Quarta, 26 de Janeiro de 2022
24°

Nuvens esparsas

Curitiba - PR

Brasil Textos Escolhidos

A presença especial de Fernando Braga, com texto em homenagem ao pai

Publicado sob autorização do autor

13/12/2021 às 12h28 Atualizada em 13/12/2021 às 13h26
Por: Mhario Lincoln Fonte: Fernando Braga
Compartilhe:
Fernando Braga e o Pai.
Fernando Braga e o Pai.

Canto de amor e prece à Praia Grande, Trapiche & Cia

Textos escolhidos: Fernando Braga, in ‘O Puro Longe’, 2012.

 "É esta a alva coluna, o lindo esteio

  sustentador das obras mais que humanas

  que eu nos braços tenho e não no creio?”

  Luís Vaz de Camões

A José Ernani dos Santos, meu pai, Aveiro, Portugal,

17.10.1910 – São Luís do Maranhão, 25.12.1975. 

                    1            

Nas porcelanas de faiança apenas a sombra

da raiz do tempo.

As tabuletas caíram das frentes dos sobrados 

de azulejos portugueses e de madeiras de carvalho,

as mesmas das caravelas dos descobrimentos;

Nímios argamassados com óleo de baleias e pedras de lioz,

eternas nas calçadas, desafiam com ternura as possibilidades 

do tempo; são pedras que faziam lastros para os navios

que teriam de voltar carregados para o sustento mercantil 

da Companhia de Comércio das Vinhas do alto Douro.

Aquelas pedras polidas e feridas e de cantaria e de calendas, 

de lendas e romarias, fazem a história mágica que canto.

Pedras tenazes, de fontes e ruas, e de frades, sentinelas 

de becos e vielas, dogmas fálicos e blenorrágicos de orgias.

                  2

Não há mais vivalma de corpos postos e eretos ossos, 

a encherem o trapiche de estrume e cálcio...

Homens do ganho, sem camisas e com calças arregaçadas

às canelas, juntos aos regatões, descansam em horas calmas;

no Beco da Catarina-Mina, a velha Honorata, a mulata 

do peixe-frito, bradava a dizer que o filho tinha sido recrutado

pela Marinha de Guerra e levado para uma outra Marambaia... 

                 3

Nas marés altas, Leviatã continua pescado com arpão 

e sua língua presa à corda.

A Praia Grande se me abriu n’alma, uma saudade sem cura

e jeito, e uma ferida dentro do peito, feita de uma saudade

de pedra-e-cal.

Uma saudade lírica e destemperada deixada com os apitos

abaritonados dos navios de cabotagem e mistos, 

que estão no cais, ou nos canais das marés-altas... 

Os navios que não apitam não se despedem!

Uma saudade que amo, quando de perto vivo,

uma saudade que sofro, quando de longe morro.  

Uma saudade a me despencar pelo verde-limo 

e a me fazer de esperas.

Por isso me faço e desfaço, com o árido pão 

que mastigo, com as mandíbulas e outros sentidos,

e pedaços irregulares de distâncias.

Há em mim o nervo de uma ode-Mar na essência 

desse meu avaro chão, a ditar-me o verbo insepulto, 

mas sonâmbulo, como um poema verde.

                        4

Estar-se na Praia Grande é um alívio, um jazer 

no germinal do mistério e na magia do encantamento,

porque meu mar não tem fronteiras e nem medidas.

Um assobio trinado, uma mecha de cabelo caída à testa,

um lápis atrás da orelha, restou de um mórbido silêncio 

e longa pausa na pauta do tempo.

Com os pés feridos pelos desníveis dos paralelepípedos,

um desterrado, fugido das páginas romanescas 

de Ferreira de Castro, canta sua loucura, em monólogos 

sofridos, até às lágrimas dos imigrantes que o assistem...

Sou apenas um dublê de capitão e pirata, que a viração 

dos ventos levou no final da tarde.

Sinto ainda meu pai ao meu lado, a dizer-me que a pedra 

mais angular da Praia Grande inteira,

é a que deu nome ao peixe.

                    5

Praia Grande em silêncio, solitária, fidalga 

e generosa, passeia comigo de mãos dadas

na imensidão do domingo, quase na virada da tarde,

 plena e inteira, meiga e mágica.

Caminho com sextilhas no meu ritmo desordenado,

mas perfeitamente amparado por um canto de saudade

que se me faz marítimo.

Ao caminhar, vou a descobrir figuras nas pedras de cantaria, 

livre por instantes cadentes aos impulsos e circunstâncias, 

mas preso definitivamente pelo assobio saudoso e trinado 

de meu pai, que sem querer chamava o vento.

E o bonde da Estrada de Ferro passa sobre os trilhos polidos, 

a levar consigo lembranças do nunca mais...

E a Praia Grande plena de imensidão caminha comigo 

no plano do silêncio... Uma desmedida silencidão!

Isto é a alma e a essência deste canto!

Estou pleno no altiplano dessa grande mercancia, cativo às 

correntes do meu hipocampo.

                       6

Não tenho pressa alguma, porque meu tempo é generoso 

como se eu tivesse sendo esperado pelo amor e pelos carinhos

de minha amada mãe!

Os armazéns estão fechados... Estou entre o agora

e o passado! 

Estar-se na Praia Grande é estar-se em Lisboa,

Igualzinha a que meu pai me trouxe, e que depois 

fui buscá-la, para guardá-la num domingo 

de minha infância, porque em mim, a Praia Grande 

há de reviver-se portuguesa, com certeza, rica, festiva, 

regateira e alfacinha...

----------------------

* Fernando Braga, in ‘O Puro Longe’, 2012.

Ilustrações: Foto de meu pai, José Ernani dos Santos,  

aos 45 anos de idade, e da Rua Portugal, Praia Grande,

no Centro Histórico de São Luis do Maranhão.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias