Quarta, 16 de Junho de 2021 23:54
[email protected]
Internacional Convidados

Mais um capítulo do aplaudido livro AS CORES DO SWING, de Augusto Pellegrini

Entretenimento.

17/05/2021 16h14 Atualizada há 4 semanas
545
Por: Mhario Lincoln Fonte: Augusto Pellegrini
capa
capa

Livro de Augusto Pellegrini

Capítulo 1 – O REI DO JAZZ – Parte 1

A neve caia em finos flocos na noite fria de Chicago, como um manto de renda branca enevoando a visão da pequena multidão que se deslocava pela região central.

Paul caminhava pela calçada que refletia as luzes da noite, a gola do sobretudo levantada cobrindo a metade da sua cara rosada e rechonchuda, e o chapéu de feltro enfiado até a altura dos olhos não deixando entrever o seu semblante.

Ele seguia em direção ao Joe's, um pequeno restaurante escondido numa travessa lateral da Avenida Michigan, próximo ao ancoradouro, para um jantar costumeiro em companhia do seu amigo, o compositor e arranjador Ferde Grofé.

Já fazia algum tempo que Paul se confessava um pouco inquieto e preocupado, e dois dedinhos de prosa com Ferde poderiam desanuviar um pouco a sua mente.

No momento, ele andava à procura de uma novidade que desse um impulso e um tempero novo à sua música, que começava a ser considerada antiquada e pomposa, pelo menos para os músicos de vanguarda e para alguns críticos mais exaltados, cuja opinião incomodava cruelmente a sua autoestima.

O fato é que anos atrás, com a chegada em Chicago de alguns inovadores vindos de Nova Orleans, começara a se estabelecer na cidade uma verdadeira revolução nos conceitos da música orquestral americana.

Paul havia se acostumado a falar com desdém e também com um certo ressentimento sobre a invasão dessa música de origem negra chamada stomp que começara a mudar a cabeça das pessoas a partir da segunda metade dos anos 1920. No entanto, ele acabou sendo forçado a mudar de opinião, considerando que a música em questão alcançara tanto sucesso que provocara a criação de um novo estilo, conhecido como "estilo chicago", adotado em função do nome da cidade.

Paul já começava então a ver com outros olhos e a ouvir com outros ouvidos a inovação sulista, à medida que boa parte do país estava falando com animação dessa música quente e envolvente que, diziam os seus seguidores, já dominava a Costa Leste e se espalhava para outros cantos dos Estados Unidos.

Na verdade, Paul Whiteman era um músico de formação erudita, e suas orquestrações refinadas eram um espelho da música de salão que chegara à América oriunda dos bailes das cortes europeias, cujo ponto alto havia sido as últimas décadas do século dezenove.

A música de Paul Whiteman, rotulada como "sweet music", era apreciada tanto pela classe aristocrática quanto pelos menos abastados e até pelos gângsters – os delinquentes que naqueles anos dominavam o panorama de Chicago – porque a música gerava muito lucro, levando sempre um grande público para consumir os comes e bebes nas sofisticadas casas de baile por eles dirigidas. Era uma música vestida a rigor que convinha muito bem à sociedade de consumo dos fantásticos anos 1920, quando a industrialização começava a tomar conta das atividades principais do país e a vida do jet set se dividia entre os bares clandestinos e as limusines de luxo.

Naquele início de década, sempre que a orquestra de Paul Whiteman era mencionada, respirava-se um ar de respeito. A qualidade da sua música ainda era exaltada pelos inúmeros admiradores, e Paul era um músico aclamado nos salões elegantes bem frequentados por fraques e cartolas e por vestidos de soirée. Seus comandados – entre eles o saxofone inventivo de Frank "Tram" Trumbauer, o saxofone comportado de Jimmy Dorsey, o violino mágico de Joe Venuti, o virtuosismo do guitarrista Eddie Lang e o sonoro trombone de Tommy Dorsey – pontificavam entre os mais competentes do momento. O som aveludado de sua orquestra servia também como um bálsamo para as cicatrizes deixadas pela guerra mundial que terminara alguns anos antes.

No entanto, Paul sentia que estava perdendo terreno para a música mais animada dos negros, na qual era imposto um ritmo alucinante, fazendo crescer uma pulsação que fazia pés e mãos se mexerem automaticamente. A curiosidade em conhecer de perto esta nova tendência fora – ele não podia deixar de admitir – um dos motivos pelos quais ele havia deixado pra trás a prazerosa Costa Oeste para partir de armas e bagagens em direção ao Norte-Nordeste do país, onde poderia experimentar tal novidade.

Enquanto caminhava e estugava o passo temendo a possibilidade de que a nevasca aumentasse, Paul fazia um retrospecto da sua vida e da sua carreira, e sentia saudades de San Francisco, Los Angeles e Atlantic City, lugares onde ele exibira com sucesso os seus dotes musicais dentro de uma temperatura mais amena e agradável, em todos os sentidos.

Paul whiteman.

Não que ele não gostasse de Chicago, mas o frio às vezes inclemente da região fazia doerem as suas juntas e progressivamente alimentava um reumatismo que começava a preocupar sua postura de maestro.

Quando aportara em Nova York, no ano de 1920, Paul podia ir tranquilamente a um teatro ou a um clube noturno, ou mesmo caminhar de peito aberto e cara limpa pela Quinta Avenida ou pelas artérias principais da cidade sem ser reconhecido ou importunado por entusiastas à procura de um autógrafo ou de um cumprimento mais efusivo.

Então, quando se refestelava no melhor restaurante para saborear seu prato favorito – vitela com batatas assadas ao molho de ervas finas e hortelã – acompanhado por um vinho leve, ele planejava o futuro com otimismo e com a calma dos gorduchos bem-intencionados.

Mas agora, em Chicago, Paul vinha cercado de dúvidas.

Às vezes ele não tinha certeza de que havia feito o certo, ao procurar esta região do país, tida como a nova Meca do espetáculo, como muitos músicos de outras partes haviam feito.

Entre estes músicos, subindo o Rio Mississipi com destino a Chicago, estava um tal de King Oliver, antecipando a chegada de um cornetista de quem se falava maravilhas, chamado Louis Armstrong. No rastro de Oliver chegaram também dos diversos recantos do sul muitos outros inovadores, trazendo com eles uma forte influência de uma forma musical envolvente e fora dos padrões harmônicos convencionais que mostrava uma divisão esquisita e não usual. A novidade era conhecida como "blues" – na verdade era o blues de Nova Orleans, não aquele de raiz.

Paul havia tido a ousadia de romper o contrato que mantinha com o sofisticado Hotel Fairmont, em San Francisco, para onde convergia o público rico e charmoso da cidade, fazer as malas e partir para o desconhecido, a fim de mostrar para a América o seu estilo elegante. Buscava também promover uma saudável troca de informações entre a sua música comportada e as tendências mais arrojadas que sabia estarem em voga.

Afinal, as fortes influências trazidas pelos negros do sul já estavam causando uma certa transição na música orquestrada, e ele estava curioso a respeito disso.

Talvez amedrontado pelo tamanho e pelo dinamismo de Nova York, Paul Whiteman fez uma parada de cerca de um ano em Nova Jersey, a antessala da Big Apple, antes de colocar a cara num estúdio e gravar algumas das suas orquestrações.

Músico de grande referência, não foi difícil a Paul convencer um estúdio a executar uma sessão de gravação com a orquestra, na tentativa de conquistar o exigente mercado nova-iorquino.

Para tanto, ele buscou apoio no renomado compositor e diretor de orquestra Ferdinand Rudolph van Grofé, mais conhecido como Ferde, autor da esplêndida suíte "Grand Canyon", a quem procurou levando uma carta de recomendação de um amigo comum que tocava corne inglês na Orquestra Sinfônica de San Francisco. Feitas as apresentações, Grofé se entusiasmou com o projeto do maestro e acabou se transformando em seu braço direito.

A sorte fora lançada e, ao terminar a gravação de "Whispering" (Vincent Rose) e de "Japanese Sandman" (Richard A.Whiting), restou a Paul a angustiosa expectativa de vê-las cair no gosto do público ou, quem sabe, de resultar em um redondo fracasso.

A resposta, quase dois milhões de cópias vendidas – um absurdo para a época – não deixou dúvidas quanto à aceitação da sua música e da consequente consolidação do seu estilo.

Paul Whiteman era a nova coqueluche do momento.

É claro que havia um bocado de confusão na época sobre o que seria e o que não seria jazz. Aparentemente, a música tocada por Paul Whiteman, por fazer parte de um repertório que incluía alguns standards tocados ou compostos por músicos que se diziam de jazz, era considerada por muita gente como sendo uma versão diferente do tema, mas ainda assim, jazz.

Mas Paul sabia muito bem que isto não era verdade. Sendo um músico de alta sensibilidade, ele conseguia diferenciar perfeitamente a sua música e os seus arranjos suaves, claros e aparentemente mais civilizados, daquela música que se chamava de jazz, repleta de meios tons, de batidas invertidas e de uma certa insubordinação sonora que traduzia a origem rasgada vinda das raízes do ragtime.

Paul Whiteman era um purista, e a princípio chegou a pensar que talvez jamais fosse aceitar a inclusão do jazz na sua música. Afinal, ele não se afinava totalmente com aquele estilo que, ao chegar em Chicago, já tinha ou recebera diversos nomes, como traditional jazz, stomp, new orleans, blues, dixieland, e mais recentemente, chicago, que abrigavam no seu som uma pungente mensagem do negro escravo, uma realidade longínqua para as suas fortes raízes anglo-saxônicas.

Chicago/EUA.

Whiteman era o seu nome e branca era a sua música, baseada no formalismo comportamental europeu. A explosão nova-iorquina da sua música era, no seu modo de ver, uma prova mais do que evidente de que ainda havia bom senso nas pessoas que apreciavam a boa arte musical.

Elas até podiam gostar daquela música negra da Louisiana, cheia de sons estranhos e tomada por um ritmo alucinante. Esta música, porém, não convidava os casais românticos a dançar socialmente nos salões elegantes; o que ela fazia era criar no corpo e na mente uma agitação frenética, marcante e ruidosa, quase selvagem.

Paul tinha a impressão de que, quando soava o stomp, até os pés das mesas e das cadeiras se manifestavam em êxtase, embora sem o menor refinamento.

Para a vaidade de Paul, o que contava era que, naquela mesma Nova York influenciada pela música negra, a sua arte melódica e quase sinfônica também havia conseguido obter o reconhecimento imediato do público, a ponto de transformar a sua orquestra da noite para o dia na mais popular da cidade.

VÍDEO BÔNUS

Esta foi uma das poucas gravações dele que foram bem gravadas. Era uma mixagem multicanal no filme, muito antes de as gravadoras a adicionarem. Na verdade, o áudio do filme foi dobrado primeiro. Observe o captador de piano.

">

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Curitiba - PR
Atualizado às 23h35 - Fonte: Climatempo
Céu encoberto

Mín. Máx. 15°

° Sensação
13 km/h Vento
93% Umidade do ar
40% (2mm) Chance de chuva
Amanhã (17/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 13°

Nublado
Sexta (18/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 13°

Sol com muitas nuvens e chuva
Ele1 - Criar site de notícias