar de artes plásticas no Maranhão sem perscrutar, livremente, a última década do século XX. Pode não ter sido o período mais criativo, mas os anos 1990 são, de longe, os mais buliçosos para artistas plásticos locais. Não foram poucos os eventos e espaços criados para a divulgação de trabalhos de veteranos e iniciantes, a exemplo de badaladas exposições coletivas, abertura de importantes galerias e lançamento de livro com inventário essencial das artes maranhenses.

A Coletiva de Maio foi um divisor de águas para muita gente. Entre 1991 e 1996, as seis edições da exposição entraram para a história e encetaram um desfastio na pacata cena cultural de São Luís. Durante seis anos, a exposição deu o que falar e fez tremer, desde o primeiro ato, em 25 de maio de 1991, as estruturas do tradicional Convento das Mercês, que acabara de abrir as portas depois de um longo período de restauração. 

Idealizada pela Fundação da Memória Republicana e Universidade Federal do Maranhão, com apoio da iniciativa privada, a Coletiva de Maio era um evento aberto à participação da classe artística – “sem caráter competitivo”, como à época diziam os organizadores. Havia, porém, uma premiação em dinheiro aos autores dos cinco trabalhos escolhidos pelo público  no dia da abertura da exposição, fato que, desde o início, ensejou inúmeras polêmicas.

Polêmica, aliás, não faltou em cada edição da Coletiva de Maio. O Maranhão saía de um período de estio, depois de alguns anos sem a realização do tradicional Salão de Maio, e já sem o impulso do Cenarte, Mirarte e Gororoba, iniciativas que movimentaram as artes maranhenses entre os anos 1960 e início dos anos 1980. Logo na primeira coletiva houve uma corrida intensa ao Convento das Mercês. Foram 117 artistas plásticos inscritos e 148 trabalhos em exposição, sem qualquer crivo.

Textos históricos de Félix Alberto (I).

Vanguarda - Com programação visual de Roberto K-Zau e curadoria de Ubiratan Teixeira, Pergentino Holanda, Euclides Moreira Neto, Zelinda Lima, Fernando Bicudo e Carminha Cabral Marques (e mais Maria do Carmo, Fátima Frota e Rosilan Garrido, em edições posteriores), pelos corredores da Coletiva de Maio viam-se pinturas, esculturas, fotografias e colagens, mas a novidade era o número expressivo de instalações, performances e outras linguagens de vanguarda, principalmente em obras criadas por artistas mais jovens.

Estavam lá Ivana Farias, Marlene Barros, Paulo César, Henrique Dias, Wagner Alhadef, José Maria Eça, Adiel Belo, José Jorge Leite Soares, Clóvis Cabalau, Ana Borges, Ambrósio Amorim, Péricles Rocha, Ciro Falcão, Luís Carlos, Silva Maranhão, Luís Pires, Ayrton Valle, Geraldo Kosinski, Edgar Rocha, Fransoufer, Princesa Blues, Marçal Athaíde, Fidélis, Ana Maria Félix, Ivanildo Ewerton, Gênio Araújo e Othon Bastos. Entre tantos outros mais, havia também a pequena Luiza Santos, de 7 anos, filha do artista Jesus Santos.

Logo no primeiro dia, mais de mil pessoas visitaram a mostra empunhando suas cédulas de votação. Se a reabertura do Convento das Mercês era motivo de grande curiosidade – pela grandiosidade e beleza do espaço, um monumento erguido no bairro do Desterro ainda no século XVII – havia também um clima de expectativa em torno da qualidade das obras expostas.

A Coletiva de Maio oferecia ainda aos artistas uma programação paralela que incluía discussões acadêmicas e troca de experiências com convidados de outros estados. As primeiras palestras e workshops foram conduzidos por Jesus Santos, Airton Marinho e o goiano Siron Franco.  

Jornal de ontem - Os votos estavam nas mãos de pessoas anônimas, que escolhiam seus trabalhos preferidos mais por simpatia ou apelo popular que por conhecimento dos elementos característicos de uma obra de arte. Havia entre as obras em exposição, por exemplo, um rolo de papel higiênico feito com as folhas de um jornal do dia anterior, além de um altar com velas acesas que, por muito pouco, não atearam fogo no convento.

Os artistas escolhidos pelo público em 1991 foram Uimar Júnior, com a sua escultura viva “Homem nu”, em tintura aplicada sobre a pele; Miguel Veiga, Airton Marinho, Renata Jutahy e a iraniana Haleh Khazrai. A performance inusitada de Uimar Júnior ganhou as páginas dos jornais e arrebatou quase a unanimidade dos votos dos visitantes. 

A premiação de Haleh Khazrai desencadeou uma polêmica à parte. O artista Jerônimo Costa, que participava da coletiva com o quadro “Paz celestial”, alegou que a tela “Bailarinas” pintada pela iraniana era, em verdade, cópia de obra já conhecida, também reproduzida tempos atrás por outro artista paraibano. Depois de denúncia formal de Jerônimo, Haleh publicou nota na imprensa reconhecendo que o seu trabalho era de fato uma reprodução de uma imagem “publicada na coleção de um curso prático de fotografia”, mas que o regulamento da Coletiva de Maio não exigia trabalhos inéditos.

Na mesma edição da coletiva, o artista Jorge Bezerra fez circular entre os visitantes do Convento das Mercês um panfleto em que criticava, entre outras coisas, aqueles expositores que “pagavam para aparecer”, numa referência à taxa de inscrição cobrada pelos organizadores. Uma espécie de manifesto contra o exibicionismo. “Quando muitos colhem e poucos plantam, acontece a escassez”, dizia. 

Textos históricos de Félix Alberto (II).

Desassossego - Como julgar com a mesma régua obras de diferentes técnicas? Essa era uma das principais questões levantadas por artistas inconformados com o resultado da votação popular. Muitos criticavam o julgamento dos trabalhos pelo público visitante – tido como “carente dos valores estéticos mais elementares” –, risco que caberia aos especialistas em arte.

Considerada à época pelo jornalista Raimundo Garrone, em texto publicado no jornal O Imparcial, como algo “inútil e enfadonho”, a Coletiva de Maio foi um dos espaços mais democráticos das artes no Maranhão, principalmente por abrir espaço a artistas que estavam em início de carreira. Ou seja, a maioria. Mesmo com os deslizes nas sucessivas edições, a coletiva movia-se como uma espécie de revelação do desassossego criativo. E mais: estimulava o envolvimento de escolas e a participação de estudantes, ora como visitantes, ora como expositores.

Em seis edições, a exposição do Convento das Mercês transformou-se em um dos principais eventos do gênero na região Nordeste. “A Coletiva de Maio é, na verdade, uma grande confraternização e mostra que o maranhense é extremamente talentoso”, declarou Carminha Cabral em reportagem publicada na época pelo jornal O Estado do Maranhão. “É preciso, agora, não perder o pique, para que todos os anos, indefinidamente, possamos renovar a tradição dessa grande mostra de maio que servirá de termômetro de avaliação no campo das artes”, escreveu Jesus Santos em crônica de 1991, no mesmo periódico.   

Para os artistas mais jovens, como o então estudante de Jornalismo Clóvis Cabalau, que participou da primeira edição com o trabalho “Além da tela”, a exposição causou um enorme impacto. “Taí uma ótima chance de expor minhas pinceladas, pensei. Não lembro bem da obra que apresentei, mas recordo perfeitamente do efeito que a exposição causou nas pessoas”, disse ele. “Espanto, admiração, incômodo, alegria…, tudo o que cabe à arte fazer”. Na opinião de Cabalau, a primeira mostra mexeu com a cidade.

Sebastião do Corado, observa a performance de Uimar jr.

Toda nudez será premiada

Em 1992, a Coletiva de Maio seguiu mantendo o mesmo ritmo e padrão da edição anterior, com a atmosfera de novidade cercando o Convento das Mercês. Com 187 artistas inscritos e 247 trabalhos em exposição, a mostra deu um salto na quantidade de obras, dentre elas a tela “São Pedro”, assinada pelo ex-presidente José Sarney.  

Pelo fato de o júri popular mais uma vez premiar o nu artístico de Uimar Júnior, que apresentara naquele ano a performance “Chega de meio ambiente, lute por um inteiro”, alguns críticos passaram a denominar a exposição de “coletiva dos pelados”. Uimar pegava carona em maio na incipiente temática do meio ambiente, que um mês depois ganharia o mundo com as pautas sobre biodiversidade e degradação ambiental da Eco-92.

Além de Uimar Júnior, receberam premiação na Coletiva de 1992 os artistas Sílvio Serra, também com a performance de nudez “Entre os seios ó liberdade”; Maria Alves, com a escultura “O aposentado”; Francisco Chagas Miranda, com o desenho “Vítimas de tudo”; e Robert Animal, com a aerografia “As araras”.

Em crônica, Jesus Santos chamava a atenção para o excesso de experimentalismo: “[A Coletiva de Maio] mergulhou este ano no hermetismo maneiro e mal-acabado de instalações e performances que nos dá a impressão de ser mais importante estar caricatamente em dia com o que se faz lá fora do que seguir racionalmente o curso crítico de nossa própria realidade”. 

Mercedários - Em contraposição, o jornalista, crítico e teatrólogo Ubiratan Teixeira rendia-se aos aspectos positivos da exposição. “A Coletiva de Maio é um regalo para os olhos e para a história de nossa arte. Uma tentativa de produzir uma obra, ali naquela casa que por si só é uma obra de arte, que é o convento dos mercedários”, argumentava.

Em 1993, os organizadores da Coletiva de Maio, mesmo mantendo o critério de votação do público, convidaram representantes da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, do Salão de Arte Contemporânea do Pará e da Fundação Joaquim Nabuco para compor um júri técnico. E mais uma vez lá estava Uimar Júnior consagrado pelo júri popular, entre os 221 artistas participantes. A obra “Ambiguidade”, de Geraldo Reis, levou o primeiro prêmio da exposição pelo júri técnico.

Vale registrar que, nas três primeiras edições do evento, o prêmio do júri popular acabou ganhando contornos de uma disputa de torcida pelo artista preferido. O mesmo Ubiratan Teixeira que elogiara o evento no ano anterior, em 1993 ele dizia que a coletiva dava “sérios sinais de exaustão e infantilismo”. 

A Coletiva de Maio de 1994 recebeu 226 trabalhos inscritos e contou com a participação de dez artistas convidados de outros estados, entre eles Gil Vicente, de Pernambuco, e Sérvulo Esmeraldo, do Ceará. Pelo júri técnico foram premiados os artistas Donato (“Consumismo”), Geraldo Reis (sem título) e Philippe Lhuillier (“Na oficina mecânica”), com menção honrosa para Ivana Farias (“Fixação”) e Renata Jutahy (“Timidez”). Maria Alves Araújo (“Quebrando coco”) e Fernando Almeida (“Telhados coloniais”) levaram os prêmios do júri popular.    

Já em 1995 a curadoria da exposição estabeleceu critérios mais rígidos aos participantes. Ficaram de fora da Coletiva de Maio as instalações e performances. Das 247 obras inscritas, apenas 156 foram selecionadas. Entre os vencedores daquele ano, estavam os artistas Paulo César (“O carro da frota é belo”), Geraldo Reis, Ivana Farias, Ciro Falcão e Edgar Rocha.

Em reação à exclusão das instalações e performances, os artistas Uimar Júnior, Fernando Medeiros, Dyo Júnior, Léo Lima e Carlos Miranda organizaram uma passeata de protesto pelas ruas do Desterro e nos corredores do Convento das Mercês, com direito a fantasias, caras pintadas e um estandarte com a colérica pergunta “Eras tu, Coletiva?”.

Em 1996, última edição da Coletiva de Maio, por trás do excesso de rigor percebiam-se os primeiros sintomas de tibieza na comissão organizadora e na classe artística. Dos 350 trabalhos apresentados, ficaram no salão principal da exposição apenas 150 obras. E o júri técnico decidiu, ao final, pela premiação de Péricles Rocha (desenho), Geraldo Reis (pintura) e Wilson Marques (fotografia). 

Em 1997 ainda houve uma tentativa, e uma certa pressão por parte dos artistas, mas a Coletiva de Maio não aconteceu por falta de recursos. O principal mecenas na época, a Alumar, não correspondeu ao orçamento apresentado pela organização, estimado em cerca de 100 mil reais. “Hoje, temos o vazio. Se tivesse sido preservada, talvez a Coletiva fosse agora uma das exposições mais importantes do Brasil”, argumenta Clóvis Cabalau.

Coletiva dos Excluídos.

Uma coletiva para os rejeitados

Desde a primeira edição, em 1991, a Coletiva de Maio reverberava pelos salões e corredores do Convento das Mercês o ambiente socioeconômico e político do momento. O Brasil vivia um período conturbado, de incertezas e confiscos no malogrado governo de Fernando Collor de Mello. Muito do que ali estava em exposição refletia as agruras e desencantos de um País que – como se repete agora – virava as costas para as artes. 

Havia testilhas veladas entre o antigo e o novo, a tradição e a vanguarda, as obras de arte convencionais e as experimentações, artistas e curadoria. Desse conflito emergia também a discussão mais complexa sobre a diferença entre obra efetivamente de qualidade e refugo. Mas quem, no meio daquele campo minado de artistas ávidos por premiação em dinheiro ou reconhecimento, haveria de separar o joio do trigo?

Pois em 1996 os organizadores da mostra resolveram, por conta e risco, criar a Coletiva dos Excluídos, uma versão paralela da Coletiva de Maio com exposição de trabalhos tidos como “de segunda linha” pela curadoria. Das 350 obras inscritas, apenas 150 foram classificadas para a mostra oficial, expostas com pompa em salão especial no piso superior do convento. E pouco mais de 180 trabalhos de 88 artistas ficaram em exposição no térreo da Fundação da Memória Republicana. Ou seja, alguns artistas curvaram-se à envergonhada decisão dos curadores. Outros, em repto, resolveram retirar suas obras da exposição.

Mostras com esse tipo de segregação já existiam em outros estados, como no Pará, diziam integrantes do júri técnico. “Pretendemos, com isso, dá oportunidade aos artistas inconformados com a rejeição”, justificou, à época, a coordenadora da exposição, Rosilan Garrido.

No refugo - Mas a reação da comunidade artística veio à altura. “É muito mais indecente que os próprios [artistas] rejeitados aceitem essa condição vexatória de se deixar confinar numa mesquinha seção de refugos, numa evidente demonstração de falta de respeito ao seu próprio trabalho”, escreveu Ubiratan Teixeira, em crônica publicada no jornal O Estado do Maranhão.     

Ubiratan argumentava ainda que, a cada ano, o nível dos trabalhos não evoluía. Segundo ele, os artistas continuavam produzindo compulsivamente, mas a maioria estava fora do tempo, alimentando o ideal de que era “chique fazer arte”. A exceção, dizia, era Geraldo Reis, “um dos artistas mais criativos dos últimos dez anos”, ao lado de Mondego, Ivana Farias, Marlene Barros e Donato, estes ainda “sofrendo de sua dramática reclusão estética”. 

Entre as obras que compunham a “Coletiva dos Excluídos”, havia trabalhos de qualidade, “surpreendentes até”, segundo Ubiratan. Marlene Barros inscreveu três telas: duas foram selecionadas para a mostra oficial e uma ficou no rebotalho. Na mostra oficial estava um busto imitando a imagem da então governadora Roseana Sarney. “Se eu fosse a excelentíssima, tacava um processo no [artista] indigitado por ofensa à moral e ao pudor”, escreveu Ubiratan.     

Geraldo Reis, que estava na mostra oficial e fora um dos premiados na edição de 1996, também reagiu à criação da “Coletiva dos Excluídos”: “Talvez essa tenha sido uma forma de agradar a todos, mas considero que um evento importante como a Coletiva não possa agradar a todos. Então, para que serve o júri técnico?”. Sobre o busto para Roseana, disse Geraldo: “Cairia bem como um presente à governadora, mas ficou fora de contexto num salão de artes plásticas”. 

Uimar Jr. na capa do "Jornal do Brasil"

Uimar Júnior na capa do Jornal do Brasil

Uimar Júnior saiu dos corredores do Convento das Mercês para estampar por três vezes a capa do Jornal do Brasil e de outras publicações pelo País. A escultura viva do jovem artista maranhense também foi destaque no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e chegou a ser classificada por alguns artistas cariocas como algo “brilhante e fantástico”. 

Ao ser convidado pelo professor e produtor cultural Euclides Moreira Neto, Uimar Júnior não imaginava que a participação na primeira Coletiva de Maio, há 30 anos, mudaria o rumo de sua vida. Corpo coberto por uma pasta d’água, tinta em pó verde e purpurina, movimentos sutis, o personagem meio androide de Uimar fez história e atraiu a atenção de curiosos por onde passou.

A performance “Homem nu” era uma homenagem às esculturas gregas. “Os gregos não davam essa conotação de imoralidade à arte do nu. Nas pesquisas que fiz, o nu para os gregos tinha a ver com religiosidade. O nu estava relacionado à pureza, e por isso mesmo mais próximo dos deuses”, conta o artista, que afirma não ter sofrido qualquer discriminação na época.

Uimar Júnior diz que a sua arte está a serviço da contestação. As performances – e não foram poucas ao longo de três décadas – têm sempre uma conotação ou política ou social. Assim tem sido ao chamar a atenção para a devastação dos babaçuais, o descaso com o patrimônio cultural e o desprezo aos monumentos públicos de São Luís. 

Medo de avião - O ator e performer chegou a morar no Rio, onde participou de duas peças de teatro. Mas, na época, desenvolveu uma síndrome do pânico e teve de voltar ao Maranhão. Ficou um tempo isolado, em busca de tratamento para o medo de entrar em avião ou qualquer ambiente fechado, fato que estancou os planos de uma carreira nacional.

Uimar Júnior é considerado o pioneiro do estatuísmo no Brasil, autor de uma obra silenciosa, mas que, apesar do paradoxo, dialoga facilmente com o público. Tímido, mas cheio de coragem para expor a linguagem do próprio corpo. Assim é o artista, natural de Codó, que iniciou nas artes cênicas aos 18 anos, ainda aluno da antiga Escola Técnica Federal do Maranhão, sob influência do professor Cosme Junior.

“A Coletiva de Maio foi um marco na minha vida, e na vida de muita gente. É como se a Semana de Arte Moderna tivesse desembarcado no Maranhão em 1991, com quase 70 anos de atraso”. No início da década de 1990, observa Uimar, eram poucas as pessoas que sabiam o que significava arte contemporânea.

Depois de receber o reconhecimento popular nas edições de 1991, 1992 e 1993 – com premiação em dinheiro, inclusive –, Uimar viu o seu trabalho descartado pelos organizadores da Coletiva de Maio nos anos seguintes. Em 1995 e 1996 a curadoria extinguiu da exposição instalações e performances. Houve protesto, mas sem sucesso.

“De certa forma, isso fez com que o público fosse perdendo o interesse em visitar a exposição. As pessoas estavam sedentas por novidade”, pondera. “Era uma época de mudança, que pedia evolução. Mas os organizadores retrocederam no tempo e a Coletiva de Maio perdeu o sentido”. Uimar Júnior escreveu uma carta aos organizadores classificando o evento como “uma coletiva arcaica”.  

-----------------------------

@Matéria sem fins lucrativos 

9 comentários
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba - PR
Atualizado às 22h12 - Fonte: Climatempo
10°
Céu encoberto

Mín. Máx. 15°

° Sensação
13 km/h Vento
94% Umidade do ar
40% (2mm) Chance de chuva
Amanhã (17/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 13°

Nublado
Sexta (18/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 13°

Sol com muitas nuvens e chuva
Ele1 - Criar site de notícias