Quarta, 26 de Janeiro de 2022
25°

Nuvens esparsas

Curitiba - PR

Brasil Imortal APB

A IDENTIDADE CULTURAL PÓS-MODERNA NA POÉTICA DE SAMUEL MARINHO, por Paulo Rodrigues

Autorizada a publicação pelo autor, membro da Academia Poética Brasileira

19/12/2021 às 13h07
Por: Mhario Lincoln Fonte: Paulo Rodigues
Compartilhe:
Paulo Rodrigues e Samuel Marinho
Paulo Rodrigues e Samuel Marinho

“a vida me ilude o tempo inteiro/ dilema ancestral pós-moderno”.

Samuel Marinho

Fui retirar, nos Correios, o livro Fotografias para Perfis Fakes do Samuel Marinho, na segunda-feira. Cheguei ansioso. Abri a obra e iniciei a leitura. Eu conhecia o original, mas depois de diagramado é outro produto. 

A Editora Penalux caprichou na capa e no projeto gráfico. São cento e quarenta seis páginas de poesia contemporânea, que abrem uma sintaxe inventiva e repleta de xeque-mate. Guilhermina Rosa comentou numa resenha: “Como nos seus livros anteriores, o autor mais uma vez traz a linguagem informacional para o jogo da construção poética. Agora com a lembrança ao lado, sua poesia afasta de quaisquer maneirismos o uso de tal linguagem”.

Samuel é autor de Pequenos Poemas Sobre Grandes Amores (edição do autor, 2001), Poemas In Outdoors (Penalux, 2018) e Poemas de Última Geração (Penalux, 2019). Com este último trabalho foi finalista do Prêmio Jabuti 2020, mostrando a força dos poetas maranhenses, na atualidade. 

Ele sabe distinguir, na poesia, o que é o jogo falso da linguagem para se debruçar na busca do inesperado. Apresenta com perspicácia uma capacidade de construir imagens, assim como estimula uma discussão em torno da identidade cultural pós-moderna.

Hall (2011, p. 409) discute a questão da identidade: “acho que a identidade cultural não é fixa, é sempre híbrida. Mas é justamente por resultar de formações históricas específicas, de histórias e de repertórios culturais de enunciação muito específicos, que ela pode construir um ‘posicionamento’, ao qual nós podemos chamar provisoriamente de identidade”. 

Neste sentido, o autor faz um recorte de seu tempo nos enunciados metafóricos.

O poeta tece o discurso irônico, a intertextualidade, a luta (oculta) das classes e a nova identidade humana em:

POEMA ATRIBUÍDO A 

PAULO LEMINSKI  

esse vício

da polarização fácil

                          entre

                           a tua mentira indócil

                           e a minha verdade difícil

                           já nos levou além

do precipício (SAMUEL MARINHO, p.37)

De acordo com Hall, a identidade cultural é fabricada pela vida material. Então, no nosso contexto, moldamos em nós o fragmentário, os saltos sem sequência linear, uma ética para o instante vivido (sem nenhuma ligação com a tradição aristotélica). Samuel faz a leitura dos extremos. Invoca conceitos da filosofia, trocando a roupa do lugar comum.

Os conflitos são rabiscados nas paredes finais do texto: “e a minha verdade difícil/ já nos levou além/ do precipício”.

O caminho da análise aponta referências da cultural ocidental como no poema FLASH:

e no final de tudo

          o céu relampejando

          era Zeus

          tirando fotos

                  do mundo (SAMUEL MARINHO, p.111)

A mitologia é base de equilíbrio na discursividade pós-moderna, que é volúvel como o capitalismo financeiro. No entanto, carrega marcas transdiscursivas que fortalecem a escrita, no mundo líquido tão bem teorizado por Zygmunt Bauman. O flash é uma metáfora da luz, capaz de iluminar o escuro coetâneo.

É importante destacar a ausência da pontuação normativa na tecitura de Samuel, porque o poeta está costurando fotos, perfis, fakes em fogos de artifício. Parece colar nos olhos do leitor o fragmentaríssimo instante.

Para Hall, o fragmentário é a marca principal da identidade pós-moderna. Em Fotografias para Perfis Fakes até nos poemas de fôlego, o discurso está em pedaços como no poema ALGORITMO PARA FOTOGRAFAR DIAS DE CHUVA e LEMBRETE PARA UM TURISTA ASSIM COMO EU DESAVISADO. 

Samuel Marinho tem a crítica para o agora: “provas e testemunhas não existem/ verdades e mentiras insistem/ no tiro ao alvo sem fim/ na mira/ do tempo/ fragmentado”.  Conhece a luta movediça no campo da linguagem. 

É surpreendente e multissignificativo. 

-------------------------------------      

Paulo Rodrigues (Caxias, 1978), é graduado em Letras e Filosofia. Especialista em Língua Portuguesa, professor de literatura, poeta, jornalista. É autor de vários livros, dentre eles, O Abrigo de Orfeu (Editora Penalux, 2017); Escombros de Ninguém (Editora Penalux, 2018). 

Ganhou o prêmio Álvares de Azevedo da UBE/RJ em 2019, com o livro Uma Interpretação para São Gregório. 

Venceu o prêmio Literatura e Fechadura de São Paulo em 2020, com o livro Cinelândia.

É membro da Academia Poética Brasileira.  

e-mail: [email protected]

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias